Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

Juros do cartão rotativo atingem 323%, maior nível em 20 meses

Por Redação

27 de março de 2020 : 16h16

O Banco Central divulgou hoje os números referentes ao crédito e juro reais no Brasil, até fevereiro de 2020.

Houve aumento generalizado das taxas de juro pagas por pessoas físicas e empresas, na contramão do recuo na taxa Selic, definida pelo Banco Central.

Isso significa que os bancos estão usando crédito mais barato do Banco Central e elevando o custo do crédito para empresas e cidadãos.

A taxa de juros do cartão de crédito rotativo é um caso emblemático: atingiu o seu maior nível em 20 meses, ou 323% em 12 meses.

O cartão de crédito é o principal motivo de endividamento crescente dos brasileiros. Além disso, é o meio de pagamento mais usado no comércio eletrônico, por suas próprias características tecnológicas.

Com a atividade econômica extremamente prejudicada por causa das medidas de contenção, que obrigam a todos a permanecerem em suas casas para evitar a disseminação do Covid-19, qual o tipo de negócio que poderia segurar a economia? Aqueles baseados principalmente na internet, que podem existir sob isolamento social.

Pode-se trabalhar e pode-se vender e comprar pela internet, sem sair de casa.

Qual o meio de pagamento mais usado nos negócios realizados pela internet?

O cartão de crédito.

Quanto está o juro do cartão de crédito no Brasil?

323% e subindo.

Game over.

No BC

(…)

No crédito livre, a taxa média de juros das concessões atingiu 34,1% a.a., com elevação de 0,4 p.p. no mês e redução de 3,8 p.p. na comparação interanual. No crédito às famílias, taxa média de 46,7% a.a., com aumento mensal de 1,1 p.p. (crédito pessoal não consignado: +3,0 p.p.; cartão rotativo regular: +1,8 p.p.; cartão rotativo não regular: +9,5 p.p.). De acordo com a metodologia divulgada na Nota para a Imprensa de janeiro, as estatísticas de taxas de juros do cheque especial são estimadas, na primeira divulgação, sendo revisadas no mês seguinte. Dessa forma, as taxas de juros do cheque especial de janeiro foram revisadas para 141% a.a. Em fevereiro, a taxa de juros do cheque especial alcançou 130% a.a., com quedas de 11 p.p. no mês e de 135,6 p.p. em doze meses, correspondendo a 7,2% a.m.

No crédito livre às empresas, a taxa média de juros caiu 0,6 p.p. em fevereiro, para 17% a.a., com reduções em diversas modalidades (capital de giro: -0,9 p.p.; desconto de duplicatas e recebíveis: -2,0 p.p.; aquisição de veículos: -0,4 p.p.). Excluindo-se as operações rotativas, a taxa média de juros do crédito livre situou-se em 26,4%, com estabilidade no mês e redução de 3,0 p.p. na comparação interanual.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luiz

29 de março de 2020 às 12h11

Não quero parecer catastrófico, mas confundir neoliberalismo e globalização com pensamento pós-industrial, por tentador que possa ser ao socialismo, pode não ser mais do que uma ilusão. À planilha conservadora: ou cobra a conta pós-vírus, ou aprofunda a crise nas democracias liberais. É possível que tenhamos as duas coisas, aliás, já temos o que pode ser denominado de “premonição liberal”. O neoliberalismo está apoiado num tripé: acumulação capitalista; atividade social como contexto do desenvolvimento; e controle monetário como parte da segurança do indivíduo. O socialismo talvez possa ser herdeiro dessa inconsistência, ou não.

Responder

Olaria

29 de março de 2020 às 08h34

Fora de Pauta, mas nem tanto

VAMOS TROCAR BOLSONARO POR MOURÃO? VAMOS TROCAR 6 POR MEIA DÚZIA?

É o que responde Cynara Menezes neste vídeo inteligente e bem humorado.

https://youtu.be/r7o2KSAI2Io

Responder

putin

28 de março de 2020 às 18h51

mas o bozo nao tinha baixado os juros??? kkkkkkkkkk

Responder

CARLOS ROBERTO HONORIO DA SILVA

28 de março de 2020 às 08h24

O brasileiro tem que começar a entender que o que os Bancos mais querem é surrupiar o seu dinheiro e para isso usam o artifício de lhe emprestar dinheiro. Faça o contrário. Não devais nada. Verá que se não dever, você conseguirá obter o melhor retorno para o seu dinheiro. Acostume-se a economizar pelo menos 10% do que ganha. Verá que nunca mais precisará pegar emprestado. Empreste-se a si próprio com uma taxa de juros mais em conta.

Responder

CARLOS ROBERTO HONORIO DA SILVA

28 de março de 2020 às 08h17

Um especialista orienta àquelas pessoas endividadas a fazerem o seguinte: Em vez de pagar o cartão de crédito, guardem o dinheiro que iriam pagar e esperem a empresa patrocinadora do cartão fazer uma proposta de quitação que normalmente é muito mais em conta do que o que iriam pagar na bola de neve que se transforma a dívida dos cartões.

Responder

Paulo

27 de março de 2020 às 19h12

Pelo visto, com o corona, o risco de inadimplência aumentou…Banqueiros sendo banqueiros…

Responder

Anderson

27 de março de 2020 às 18h25

Pega ladrão

Responder

Evandro Garcia

27 de março de 2020 às 17h52

O cartão de crédito não possui nenhum juro mas só anuidade tanto que eu nunca paguei 1 centavo de juros.

Responder

    CARLOS ROBERTO HONORIO DA SILVA

    28 de março de 2020 às 08h19

    Isso se você quitar integralmente o seu cartão no vencimento. Se rolar a dívida ou atrasar verá a bola de neve começar a rolar.

    Responder

Alan C

27 de março de 2020 às 16h23

Lá vem o camundongo rsrsrs

Responder

Deixe uma resposta