Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Balança comercial brasileira cai quase 80%, puxada por queda na exportação de manufaturados

Por Redação

01 de novembro de 2019 : 16h50

Os números da balança comercial brasileira apresentaram uma deterioração muito forte, tanto em relação ao mês anterior como em relação a igual período do ano passado.

A balança comercial (diferença entre exportações e importações) fechou outubro com superávit de US$ 1,206 bilhão. O resultado é 79,2% inferior ao registrado em outubro de 2018 (US$ 5,792 bilhões) e o pior para o mês desde 2014, quando a balança tinha fechado com déficit de US$ 1,188 bilhão.

O tombo mais expressivo se deu no setor da indústria de transformação, com queda de US$ 112,6 milhões na média diária de outubro, em relação ao mesmo mês de 2018.

Balança comercial registra menor resultado para outubro em cinco anos
Resultado é 79,2% inferior ao registrado em outubro de 2018

Publicado em 01/11/2019 – 16:03

Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil Brasília

Agência Brasil – – A queda nos preços internacionais de vários produtos, a crise econômica na Argentina e a menor demanda por soja na China fizeram a balança comercial (diferença entre exportações e importações) fechar outubro com superávit de US$ 1,206 bilhão, divulgou hoje (1º) a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia. O resultado é 79,2% inferior ao registrado em outubro de 2018 (US$ 5,792 bilhões) e o pior para o mês desde 2014, quando a balança tinha fechado com déficit de US$ 1,188 bilhão.

No acumulado do ano, a balança comercial acumula superávit de US$ 34,823 bilhões, montante 26,7% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado. O valor é o menor para o período de janeiro a outubro desde 2015.

As exportações somaram US$ 18,231 bilhões no mês passado, com recuo de 20,4% em relação a outubro do ano passado pelo critério da média diária. As maiores quedas foram registradas nas exportações de petróleo bruto (-US$ 1,6 bilhão na comparação com outubro de 2018), por causa da redução dos preços internacionais e do baixo crescimento da produção brasileira, e de aço semimanufaturado (-US$ 499 milhões), por causa da retração dos preços internacionais e da menor demanda dos Estados Unidos.

Outro produto que teve impacto na queda das exportações foi a soja em grão, com redução de US$ 294 milhões em relação a outubro do ano passado, motivada pela queda dos preços externos, pela menor safra brasileira e pela crise na produção de suínos na China, que usa a soja brasileira para alimentar porcos. Em seguida, vêm a queda de US$ 139 milhões nas vendas de automóveis, provocada pela crise na Argentina, e a redução de US$ 111 milhões nas exportações de minério de ferro, decorrente da menor produção brasileira depois do rompimento da barragem em Brumadinho (MG).

As importações totalizaram US$ 17,025 bilhões em outubro, com alta de 1,1% na comparação com o mesmo mês do ano passado. No acumulado do ano, as exportações somam US$ 185,437 bilhões, queda de 7,7% em relação aos dez primeiros meses de 2018. As importações somam US$ 150,614 bilhões, com queda de 1,5% na mesma comparação. Todas as variações levam em conta a média diária.

Segundo o Ministério da Economia, as exportações de outros produtos subiram, mas não em ritmo suficiente para compensar a queda nas vendas dos principais produtos exportados. Em outubro, aumentaram as exportações de milho (+US$ 488 milhões), de carne bovina (+US$ 187 milhões), de algodão (+US$ 134 milhões) e de carne suína (+US$ 40 milhões).

Depois de o saldo da balança comercial ter encerrado 2018 em US$ 58,959 bilhões, o segundo maior resultado positivo da história, o mercado estima um superávit menor em 2019, motivado principalmente pela recuperação da economia, que reativa o consumo e as importações, e pelas tensões comerciais entre países desenvolvidos, que reduz o comércio global.

Segundo o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, os analistas de mercado preveem superávit comercial de US$ 47,5 bilhões para este ano. O Ministério da Economia tem estimativas mais pessimistas. No início de outubro, a pasta revisou para baixo a projeção de superávit em 2019, de US$ 56,1 bilhões para US$ 41,8 bilhões.

Edição: Aline Leal

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Andressa

04 de novembro de 2019 às 12h11

“Depois de o saldo da balança comercial ter encerrado 2018 em US$ 58,959 bilhões, o segundo maior resultado positivo da história, o mercado estima um superávit menor em 2019, motivado principalmente pela recuperação da economia, que reativa o consumo e as importações, e pelas tensões comerciais entre países desenvolvidos, que reduz o comércio global.!” Faltam ao apelo as exportaçoes para Argentina e Venezuela, as encrencas entre EUA e China tambèm nào ajudam.

A esquerda entendeu que a economia deu uma virada e no proximo ano sairà da lama…digam adeus as eleiçoes de 2022 !!

Responder

Mocelin

03 de novembro de 2019 às 18h06

Um povo que elege políticos impostores, ladrões e traidores corruptos não são vítimas … mas cúmplices ”
– George Orwell

Responder

Aureliano

03 de novembro de 2019 às 17h07

SEM Perhaps: quem é o mandante da morte da Marielle Franco?

1 – Ou o próprio Jair Bolsonaro
2 – Ou um dos seus filhos
3 – Ou o mandante é o clã como um todo.

Isso tudo porque a Marielle Franco ia disputar uma vaga no senado com amplas chances de derrotar o Flávio Bolsonaro, o eleito.

Prenderam o Lula para ele não concorrer à Presidência, mataram a Mariella para ela não derrotar o Flávio Bolsonaro.

Simples assim.

O Brasil precisa se livrar dessa família de milicianos assassinos, fãs de torturadores.

Responder

Sebastião Farias

03 de novembro de 2019 às 12h04

Parabéns ao OCAFEZINHO, à sua redação e toda sua equipe, por sua excelente, oportuna, informativa e instrutiva matéria, sobre a conjuntura econômica do Brasil, atrelada ao neoliberalismo. Acorda povo brasileiro, enquanto é tempo, nenhuma autoridade está nem aí para o povo e a CF. Nenhum deles demonstra conhecer o Artigo 3º da Constituição Federal da República Federativa do Brasil, que dispõe sobre os Fundamentos da República. Para essas pessoas quem manda é o mercado, os seus interesses ou de grupos que representam.
Seria importante que essas autoridades que defendem a implementação desses projetos neoliberais, elencassem pelo menos um país que os implementou e cuja nação e seu povo, vivem felizes, com justiça, bem-estar geral e sem desigualdades. A ordem natural do estado de direito democrático é, o povo e a nação, a CF e as leis, o Estado brasileiro e o Brasil.
Como podem ver, o mercado de capitais, que é um ser abstrato e concentrador e, que só reconhece quem tem dinheiro, ou seja, o mercado não reconhece os pobres, trabalhadores que sobrevivem de baixos salários e os sem dinheiro. Também, o mercado é desestimulador do mercado interno e fomentador da miséria dos países, ou seja, o mercado não figura na ordem econômica constitucional porque, o mercado tem que está a serviço do povo e do Estado, entendam isso.
A propósito e, como contribuição nossa ao tema e à conjuntura nacional, apresentamos para quem interesse, o que segue, em três partes:
Com Deus e com a CF, pela união, salvação da Amazônia e do Brasil.
Aos cidadãos que se dizem cristãos, sejam protestantes, evangélicos, católicos, etc, que se associam às maldades e injustiças praticadas contra a criação que é de Deus, ao povo e à nação brasileira, é bom irem meditando desde agora, sobre seus atos e atitudes anticristãs, porque elas impedem a consolidação do Reino de Deus e, vão contra o que nos ensinou, Nosso Senhor Jesus Cristo, que disse: “Dou-vos um novo mandamento: Amai-vos uns aos outros. Como eu vos tenho amado, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros.” (São João 13,34 ).
Sobre esse desvio de comportamento principalmente, dos cristãos e, para abrir os olhos daqueles que têm olhos mas não vêm, és alguns argumentos bíblicos que provam e que amparam, a Igreja de Cristo e todos os cristãos, a defenderem a Criação de Deus, o Meio-Ambiente e a Amazônia, o Criador e Autor de todas as coisas: “O Senhor Deus tomou o homem e o colocou no jardim do Éden, para cultivar o solo e o guardar.” (Gênesis 2,15).
Também está dito no Salmo de Davi: “Do Senhor é a terra e tudo o que ela contém, a órbita terrestre e todos os que nela habitam, pois ele mesmo a assentou sobre as águas do mar e sobre as águas dos rios a consolidou.” (Salmos 23,1-2).
A terra e a criação pertencem a Deus, que nos acolhe e nos abriga igualmente, sem discriminação ou privilégios, vamos cuidar dela: “A terra não se venderá para sempre, porque a terra é minha, e vós estais em minha casa como estrangeiros ou hóspedes” (Levítico 25,23 ). Ora, se somos inquilinos e hospedes, quer dizer que não somos o dono da casa (a Terra), que é de Deus. Logo, o mínimo que temos que fazer como gratidão, ao favor que recebemos Dele, enquanto moramos nessa casa (a Terra) que não é nossa, é cuidarmos bem dela (por ser nossa casa comum), mantendo-a limpa, habitável e conservada, para que quando dela (a nossa casa comum) partirmos, os outros inquilinos (as gerações futuras) que vierem, possam sentir-se bem hospedados.
Não há como esconder os fatos. A Terra, a nossa casa comum, a Criação de Deus e a Amazônia, estão em perigo, por conta do pecado do homem. Urge, tomarmos uma atitude responsável enquanto ainda é tempo e, de encararmos unidos como cristãos de fé e, juntos, viabilizarmos soluções definitivas, para as causas dos problemas de desequilíbrios ambientais da terra, da perda de biodiversidade (extinção de espécies), desertificação e escasseis de água, que podem inviabilizar a vida no planeta, são elas, dentre outras:
. Destruição e perda de habitats naturais: em decorrência da soberba e ganância humana e da falta de planejamento racional, etc, nas construções de cidades, de casas e de estradas, nas alterações de cursos d’água e do litoral, na substituição de florestas nativas e prados por explorações agrícolas, pastoris, florestais e minerais irracionais;
. Introdução de espécies invasoras estranhas ao ambiente: que não tendo predadores naturais, se alastram rapidamente, provocando a redução das espécies locais;
. Poluição diversificada: da água, do solo, do ar, radiações nocivas aos seres vivos, e proliferação autorizada de organismos geneticamente modificados;
. Mudanças climáticas: resultantes principalmente, da deflorestação e queimadas das florestas naturais, das emissões de gases do efeito estufa à atmosfera, da queima de carvão, petróleo e gás sem controle, desertificação de ecossistemas antes produtivos, extinção de nascentes rios e mananciais de água ;
. Exploração Irracional ou sobre-exploração dos recursos naturais: água, solo, florestas, caça, pesca, minerais, etc.
Afim a esse assunto, digno de lembrança e de registro, a iniciativa da Igreja Católica Apostólica Romana-ICAR e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, ao laçarem a Campanha da Fraternidade – 2017, nos convidando no Objetivo Geral da CF2017 a, “Cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, com o feliz Tema “FRATERNIDADE: Biomas Brasileiros e Defesa da Vida” e que tinha como lema: “Cultivar e Guardar a Criação (Gênesis 2,15), promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho”
Cidadãos brasileiros, fiquemos vigilantes, cristãos e pessoas de outras denominações, parlamentares, administradores e juízes do povo do Brasil, pois, Deus jamais abandona os pobres, os humildes, os injustiçados que clamam por Ele e, se aproxima o grande julgamento de todos os injustos, pelo Juiz Supremo, que é Deus e, Sua justiça será do conhecimento de todos, face aos sinais que estão aí para todos verem.
Paz e bem.
Sebastião Farias
Um brasileiro Nordestinamazônida

Responder

Sebastião Farias

03 de novembro de 2019 às 11h45

2ª Parte: Com Deus e com a CF, pela união, salvação da Amazônia e do Brasil.
Não percamos, portanto, a esperança em Deus, nunca: “Os vinte e quatro Anciãos, que se assentam nos seus tronos diante de Deus, prostraram-se de rosto em terra e adoraram a Deus, dizendo: “Graças te damos, Senhor, Deus Dominador, que és e que eras, porque assumiste a plenitude de teu poder real. Irritaram-se os pagãos, mas eis que sobreveio a tua ira e o tempo de julgar os mortos, de dar a recompensa aos teus servos, aos profetas, aos santos, aos que temem o teu nome, pequenos e grandes, e de exterminar os que corromperam a terra” ( Apocalipse 11,16-18 ). Como sinal dessa vontade do povo de viver feliz e em paz, que todos portanto, respeitemos o que é humano, a nossa CF, como o que é de Deus, a Sua Palavra, como o Próprio Senhor Jesus Cristo nos deixou o exemplo, quando foi inquirido pelos fariseus e doutores da lei, a responder se era licito paga impostos a César, ele disse mostrando uma moeda: “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” ( Mc 12,13-17).
Amigos, cidadãos brasileiros lembrem que, Jesus nos libertou do julgo da Lei dos judeus ao nos dizer: “O sábado foi feito para servir ao homem, e não o homem para servir ao sábado” ( Mc 2,27 ). E por isso, não esqueçam que, a CF e as Leis em vigor numa nação livre, democrática e fraterna, são legitimadas pelo povo, para servirem ao povo, ao Estado e ao país. Elas não podem desprezarem e prejudicarem o povo, o Estado e o País, em benefício do Deus-mercado que, é um ser abstrato e que, só reconhece e beneficia aos que têm dinheiro, gerando desigualdade e; Também, elas não existem, para servirem de instrumentos de opressão ao povo, o dono legítimo do Poder constitucional (§ Único do Art. 1º da CF que diz: ”Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”), que lhe é dado por Deus e, ao país, para o bem-estar, para a justiça e paz social, para a vida em fraternidade e para a felicidade de todos nós.
Agora, à luz do acima exposto, quando um servidor público, um parlamentar, uma autoridade ou um juiz qualquer, desrespeita o povo, que é seu patrão, desrespeita a Constituição Federal, desrespeita a ética no setor público e/ou, desrespeita as boas práticas jurídicas e, desrespeita as leis estabelecidas e, a sua condição de árbitro imparcial do povo, desrespeita os direitos dos cidadãos, desrespeita a justiça imparcial e igual para todos, não promove a justiça nem a paz social, etc, esses cidadãos, por tudo isso, não merecem mais, a confiança do povo nem a dignidade da função pública que ocupam, especialmente, se forem juízes e árbitros do povo.
Particularmente, ao juiz injusto, és o que lhe aguarda, conforme afirma a Bíblia Sagrada: ” Poderá acaso aliar-se a ti um tribunal criminoso que dita injustiças em nome da lei? Embora atentem contra a vida do justo, e condenem à morte o inocente, Javé será a minha fortaleza, Deus será a rocha onde me abrigo. Ele é quem lhes pagará pela injustiça deles, e os destruirá pela maldade que praticam. Javé nosso Deus os destruirá!” (SALMOS 94,20-21,23).
Jesus, já advertia seus Discípulos e o povo cristão de seu tempo, sobre a injustiça: “Se a vossa justiça não for maior que a dos escribas e fariseus, não entrareis no Reino dos Céus” (São Mateus. 5,20). Que tal, daqui em diante, lermos mais a Bíblia com humildade e meditação e, buscarmos com fé e esperança, o Seu amor, a Sua verdade e a Sua justiça e, encontrando-as, que são o próprio Deus, partilharmos essa sabedoria, com nossos irmãos cristãos que, devem saber que, São Paulo já ensinava a Timóteo: “Todavia, se eu tardar, quero que saibas como deves portar-te na casa de Deus, que é a Igreja do Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade” (I Timóteo 3,15).
Gente, vamos todos a partir de agora, para o bem do Brasil e de instrução de seu povo, levarmos aos cidadãos e nossos irmãos, em quaisquer locais públicos como: organizações sociais, nas igrejas, nos logradores e praças públicas, nos shows de quaisquer espécies, nos teatros, nos cinemas, nos eventos sociais e esportivos diversos, nas escolas, nos colégios, nas universidades, etc, estímulo a todos os cidadãos brasileiros, à leitura pública de rotina, de pelo menos, dos 07 primeiros Artigos da Constituição Federal, da Constituição Estadual e da Lei Orgânica do Município, aliados ao Inciso X do Artigo 49; aos Artigos 70 a 75 e; ao §1º do Artigo 166 da Constituição Federal, dentre outros.
Esses conhecimentos, serão essenciais para preparar os cidadãos para votar bem e, para conscientizá-los de que, todos os cidadãos brasileiros e, principalmente, aos que nunca ouviram alguém dizer-lhes ou, foram ensinados que, sim! é o povo que detém o Poder e autoridade constitucional e não, os parlamentares e as autoridades por ele eleitas, assim como, os membros do Poder Judiciário nomeados nos termos da CF. O parâmetro de justiça imparcial para ser observado por todos, homens e mulheres públicas do Brasil, seria esse resumo de toda a Lei nos deixado por Jesus Cristo: “Tudo o que vocês desejam que os outros façam com vocês, façam vocês também a eles. Pois nisso consistem a Lei e os Profetas” ( São Mateus 7,12).
Oportuno se faz que, dentro do possível, que professores, estudantes, pastores, padres, formadores de opiniões, sindicalistas, lideranças comunitárias e associativas, líderes políticos, etc, conscientes dessa necessidade cívica da nação brasileira, quebrem a inércia e iniciem todos já, nos meios de comunicações de massas, que aceitarem o desafio de ajudarem a instruir os cidadãos e nas redes sociais do país, uma Campanha Nacional de Conscientização Política e Cidadania.
Essa iniciativa, fará com que os cidadãos brasileiros sejam estimulados, para seu bem e maior preparo cívico, a lê mais, consultar e dividir com os nossos patrícios menos informados, o nosso aprendizado constitucional. Oportuno lembrarmos também que, este ano, a Igreja Católica definiu para a Campanha da Fraternidade 2019, o Tema : Fraternidade e Políticas Públicas e como Lema: “Sereis libertos pelo direito e pela justiça”(Is.1,27). Por isso, como cristãos, participem, se conscientizem e tomem uma atitude pelo bem do Brasil.
Paz e bem.
Sebastião Farias
Um brasileiro Nordestinamazônida

Responder

Thiago

03 de novembro de 2019 às 06h15

Alguém discorda?

Moro vai blindar Bolsonaro, prevê José Simão

“Bolsonaro pega fita do condomínio, Carluxo mexe, a milícia agradece e o Moro acoberta!”, resumiu o colunista da Folha e da Band

https://www.brasil247.com/midia/moro-vai-blindar-bolsonaro-preve-jose-simao

E o Bandidão e seus filhotes vão continuar nos “governando”?

Que zona, que zona!

Responder

marcos

03 de novembro de 2019 às 06h14

otimo. o governo bozo está trabalhando perfeitamente pelo bem da naçao (EUA), kkkkk

Responder

maria do carmo

02 de novembro de 2019 às 21h45

Globo esta com medo de perder concessao, nao deu nada sobre obstrucao de bolsonaro
no assassinato de Mariele e motorista, quem nao deve nao teme e evidente que tem culpa, espero impedimento e gravissimo confissao com intuito de se anteciparas investigacoes para aliviar. crime e crime impedimento ja!!!Judiciario e MP exercam suas funcoes!

Responder

João

02 de novembro de 2019 às 08h40

João 02/11/2019 at 06:14

Você dispõe de 20 minutos?

Então assista a esse vídeo:

https://youtu.be/TSCu16c7374

Ele discorre sobre a criação de uma “realidade paralela” pelos agentes econômicos e pela mídia corporativa endividada e associada. Essa “realidade paralela” é construída com o objetivo de esconder a verdadeira brutalidade de um capitalismo super caótico e maquiavélico que penaliza enormemente a maioria da população brasileira, e onde o fabuloso lucro obtido pelos bancos, graças á administração fraudulenta da dívida interna, é concentrado nas mãos de poucos.

E eu complemento: tudo isso não está acontecendo porque Deus quer, mas por causa das reformas e da política econômica que estão sendo implementadas por Paulo Guedes e Jair Bolsonaro. O resultado será, a médio prazo, a formação de milhões de miseráveis que irão perambular pelas ruas e calçadas das cidades brasileiras, e que serão as principais vítimas da violência policial que ainda não atingiu o seu ápice. Isso para não falar no aumento considerável de suicídio entre as pessoas jovens e entre as mais velhas da população. Ou seja, seremos muito mais do que um simples Chile do Pinochet/Piñera ou uma simples Argentina do Macri, até porque a população do Brasil é muito maior.

E todas essas mazelas num cenário de destruição do meio ambiente nunca antes imaginado, que levará ao envenenamento de milhões de brasileiro pelo mercúrio (liberados pelos garimpos de ouro), por vários metais encontrados no óleo espalhado por milhares de praias do Brasil inteiro, envenenamento por metais pesados Cu, Pb e Zn mobilizados pelo chorume produzido pelo lixo, envenenamento dos rios, aquíferos, baías praias, etc, pela falta de uma legislação ambiental que os proteja. Em suma, se depender de ministros do meio ambiente com a visão e inteligência de um Ricardo Salles, o Brasil será transformado num monstruoso depósito de lixo contaminante. E aja pestilência, com a volta de doenças que se pensava extintas.

Quem viver verá, o problema é como escapar do massacre.

Responder

LUPE

02 de novembro de 2019 às 01h23

Caros leitores

É o Brasil
sendo deliberadamente destruído
pelos agentes
de nossos superpoderosos inimigos,
principalmente
nossos superpoderosos inimigos
estrangeiros.

Agentes levados ao Poder
por outro agente de nossos superpoderosos inimigos:
A Grande Mídia.

Povo massacrado, ignorante, desesperado,
com altíssimo índice de desemprego,
é a meta
de nossos superpoderosos inimigos.

Povo massacrado
tem menos capacidade de reagir
às pilhagens e saques
escabrosos
de nossos superpoderosos inimigos.
Principalmente os estrangeiros;;;;;

Responder

Deixe um comentário