Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Tutaméia: Luiz Eduardo Soares fala sobre o avanço da milícia

Por Redação

14 de março de 2020 : 12h28

No canal Tutameia:

Antropólogo comenta seu novo livro, fala sobre violência policial e analisa o crescimento das milícias o risco que representam para o país

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Aureliano

16 de março de 2020 às 08h43

A MORTE DE BEBIANO: NÃO DÁ PARA NÃO DESCONFIAR

O Brasil está sendo governado por uma família de milianos assassinos, psicopatas, torturadores e corruptos e por um ministro da “justissa”, Sérgio Moro, cujo papel tem sido até o momento o de defendê-los, escondê-los e blindá-los.

Na Suprema Corte, o percentual de ministros bolsonaristas roxos é muito elevado e inclui Fux, Roberto Barroso, Carmem Lúcia, Dias Toffoli, Edson Fachin, Alexandre de Moraes… E qualquer ação impetrada contra a cúpula do governo em seu comportamento fraudulento/delituoso/monstruoso contra a população brasileira tem encontrado guarida nas decisões políticas daquela corte que votou em peso pelo impeachment da Presidenta Dilma (com judiciário e tudo, como bem disse o inimputável Romero Jucá).

Nem Hitler como chanceler (a partir de 30 de janeiro de 1933) obteve tanto apoio do judiciário alemão a partir daquele momento.

E não estamos falando aqui somente dos juízes da suprema corte, mas também desse amontoado de juízes e desembarcadores concurseiros, a maioria fascista, espalhados por 8,5 milhões de quilômetros quadrados que não fazem outra coisa a não ser cometer injustiças contra os desvalidos e miseráveis desse país e proteger os ricaços desse Brasil varonil, os chamados “cidadãos de bem”. Basta analisar a situação ou os números da população carcerária brasileira, um verdadeiro escândalo.

Já no Congresso, todas as reformas de interesse de Paulo Guedes (leia-se, do interesse dos banqueiros, barões da mídia e da indústria) foram aprovadas sem problemas. E ainda tem gente querendo ir para as ruas protestar contra os aliados!?

A pergunta procede, porque, descontando os reconhecidos opositores, todos os outros parlamentares foram/são aliados de primeira hora do governo fascista de Jair Bolsonaro, embora alguns deles se mostrem eventualmente “indignados” com a falta de escrúpulos e de preparo do capitão “presidente”.

É impressionante, mas o projeto de aniquilação do país conta com o apoio de gente importante cujos negócios e interesses estão sendo destruídos. Eu nunca imaginei que no Brasil tivéssemos tantos masoquistas. Até os pastores evangélicos, que vivem do dízimo e das ofertas de fieis cada vez mais pobres, enaltecem o papel do capitão que se declarou destruidor.

É nesse cenário de devastação e de desvios de conduta que a morte de Gustavo Bebiano, coordenador da campanha de Jair Bolsonaro, levanta suspeitas. Por coincidência, logo ao completar dois anos da morte de Marielle Franco e Anderson Gomes, há alguns dias da morte de Adriano Magalhães e depois da misteriosa morte de Teori Zavascki em 17 de janeiro de 2017.

Não dá para não desconfiar, senhores fascistas!

Responder

Deixe um comentário