Live com Marcio França, pré-candidato a prefeitura de São Paulo

Divulgação

Netanyahu se tornará o primeiro chefe de governo de Israel a ser processado

Por Tulio Ribeiro

24 de maio de 2020 : 06h15

O aguardado julgamento de corrupção de Benjamin Netanyahu deve ser aberto em Jerusalém, onde ele se tornará o primeiro primeiro-ministro israelense a enfrentar processo criminal.

Netanyahu deve comparecer à sessão deste domingo no Tribunal Distrital de Jerusalém, uma semana depois de ter assumido um quinto mandato recorde como chefe de um governo de unidade, encerrando mais de um ano de impasse político após três eleições inconclusivas.

Segundo matéria da Aljazeera, Netanyahu foi acusado de fraude, quebra de confiança e aceitação de suborno em uma série de casos. Ele é acusado de aceitar presentes caros, como caixas de champanhe e charutos, de amigos ricos e oferecer favores a magnatas da mídia em troca de uma cobertura noticiosa favorável sobre ele e sua família.

No caso mais grave, ele é acusado de promover uma legislação que gerou centenas de milhões de dólares em lucros ao proprietário de uma grande empresa de telecomunicações, enquanto exercia influência editorial nos bastidores sobre o popular site de notícias da empresa.

Netanyahu, que lidera o partido de direita do Likud, nega todas as acusações. Ele apresentou sua acusação como uma caça às bruxas de esquerda, destinada a derrubar um líder popular de direita.

Como primeiro ministro, Netanyahu não tem nenhuma obrigação legal de renunciar , ele disse que sua batalha na corte não afetará sua capacidade de fazer seu trabalho.

Um painel de três juízes, que ouvirá o caso do primeiro-ministro, recusou na quarta-feira seu pedido de ficar longe da sessão de abertura.

Ao pedir desculpas, Netanyahu chamou o evento de formalidade e argumentou que trazer seu contingente de guarda-costas desperdiçaria fundos públicos e dificultaria o cumprimento das regras físicas de distanciamento.

Alguns críticos disseram que Netanyahu estava tentando evitar a ótica de um primeiro-ministro sentado no banco dos réus. Recusando seu pedido, o tribunal disse que era importante que a justiça fosse vista.

Tulio Ribeiro

Túlio Ribeiro é graduado em Ciências econômicas pela UFBA,pós graduado em História Contemporânea pela IUPERJ,Mestre em História Social pela USS-RJ e doutorando em ¨Ciências para Desarrollo Estrategico¨ pela UBV de Caracas -Venezuela

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Roger

25 de maio de 2020 às 12h23

Interessante como o genocida israelense tem acusações parecidas com as barbaridades perpetrada pelo Bozo, por aqui, inclusive favorecimento a magnatas pilantras (SS, Pedir Maiscedo) da comunicação.

Responder

chichano goncalvez

24 de maio de 2020 às 11h32

Acho dificil condenarem esse judeu assassino de crinaças Palestinas, penso que os juizes de lá como os daqui não fazem justiça, e sim cometem injustiças.

Responder

Deixe uma resposta