Live do Cafezinho (18 h): Pós-verdade na política brasileira (uma conversa com Fabio Palacio)

Foto: reprodução.

Molon: “é preciso uma candidatura que vença no 2° turno”

Por Redação

06 de julho de 2020 : 08h10

Na Live do Trabalhador, administrada por Antonio Neto (PDT-SP), Alessandro Molon (PSB-RJ) falou sobre as composições de 2020 e a necessidade de se colocar alguém no segundo turno que tenha a capacidade de vencer as eleições, e não apenas de chegar ao segundo turno.

Além de Molon, Perpétua Almeida (PCdoB-AC), Túlio Gadelha (PDT-PE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Eduardo Moreira participaram da Live, que durou mais de 2h.

Confira a live completa:

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Francisco

06 de julho de 2020 às 19h18

‘Fiat Lux’!

A Classe Dominante sabe tanto disso que, por não ignorar o perigo que o golpe não consolidado corria, moveu ‘mundo e fundos’ e bota ‘fundos e mundo’ nisso, para que não vencesse, com o partido que ajudou a fundar e construir, a quinta eleição seguida, interditando-o; a dúvida, se haveria segundo turno.

Após a suspeição do ‘juiz premiado’ por serviços prestados, teremos a volta…

Mas, e o anti…? E a maior corrupção da…?

Após 42 anos de estrada brasilis rumo ao coração do Brasil, só mesmo rindo, muito, desbragadamente, com a paúra ruidosamente silente dessa gente tão ‘diferente’, igual.

Afinal, quando ao menos irão desconfiar a razão do sobreviver e não do sobreviver apenas…, após persecução ampla, geral e irrestrita, durante 42 anos, nunca jamais vista na história, quer em continuidade, intensidade, persistência e quebras de limites, via extravagâncias políticas, midiáticas, jurídicas e policiais, inimagináveis, tornando-se incessantes e ilimitadas a partir de 2014, na base do ‘vale tudo’ e do ‘custe o que custar’, a enésima, mas ignorante ao risco e a quem, esse seletivo e heterodoxo trato se dava, em tempo fluído e veloz, ao correr dos fatos?

Responder

Paulo

06 de julho de 2020 às 18h31

O problema é convencer o PT a não disputar. Se o fizer, vai pro 2º turno e perde. Espero que não seja pro Capetão, pelo menos…

Responder

Walfredo Ferreira da Silva

06 de julho de 2020 às 17h37

Vocês estão de brincadeira , querer excluir do debate o PT que já entra com 30% do eleitorado , é algo
fora de lógica . como assim que nem sempre quem passa para o segundo turno, é o melhor candidato?
ué, então, faça com que esse candidato de esquerda que você acha que é o melhor , obtenha votos para ír ao segundo turno, isso é a lógica da coisa, ou estou errado ? se Fernando Haddad foi quem teve mais
votos no campo da esquerda para ír ao segundo turno, então, ele foi o melhor candidato . outra coisa , não venha com essa de querer colocar Lula pra escanteio, ele é a maior liderança política do país, e ninguém de esquerda é eleito sem tem o seu apoio .

Responder

    Marcelo

    08 de julho de 2020 às 11h53

    O que vcs nao entendem, é que um candidato com 30% de eleitores cativos e 50% de rejeição se torna uma “âncora” no processo. Os 30% garantem que ele sempre vá ao 2º turno e os 50% impeçam que ele vença qualquer segundo turno.

    Por incrível que pareça, é matematicamente possível que um candidato com 15% de preferência e 10% de rejeição tenha mais chances de vencer do que esse candidato. Basta que o âncora desista.

    Responder

Marcos Videira

06 de julho de 2020 às 16h37

Molon defende o óbvio pra quem deseja que o poder Executivo seja ocupado por agrupamentos políticos com compromisso com o bem-estar da sociedade. Mas essa obviedade é maliciosamente desfigurada por aqueles que colocam seu partido acima dos interesses do povo.

Responder

O Demolidor

06 de julho de 2020 às 13h04

Que tal o Ciro com o Luciano Huck de vice?

Responder

Alberto Jorge

06 de julho de 2020 às 09h49

Como excluir o PT de um debate dessa natureza? O que está em jogo é a Defesa de valores e princípios democráticos básicos. O que estão pregando é um projeto pragmático? Mas é preciso termos clareza sobre tais atitudes e consequências. Não adianta propor algo que não seja relevante sob tais condições democráticas

Responder

    Alan C

    06 de julho de 2020 às 19h32

    PT não foi excluído de nada, ele apenas não faz parte dessa coalizão entre PDT, PSB, PCdoB e Rede.

    PT tá com o PSOL e o seu líder já disse que o universo precisa pedir desculpas ao PT. Como isso não vai acontecer nessa vida, por enquanto vai ficar isolado.

    Responder

Deixe uma resposta