Fórum Reforma Tributária BandNews

Foto: Beto Barata/Estadão

Segundo Gilmar, STF pode alterar processo de Atibaia contra Lula

Por Redação

02 de outubro de 2019 : 01h35

No blog do Fausto

STF deve limitar efeito sobre Lava Jato, diz Gilmar

Corte deve definir nesta quarta, 2, alcance de decisão que dá a réus delatados o direito de falar por último em ações que também têm réus delatores

Camila Turtelli e Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

01 de outubro de 2019 | 21h58

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta terça, 1, que a Corte deve limitar o efeito da decisão que pode anular condenações impostas pela Operação Lava Jato. Na semana passada, 7 dos 11 ministros votaram favoravelmente à tese de que réus têm o direito de apresentar defesa depois dos delatores. O tema será retomado na sessão de nesta quarta, 2, do Supremo.

Segundo o ministro, já há maioria para limitar o alcance da decisão apenas a réus que tiveram negado, ainda na primeira instância da Justiça, o pedido para falar por último nas ações em que também há réus delatores. Esse entendimento, se confirmado, poderia alterar a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do sítio de Atibaia (SP). Lula foi condenado a 12 anos e 11 meses por corrupção e lavagem em decorrência de reformas bancadas por empreiteiras na propriedade.

“Parece que essa é a modulação passível e possível de se fazer. Já se formou maioria nesse sentido. Acho que essa é a decisão”, afirmou Gilmar.
(…)

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Netho

03 de outubro de 2019 às 16h17

Desde o Império a Suprema Corte é um “puxadinho da Casa Grande”.

Responder

Everton

02 de outubro de 2019 às 12h05

“tempus regit actum” è o basico do direito processual.

Responder

Justiceiro

02 de outubro de 2019 às 11h27

A pergunta que eu gostaria de fazer os deuses do STF. duas, aliás:

1) e se por intuição o juiz tivesse mandado o delator se manifestar depois do delatado? E o delator tivesse reclamado, alegando que se sentiu ofendido, já que ambos, delator e delatado sãos réus?

3) E se num julgamento nenhum réus acusar o outro, durante todo o processo e, nas alegações finais, um resolver delatar o outro? Como nenhum se apresentava como delator, ambos terão que apresentar as alegações finais ao mesmo tempo. Mas eis que aparece uma delação de última hora, como fica?

E se for o contrário? um delatar o outro, quem fala primeiro?

Responder

Paulo

02 de outubro de 2019 às 10h10

Decisão de ocasião, verdade seja dita. Sim, porque, ou houve prejuízo à defesa, e TODOS devem ter o direito de falar (anulando-se os atos posteriores), ou não houve, e ninguém deve ter. Se a questão é nova, como é que um advogado poderia invocar, à época, o direito de falar depois, nas alegações finais?

Responder

    Everton

    02 de outubro de 2019 às 10h42

    Prà là de ridiculo, como sempre.

    Responder

    Justiceiro

    02 de outubro de 2019 às 11h21

    Não tem nada na lei que diga que delator fala antes do delatado.

    Então, como o juiz vai determinar a aplicação de uma regra que não existe?

    Só na cabeça desses ministros, que estão afundando o Brasil.

    Responder

Deixe uma resposta