Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Arrecadação federal totaliza R$ 1,3 trilhão em Jan/Out

Por Redação

25 de novembro de 2019 : 18h32

Separamos alguns textos e gráficos sobre a arrecadação federal de outubro, divulgada hoje pelo governo.

Abaixo, o texto da Agência Brasil. Em seguida, trazemos alguns gráficos extraídos do relatório da Receita Federal.

Arrecadação federal chega a R$ 135,2 bilhões em outubro

Publicado em 25/11/2019 – 11:02

Por Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil Brasília

Agência Brasil — A arrecadação das receitas federais somou R$ 135,202 bilhões em outubro, uma queda real (descontada a inflação) de 0,02%, na comparação com outubro de 2018, informou, hoje (25), a Secretaria da Receita Federal do Ministério da Economia.

Nos dez meses do ano, a arrecadação chegou R$ 1,264 trilhão, com aumento real de 1,92%. O valor corrigido pela inflação chegou a R$ 1,273 trilhão, o maior volume arrecadado desde 2014, quando chegou a R$ 1,288 trilhão, em valores corrigidos pela inflação.

As receitas administradas pela Receita Federal (como impostos e contribuições) chegaram a R$ 125,169 bilhões, em outubro, com aumento real de 1,47%, e acumularam R$ 1,208 trilhão de janeiro a outubro, alta de 1,87%.

As receitas administradas por outros órgãos (principalmente royalties do petróleo) registraram queda em julho. Essas receitas totalizaram R$ 10,033 bilhões, no mês passado, com retração 15,44% em relação a outubro de 2018. De janeiro a outubro, o total chegou a R$ 55,908 bilhões, com aumento real de 2,98%, na comparação com o mesmo período do ano passado.

De acordo com o chefe Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita, Claudemir Malaquias, a leve retração registrada em outubro é explicada pelas receitas administradas por outros órgãos. Já as receitas administradas pela Receita, em maior volume, seguem em crescimento em linha com o desempenho da atividade econômica. “As receitas administrativas guardam quase perfeita simetria com a atividade econômica”.

Segundo a Receita, o resultado acumulado do ano foi influenciado pelo desempenho da atividade econômica, pela arrecadação com parcelamentos, os chamados Refis, que ocorreu no início de 2018 e não se repetiu neste ano, e pelas reorganizações societárias (fusões e aquisições entre empresas), que afetaram as arrecadações do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Edição: Fernando Fraga

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

25 de novembro de 2019 às 22h09

E com toda a conversinha fiada de PG e quejandos, a Receita Previdenciária ainda é a rubrica a cujo título mais se arrecada, no Brasil, em torno de R$ 400 bilhões/ano, projetando-se a arrecadação até outubro (R$ 345 bilhões), por mais 2 meses. E isso com toda a força que o atual Governo faz para arrimar o mercado informal. Aí eu me pergunto qual a relevância econômica de se suprimir R$ 80 bilhões ano ao trabalhador, via Reforma da Previdência (R$ 800 bi em 10 anos, segundo proclamado)…

Responder

Deixe um comentário