Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Foto: Dida Sampaio / Estadão Conteúdo

Gleisi provoca Carlos Siqueira sobre eleições em Recife

Por Redação

13 de agosto de 2020 : 13h36

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffman, respondeu a uma declaração que teria sido dada pelo presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, ao Estadão.

Pelo Twitter, ela respondeu à declaração atribuída pelo jornal a Siqueira de que “entre o PT e o Brasil, o PT sempre ficou consigo mesmo” e que o partido é “o vetor da divisão na esquerda”.

Gleisi respondeu que “pensando no Brasil” o PT deixou de lançar Marília Arraes em Pernambuco em 2018 para apoiar a candidatura de Paulo Câmara, do PSB.

“Parece que para o PSB a esquerda só pode se unir se apoiar o candidato deles à prefeitura do Recife”, provocou, referindo-se ao candidato socialista na capital pernambucana, João Campos.

Leia o tweet abaixo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

jose carlos rodrigues arana

14 de agosto de 2020 às 11h24

Manchete do cafezinho: Gleisi PROVOCA
No texto: Gleisi responde
Fim

Responder

    Redação

    14 de agosto de 2020 às 11h30

    qual o problema em usar “provocar”? provocar não é nada negativo. fim.

    Responder

      Alexandre Neves

      14 de agosto de 2020 às 17h27

      Seja homem pra assumir seus atos. Não aja feito moleque.

      Responder

Augusto Lamparina

14 de agosto de 2020 às 10h39

Abrir mão da candidatura da Arraes fez parte do acordo entre PT e PSB , dentre outros para inviabilizar a coligação PDT – PSB.
Ambos fizeram pensando nos partidos e não no Brasil.
PT perdeu a oportunidade de adiantar o fortalecimento de uma nova liderança como a Arraes e o PSB perdeu a oportunidade de fortalecer uma chapa com projeto nacional de verdade.
Agora PT quer pagar de bom moço e PSB começa a se descolar do PT por desintoxicação.
E la nave va!

Responder

Alan C

14 de agosto de 2020 às 08h40

A barbie do Paraná, ninguém liga mais, a rainha do blablabla.

Responder

greg

14 de agosto de 2020 às 07h04

E ela tá mentindo, afinal de contas? Tá fazendo uma pergunta descabida? Acho que foi uma pergunta retórica pra espetar Siqueira, que participou do banho de lama em 2018 e agora dá “uma de doido” como falamos por aqui. Isso é tão óbvio que a mim parece que Siqueira se faz de desentendido pra deixar implícito que foi forçado a tomar as decisões que tomou, talvez o faça na esperança de que o PT não vai ter coragem de refutá-lo e trazer à luz que a nojeira que fez em 2018 foi maior do que o que sabemos. Pela cutucada da Gleisi, o Siqueira calculou mal os limites da reação do PT quando a corda no pescoço começasse a apertar de verdade.

Responder

Carlos Santos

14 de agosto de 2020 às 01h40

Os únicos partidos de esquerda são PT, PCO e PC do B.
PDT, PSB — e outros partidos autodeclarados de esquerda quando convém — votaram contra o trabalhador.

Responder

    Redação

    14 de agosto de 2020 às 11h32

    Mentira.

    Responder

      Alexandre Neres

      14 de agosto de 2020 às 17h43

      Mentira o quê, Redação? Afinal de contas, se trata de uma moderação ou de chefe de torcida organizada? Que esculhambação é essa? Vamos aos fatos: impeachment de Dilma, intervenção Federal no RJ, marco regulatório do saneamento básico (eufemismo da privatização da água) e reforma da previdência. Exceto na última, que foi mais moderado, nas demais votações importante contingente do PDT e do PSB votaram contrário aos interesses da população e dos trabalhadores. Os dois partidos são valhacoutos de golpistas, como por exemplo Mário Heringer, que vive ganhando voz nesse espaço. Afirmo categoricamente pra todo mundo ouvir.

      Responder

Sebastião

13 de agosto de 2020 às 18h39

Essa divisão, fez o PT perder a eleição pro PSB em 2012. Eles não se acertaram sobre um candidato a reeleição, e cada partido, lançou o seu. Lula interviu, e lançou Humberto Costa. Ironicamente, Humberto Costa que é o divisor do partido sobre Marília Arraes. O partido está dividido em Pernambuco e tiveram que acatar decisão nacional. O PT nacional representado por Gleise e Lula, só saberão se acertaram quando acabar as eleições. Que Lula, faz cada cagada a nível regional, quando intervém… E quero ver a cara de Gleise se o PT não for bem nas eleições, a desculpa que ela vai dar. Porque, cada cidade e estados, tem que analisar as melhores chances e alternativas.

Agora, todos os partido querem hegemonia, e enche o saco em dizer que só o PT que quer mandar. Olhem o PSDB em SP, se aceitam abrir mão de candidatura, e vejam se a imprensa ficam no pé deles? Todos querem o poder, essa é a verdade. Outra chatice é a AUTO CRÍTICA Ah, vá. Todos os partidos erram, mas sempre o PT é a Geni.

Agora, vamos ver quem os eleitores vão escolher dessa briga da família Arraes em Pernambuco.

Responder

Mateus Nogueira

13 de agosto de 2020 às 16h09

Sei não, mas me parece que o presida do PSB é quem tá provocando

Responder

Alexandre Neres

13 de agosto de 2020 às 14h49

Gleisi provoca ou reage à provocação? Qual é o único lugar da blogosfera em que a prefeitura de Belford Roxo ganha mais holofotes do que qualquer outra no Brasil? Esse blogue desempenha um papel deplorável, é tanta picardia que tu acaba se enredando nessa lama e também prestando um desserviço à nação. O Sr. Miguel do Rosário nem sequer se apercebeu que a grande notícia de ontem foi a juíza da República de Curitiba que condenou o cidadão em razão da sua raça. Creio que ao lado do sociólogo português Boaventura de Sousa Santos estou em melhor companhia, pois entende muito mais de Brasil do que uns e outros por aí: “… as forças políticas de esquerda têm de se convencer de que estão perante uma situação política excepcional a exigir comportamentos excepcionais e que discutir neste momento se o PSB (Partido Socialista Brasileiro) ou o PDT (Partido Democrático Trabalhista) são ou não de esquerda, ou furtar-se a articulações com um amplo leque de forças democráticas com vista às próximas lutas eleitorais, são atos de suicídio político que o país se encarregará de lhes lembrar nos próximos anos.”

Responder

brasileiro

13 de agosto de 2020 às 14h41

Marília Arraes o terror dos corruptos.

Responder

Deixe uma resposta