Live do Cafezinho: o caso Samuel Borelli, quando a esquerda produz fake news

Arte: Daniel Caseiro

Mas e o Stálin?

Por Pedro Breier

21 de setembro de 2020 : 18h41

Em Israel, país com algo em torno de 9 milhões de habitantes, o governo acaba de impor novo lockdown para tentar conter a proliferação da Covid-19. Hoje, 21 de setembro, contabilizam-se 1.256 mortes naquele país por conta da pandemia.

No município de São Paulo, onde habitam mais de 12 milhões de pessoas, temos 12.366 óbitos confirmados em decorrência da pandemia. Esqueçamos, apenas por um instante, que o Brasil não é um dos países com mais subnotificação do mundo, em virtude da baixa testagem, e mesmo assim a desproporção é evidente: se em São Paulo tivéssemos a mesma proporção de mortos em relação à população que em Israel, os paulistanos chorariam por volta de 1.800 mortes.

Por essas contas, mais de 10 mil pessoas morreram sem necessidade apenas no município de São Paulo. No Brasil, temos 136.240 óbitos oficialmente contabilizados.

E o que o presidente do nosso país pensa disso tudo?

Bem, não é exatamente que ele pense: ele delira em público, para delírio de uma parcela alucinada da população. Como por exemplo nesta fala de um mês atrás:

No meu entender, guardando-se as devidas proporções, não vi no mundo quem enfrentou melhor esta cuestão [da pandemia] do que nós [governo federal].

Mais recentemente, há poucos dias, Bolsonaro disse que ficar em casa durante a pandemia, recomendação que é consenso científico, é “conversinha mole” e coisa “para os fracos”.

É um tanto desesperador constatar que a brutalidade genocida do presidente da República se impôs dessa forma sobre o país. Seguimos no patamar altíssimo de mil mortes diárias. Somos um dos países que pior lidou com a pandemia no mundo, exatamente o contrário do que afirmou o presidente.

Agora, enquanto a Europa começa a se preparar para novas quarentenas duras, em virtude da segunda onda de contaminações, por aqui, onde temos uma espécie de onda contínua, considerando que ignoramos os protocolos recomendados, ensaia-se (e coloca-se em prática) uma “volta à normalidade”. Praias, bares, escolas, instituições públicas, todos querem voltar às atividades corriqueiras, e se houve mais contaminações por causa disso, e as consequentes internações, sequelas permanentes e mortes, bem, paciência, está tudo voltando ao normal, não é mesmo?

De repente virou algo “normal” desaparecerem para sempre mais de 130 mil brasileiros (fora os não oficialmente contabilizados).

O que poderia se esperar quando se elege um sociopata para comandar o país, não é mesmo? A pandemia foi a oportunidade perfeita para Bolsonaro e seu séquito de alucinados exercerem sua desumanidade brutal.

Mas e o resto da direita, aquele pessoal que se apresenta no debate público como liberal, democrático etc. etc.? Será que se arrependeu do apoio ao führer tropical? Está fazendo uma autocrítica, um mea-culpa, quem sabe ao menos refletindo, no íntimo de seus pensamentos, sobre suas opções políticas?

Pelo frenesi das últimas semanas, não é o caso. Eles estão preocupados com outra ameaça, esta no âmbito internacional. Poderia ser o terrorismo de Estado praticado pelos EUA nas últimas décadas, as invasões, os golpes, os assassinatos políticos promovidos ao redor do globo. Ou quem sabe uma crítica às ações censórias do Trump, que resolveu proibir até aplicativo de vídeos chinês.

Mas, não esqueçam, estamos falando dos liberais brasileiros, e o que importa, no fundo, é se o Estado autoritário é de direita ou de esquerda. Se é de direita e tem uma fachada democrática, ainda que cretina, está tudo certo, tudo tranquilo. Se é de esquerda, é “ditadura, populismo, censura” etc.

Estão criticando Cuba, então? Ou a China? Também não. A preocupação é com algo incomparavelmente mais terrível do que qualquer ator atual do jogo político global, ou com o genocida que ocupa a presidência da República: precisamos ter cuidado, e combater as perigosas ideias de, ninguém mais ninguém menos que… Josef Stálin.

O professor, youtuber e militante do PCB Jones Manoel, que viralizou por ter influenciado o Caetano Veloso a ser menos “liberalóide”, está atormentando nossos valorosos liberais, que o estão criticando impiedosamente por sua análise sobre o período em que Stálin governou a URSS.

Quem sabe se Bolsonaro e Trump usassem bigode…

Pedro Breier

Pedro Breier é graduado em direito pela UFRGS e colunista do blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

35 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcos Queiroz

24 de setembro de 2020 às 00h47

O autor da matéria está delirando. Há uma absoluta falta de sobriedade estatística para alicerçar sua visão absurdamente estrábica. Até repudio esse Bolsonaro, mas utilizar argumentos plausíveis seria de bom alvitre para sustentar o seu ponto de vista. Matéria vergonhosa. Um delírio…

Responder

Pintovizc

23 de setembro de 2020 às 10h03

Assistam a esses documentários, para quem quiser realmente conhecer melhor o herói Stalin e sua ligação estreita com o nazismo, mas que foi ocultado, só porque foi traído e resolveu se vingar de Hetler, ficando a falácia que ajudou a derrubar o nazismo, mas ocultando a invasão da polonia da sécia, antes da traição. Os aliados, não querendo entrar em outra gerra deixaram quieto, mas se o nazismo foi proibido no mundo todo, o comunismo deveria ser também, pois influenciou e ajudou em genocídios :
The Soviet Story
Parte1 https://www.youtube.com/watch?v=l2K08hAfM88
Parte 2 https://www.youtube.com/watch?v=KMbtuNUiQSg
Parte 3 https://www.youtube.com/watch?v=aG1DGIiwjLo
Parte 4 https://www.youtube.com/watch?v=w1xde7RwNPQ
Parte 5 https://www.youtube.com/watch?v=VZDRpHF6aik
Parte 6 https://www.youtube.com/watch?v=5nhJ5vgoGiU
Parte 7 https://www.youtube.com/watch?v=iQ7jp_UQ1s8
Parte 8 https://www.youtube.com/watch?v=9hzePG8UuHc
Parte 9 https://www.youtube.com/watch?v=bQsC8T9Rq7c

Responder

Joel Ferreira

22 de setembro de 2020 às 20h46

Tchê, eu até agora não entendi como é que com estes dispositivos espiões de uso obrigatório que registram toda a nossa navegação, ainda aparecem para mim, no meio das notícias, como se fosse uma delas, uma m. destas. Não vou te chamar de imb…, porque praticamente todo mundo que comentou já o fez, de modo que não vou parecer mais inteligente se te encher de ofensas ou utilizar mais e outros palavroes. Mas, tirando as décadas de terrorismo de Estado dos EUA, com todo respeito, tu só disseste bobagens e agiste com quem não sabe nem o que acontece no próprio país em que vive. Desde quando não seguimos os protocolos? Como tu podes acusar o presidente, quer gostes ou não dele, de ser o responsável pelas mortes e compará-lo a ditadores, pior, os mais cruéis, sem apontares um único ato anti-democrático por parte dele, sequer quando o STF, pela primeira vez em sua história e total desrespeito à Constituição e a divisão de poderes, a base de nossa democracia, se pôs a descarada e repetidamente
invadir as funções dos outros poderes, não só “decidindo”, como se pudesse, não apenas em lugar do Executivo até o ponto de simplesmente proibi-lo de decidir e governar, exercer suas atribuições, para as quais foi eleito, democraticamente, pela maioria da população, e não por uma “parcela”, como se apenas um grupo minoritário de dissidentes malucos, como disseste, numa tentativa nada democratica de destituí-lo de suas prerrogativas, mas também do próprio Legislativo, “expedindo” resoluções, como se pudessem criar a obrigação de fazer, sem que exista qualquer lei que ampare, apoie ou justifique suas meras “ordens”, então, completamente totalitárias, ditatorias, algo que nem na época do império se fazia, porque desde a época de D. Pedro I existiam leis e não era o imperador que as “ditava”, como está fazendo o STF, mas um parlamento que as aprovava ou não e o próprio poder Executivo, no caso de Dom Pedro II, era exercído por um primeiro ministro, nomeado por ele, mas as leis, como a Lei Áurea, por exemplo, que extinguiu a escravidão no país, eram votadas. E não vi nosso amigo, tão preocupado com a democracia, se insurgir ou denunciar isto. Tipo, se eu não gostar do presidente, aí, se ele for expulso por um golpe ou ditadura, tudo bem. Democracata de meia pataca.

Responder

Morrã

22 de setembro de 2020 às 15h58

Tu é muito ruim, meu! Esse teu comentário só encaixa na cabeça de quem foi criado saltando pipa no apartamento de ventilador.
Cai na real, geração Paulo Freire.

Responder

Lipbarreto

22 de setembro de 2020 às 14h11

Entao, vejo uma idiotice que acomete quaquer discussão entre o certo e o errado.

Responder

Ronei Silveira

22 de setembro de 2020 às 09h51

Pedrinho & Cia pararam no tempo, pensam que ainda enganam alguém com essas narrativas de quarta serie…

Responder

    Batista

    23 de setembro de 2020 às 15h05

    Verdade!

    No paralelo mundo terraplanista, onde índio e caboclo fazem a ‘festa do fogo’ na Amazônia e as vacinas são consideradas desnecessárias, ambas mais que suficientes para ilustrar até onde alcança o estágio da mediocridade em ‘humanos’ no Brasil, fica mesmo difícil, para não dizer impossível, convencer que a realidade não é a paralela, ainda mais em um ‘Brasil acima de tudo’ (o covarde enrolado na bandeira), com ‘Deus acima de todos’ (o fariseu ‘esperto’ disfarçado na religião) e Queiroz à sina da família (de pai a filhos, sobrevivendo da laranja, rachadinha, milícia, fake news e trouxas).

    Se mediocridade produzisse capim, ao menos não seria necessário alimenta-los, né?

    Responder

Luiz

22 de setembro de 2020 às 06h18

Sempre achei interessante como o nome Stalin atrai competição fácil.

Responder

Alexandre Neres

22 de setembro de 2020 às 00h52

Caro Pedro, só você neste blogue tem um faro apurado para pescar um assunto tão candente feito este. Releve trolls e bots, a maioria dos que escreveu aqui é uma pessoa só, o saudoso Wellington, ou não sei se já se assumiu Andressa. Viva a diversidade! O que mais me agrada no assunto foi ter visto a cara de bunda do Bial, perdeu a rosca quando o Caetano em mais uma guinada providencial colocou o liberaloide pra escanteio. A imprensa neoliberal, a grande responsável pela situação em que nos metemos, os mesmos que querem se desvincular do capitão que ajudaram a eleger, partiu para o ataque contra o Caetano, tachando-o de “stalinista”. Não o enfrentam, mas ficam sussurrando pela vielas e pelos becos. Vide Guga Chacra, Sérgio Rodrigues (FSP), Pablo Ortellado, até o razoável Celso Rocha de Barros e quejandos. Não tenho a menor simpatia pelo Stálin, mas quando vejo esses imbecis enaltecendo Churchill, que era racista e colonialista, fico pensando em como teria terminado a segunda guerra sem a grande vitória russa sobre os nazistas. Vamos deixar de ficar repetindo baboseira, construções tacanhas do Ocidente como o dia D, o desfecho mesmo da guerra se deu em outras paragens. Seria pedir demais pra esses papalvos que tivessem visto e entendessem o Caetano enunciar que não engole mais esse totalitarismo simétrico, colocando os nazistas e os comunistas em um mesmo patamar? A História do Liberalismo ainda vai ser contada como merece, mostrando suas profundas ligações com o colonialismo e a escravidão. Porém não tem nem por que abordar esse assunto aqui, pois no Brasil só tem liberal de meia-tigela, afinal de contas são contra os direitos humanos, as liberdades democráticas, o estado democrático de direito e querem excluir os adversários políticos por meio de processos judiciais viciados e acumpliciando-se com quarteladas e golpes híbridos. São uns bananeiros totalmente desprovidos de bom gosto.

Responder

Josafá

21 de setembro de 2020 às 23h10

Lendo esses textos ridículos percebe-se quão o nivel da esquerda tupiniquim é baixo.

Responder

Raja Natureza

21 de setembro de 2020 às 21h53

PEDRO BREIER é fraquinho

Responder

Belem

21 de setembro de 2020 às 20h37

Poucas pessoas morrem de covid, a grande maioria morre com covid.

Responder

Hilux12

21 de setembro de 2020 às 20h28

Quem pagou a conta dessa idiotice sem antecedentes e sem evidencia cientifica nenhuma do isolamento geral foi a propria classe trabalhadora….o lockdown em breve serà lembrado como uma das maiores idiotice da historia da humanidade pois alem de nao ter eficacia comprovada nenhuma dizimou milhoes de postos de trabalho e condenou milhoes de pessoas a morte e miseria no mundo. Nao vou nem citar os numeros de mortos projetados por Oxford e pela FAO devido as consequencias nefastas do lockdown.

A unica evidencia cientifica comprovada para conter uma epidemia é a imunidade de rebanho e no caso do coroanvirus o fato do mesmo ser infinitamente mais letal para uma parcela da populaçào (idosos).

Nao adianta comparar paises completamente diferentes conforme interesses para sustentar uma narrativa contaminada pelo trogloditismo ideologico pois nao colou e nao vai colar, jà nasceu morta.
E’ obvio que cada pais possui territorios, dinamicas sociais, sistemas de saude, idades, habitos de igiene pessoal, e mais infinitas variaveis diferentes que nao se mudam de um dia para o outro e que influenciam na propagaçao ou menos do virus….além disso é bastante claro que onde o virus entrou com mais força de novembro até março (quando foi declarada a pandemia pela OMS) fez e farà mais estragos, onde entrou com pouca força farà poucos estragos.

Onde foi feito o isolamento total empurro-se com a barriga a imunidade de rebanho no tempo por isso haverà uma segunda rodada e quem sabe uma terçeira até a vacina.
Na Suecia isso nao acontecerà pois o virus jà fez o percurso completo dele que querer ou nao é inevitavél…ou de repente o Governo Sueco é genocida tambem…?

O que o Governo brasileiro pretendia fazer era a mesma coisa mas por decisao do STF nao foi implementada e o mesmo se tornou simples expectador pagante.

Para o nosso epidemiologo de sofà que diz respeitar a ciencia….leia a entrevista a seguir que é completa sobre o assunto e pare de falar bobagens sobre o que vc nao conheçe pois é assunto que nem a propria ciencia hoje conheçe ainda.

http://www.infobae.com/america/ciencia-america/2020/09/12/martin-kulldorff-epidemiologo-de-harvard-no-hay-razones-cientificas-ni-de-salud-publica-para-mantener-las-escuelas-cerradas/

Cada um dos obitos por coronavirus do mundo està na conta da dupla China/OMS e os gastos enormes do Brasil para sustentar o #fiquemcasa (alem de nao ter poupado nenhuma vida) serao o golpe fatal para um pais que jà estava moribundo.

Pela felicidade dos nossos revolucionarios de boutique hà chances que os juros do tesouro direto voltem a subir devido ao endevidamento, talvéz nao cheguem aos niveis dos governos petistas e nao consigam ganahr como antes nas costas dos trabalhadores brasileiros, mas….fica a dica !!

Responder

    Batista

    21 de setembro de 2020 às 23h32

    O medíocre, ao ignorar o filtro da modéstia destinado a auto proteção da exposição além da conta, escancara a estupidez nata, sem medo de ser infeliz.

    Responder

    Gilmar Tranquilão

    22 de setembro de 2020 às 01h03

    ih o camundongo se doeu!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder

    Belem

    22 de setembro de 2020 às 09h40

    Bela entrevista completa e esclarecedora, nao ha duvida que com o passar do tempo conteudo da mesma està sendo amplamente confirmado pelos fatos.

    Gostei desse trecho final que deveria ser enfiado em todos os orifico dos “defensores dos trabalhadores” tupiniquim para eles perceberem quão são trogloditas.

    “Pero, como dije anteriormente, las cuarentenas son un ataque gigantesco contra la clase obrera, así que es muy difícil para mi entender cómo algunos medios que en teoría están del lado de los trabajadores las han defendido tan ferozmente. Veo una gran desconexión ahí.”

    Essa é de março e tudo està sendo confirmado hoje:

    https://www.publico.pt/2020/05/03/ciencia/noticia/johan-giesecke-epidemiologista-sueco-numero-mortes-covid19-sera-quase-paises-europeus-1914373

    O Bolsonaro havia acertado o tiro no escuro, gostando ou não demostrou ter visão de estadista a longo prazo.

    Responder

    Gustavo

    22 de setembro de 2020 às 14h41

    O seu argumento não resiste a uma conta simples. A taxa de letalidade da covid hoje está em torno de 7 mortes a cada mil infectados. Digamos que 50% da população tenha que ser infectada para se alcançar a imunidade coletiva. No Brasil isso daria cerca de 100 milhões de pessoas, resultando em cerca de 700 mil mortos por covid. Então explique como o isolamento social não salvou uma vida sequer.

    Responder

      Francisco

      23 de setembro de 2020 às 16h36

      Essa entrevista é de maio de 2010, procure saber sobre os meses seguintes…

      Mas atendo-se ao problema com orifícios que perpassa e explica o vácuo existente entre vossos, couro cabeludo e queixo, fica extremamente fácil, óbvio até, concluir-se que sabe tanto sobre a Suécia, quanto vosso mentor político sabe sobre como não desgovernar o Brasil, até o presente momento.

      Isso posto, que não o Ipiranga, que ‘faz água’ desde dezembro de 2019, “a Suécia tem uma população de apenas 10 milhões de pessoas, com alto nível de bem estar social, COM O ESTADO MUITO PRESENTE NA VIDA DOS CIDADÃOS EM TODOS OS NÍVEIS. OU SEJA — FAZER COMPARAÇÕES ATÉ MESMO COM OUTROS PAÍSES EUROPEUS É IMPRECISO.

      E também é relevante ressaltar que muita gente morreu por Covid-19 por lá, principalmente no início da pandemia. A Suécia tem taxa de 574 mortes por milhão [no Brasil hoje é de 657 por milhão e nos EUA 610 por milhão] — o que é cinco vezes maior que a Dinamarca [111 por milhão], 9 vezes mais que a Finlândia [61 por milhão) e 11 vezes mais que a Noruega [49 por milhão].

      Ainda é cedo para concluir se a estratégia do país realmente deu certo — MAS É DIFÍCIL ACREDITAR QUE ELA FUNCIONARIA EM OUTROS LUGARES DO MUNDO.”

      Faça bom uso, quem sabe através dos próprios apropriados orifícios possa encher o vácuo persistente, afinal, “livre pensar é só pensar”, né?

      Responder

santonai

21 de setembro de 2020 às 20h11

Eu nao sei vocês, mas eu estou preocupado mesmo é com as reformas tributária, administrativa, política e do Estado que nao saem. A reforma da previdência, que foi muito fraquinha. Me preocupa o elevado endividamento estatal, o déficit fiscal, o desrespeito ao teto de gastos e à LRF, o inchaço da máquina pública, as privatizações que não saem, o jeitinho brasileiro e a insegurança jurídica, a violência, a corrupção.
Já o Stálin, está no inferno.

Responder

    Germano

    21 de setembro de 2020 às 23h19

    O Brasil está falido completamente há anos e não há reforma que o salve. A pandemia foi o golpe final, foram destruídos milhões de postos de trabalho inutilmente e não se salvou nenhuma vida pois não há nada que segure o virus.

    Responder

Hilux12

21 de setembro de 2020 às 19h51

Depois vc conta para o resto do mundo onde ficar no sofa o dia inteiro é consenso cientifico para evitar o virus e onde isso està comprovado cientificamente e inconfutavelmente, com publicaçoes, estudos academicos, etc…se é capaz…

Responder

    Gilmar Tranquilão

    22 de setembro de 2020 às 01h04

    Alguém chama um veterinário pro camundongo kkkkkkkk

    Responder

    Ronei Silveira

    22 de setembro de 2020 às 09h53

    Pegue uma cadeira ou uma rede pois acho que ele vai demorar para demostrar o que ele disse…kkkkkkkkkkk

    Responder

João Giromini

21 de setembro de 2020 às 19h22

Sério q tem gente por aí perdendo tempo com um militonto do PCB? É de perder as esperanças….

Responder

anturio

21 de setembro de 2020 às 19h14

Os rótulos, ah, os rótulos. Direita é bom, esquerda é ruim. Ou seria o contrário? Coca-cola é bom e Pepsi é ruim. Ou seria o contrário?? E se trocassemos os rótulos das embalagens, mudaria o conteúdo?? Mao, Hitler, Fidel, Stalin, Pinochet, Mussolini, Pol Pot, o q muda, além do rótulo direitista ou esquerdista? No fundo no fundo, esquerda e direita, especialmente as extremas, são irmãos gêmeos de pais (apenas o pai) diferentes.

Responder

    Jerson7

    21 de setembro de 2020 às 20h31

    A esquerda nao repudia os ditadores comunistas, muito pelo contrario….

    Temos o Maduro hoje que é conteporaneo, faça um teste com um esquerdoide para vc ver…

    Responder

      Batista

      21 de setembro de 2020 às 23h10

      A diferença entre Maduro e a dupla ‘Laranjas’ é o pé na beira da estrada, sem marimbondo.

      Responder

      Justiceiro

      22 de setembro de 2020 às 01h06

      E pseudo nazistóide pobre de direita com camisa da CBF e o pato na cabeça passa pano pra Erdogan, Netanyahu, Trump…..

      Conversinha heim

      Responder

    Vixen

    21 de setembro de 2020 às 20h39

    Tudo que é ditador socialista/comunista é idolo dessa gente e nem fazem questão de esconder.

    O idolo desses elementos é Fidel Castro e segundo esses malucos Cuba é a perfeição da democracia

    Responder

    Batista

    21 de setembro de 2020 às 22h58

    Sei não, Antúrio, tu tá mais pra ‘Arenga’, em ambos significados.

    Responder

    Ronei Silveira

    22 de setembro de 2020 às 10h02

    Para esses tresloucados as de esquerdas são amplamente justificadas pois trata-se de “ditaduras do bem” para combater o fascismo, o imperialismo, e outras besteiras…

    Responder

Paulo

21 de setembro de 2020 às 19h00

Bem, não sei o que ele disse, esse blogueiro, mas Stálin foi um dos maiores genocidas da humanidade. Pesquisem por Holodomor! Nem vou falar do resto…

Responder

chichano goncalvez

21 de setembro de 2020 às 18h57

Mesmo com alguns erros, o Stalin é um milhão de vezes, melhor que essa quadrilha Bolsonarista que esta no poder, vejam , o que era a Russia, antes do Stalim e o que foi a União Sovietica pós Stalim, e morreu pobre, enquanto essa quadrilha estão roubando, e traficando, não existe comparação, para um Ser humano que colocou a União Sovietica em primeiro lugar no Cosmos, entre outras mil coisas . Voltarei quando se fizer necessario, restabelecer a verdade.

Responder

Deixe uma resposta