Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Theófilo Rodrigues: Porto Alegre, Manuela e a cidade do futuro

Por Redação

06 de novembro de 2020 : 16h32

Por Theófilo Rodrigues

Ninguém tem muitas dúvidas sobre o lugar que a cidade de Porto Alegre ocupa no cenário internacional. Berço do Orçamento Participativo e cidade sede do Fórum Social Mundial, a capital gaúcha é reconhecida internacionalmente como geradora de inovações políticas e democráticas. E a eleição municipal de 2020 parece confirmar essa vocação.

Em todas as pesquisas de opinião publicadas até agora, a comunista Manuela d’ Ávila aparece na liderança isolada pela disputa da prefeitura da cidade. Em 29 de outubro, o IBOPE lhe deu 27% de intenções de voto. Em 02 de novembro, Manuela repetiu os 27% em pesquisa do instituto RealTime Big Data. Ontem, 05 de novembro, o instituto Methodus registrou 29% para a candidata. Em todas as pesquisas mencionadas, os seus adversários não passam da metade das intenções de voto da candidata do PCdoB. Confirmadas essas tendências, Manuela será não apenas a primeira mulher a assumir a prefeitura da cidade, mas também a primeira comunista. Trata-se, portanto, de um fenômeno.

Como diria Engels, esse fenômeno, claro, não surge como um raio em dia de céu azul. Há todo um processo social e histórico que oferece as suas potencialidades em Porto Alegre. A socióloga britânica Hilary Wainwright, por exemplo, sugere que essas ideias inovadoras e progressistas da cidade são frutos da “combinação particular em Porto Alegre de movimentos sociais bem organizados, tradições democráticas fortes e uma história de governos de esquerda”. Algo semelhante é dito por outro sociólogo, o português Boaventura de Souza Santos, para quem as inovações participativas da cidade têm origem nas “condições históricas, políticas e sociológicas específicas de Porto Alegre”.

Contudo, Manuela não tem origem no PT, partido que por muitos anos foi protagonista nesse processo local de inovações democráticas. Como se sabe, sua filiação partidária por toda a vida foi no PCdoB. Mas isso não foi empecilho para contar com o apoio do Partido dos Trabalhadores que, inclusive, indicou o nome de seu vice. Talvez por isso mesmo somente ela seja capaz de levar adiante um projeto ainda mais ousado do que aquele que já foi implementado com sucesso na cidade.

O que Manuela propõe é inovador: a radicalização da democracia na prática. Isso significa a volta do Orçamento Participativo? Sim. Mas dessa vez com a criação do Gabinete nos Bairros, da Prefeitura Comunitária e das Conferências da Cidade, entre tantas outras propostas. Se a direita fala tanto em Parcerias Público-Privadas, as famosas PPPs, Manuela responde em seu programa com as Parcerias Público-Comunitárias, em que o principal parceiro do Estado não é o Capital, mas sim as comunidades. Manuela também fala em desenvolvimento, instrumento chave para a geração de empregos e de riqueza, mas conjuga esse desenvolvimento com a ideia de sustentabilidade, agenda prioritária nesse início do século XXI. Em síntese, a rápida leitura de seu programa registrado no TSE nos confirma: o que está ali é a cidade do futuro.

Essa é a razão pela qual famosos nomes do cenário internacional hoje apoiem sua candidatura. É o caso de Ada Colau, a prefeita de Barcelona que foi eleita com o apoio do Podemos e que hoje é uma verdadeira sensação mundial na política.

Em tempos de retrocesso democrático, a eleição de Manuela d´Ávila representa um sopro de ar fresco em nosso país. Que sua experiência sirva de exemplo para outras cidades. Pois é das cidades que podem nascer as esperanças de um Brasil melhor nos próximos anos.

Theófilo Rodrigues é cientista político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Silvano

09 de novembro de 2020 às 19h55

Parabéns aos eleitores de Porto Alegre pela escolha da Manu, que tem a melhor proposta para a cidade. Com certeza fará uma ótima gestão.

Responder

Eliseu Joner

07 de novembro de 2020 às 09h00

O autor segui a minha linha de pensamento num comentário que postei no início da semana.
Professor e ecojornalista Eliseu Joner

Responder

Justiceiro

07 de novembro de 2020 às 01h07

Tá eleita.

Responder

Paulo

06 de novembro de 2020 às 22h14

Meus Deus! Se a tal “Manu” ganhar, os gaúchos, em vez de progressistas, poder-se-ão intitular abortistas. Se bem que não há diferença, de fato. Acorda, Rio Grande! Talvez os porto-alegrenses devessem visitar o túmulo de Pinheiro Machado, no Cemitério da Santa Casa de Misericórdia. Fica a dica, Gaudério!

Responder

Hilario

06 de novembro de 2020 às 18h54

“Em tempos de retrocesso democrático”…elege-se uma comunista !?!? Kkkkkkkkk

O esterco estorou de véz na cabeça dos portoalegrenses.

Responder

Alexandre Neres

06 de novembro de 2020 às 16h55

Os ventos mudaram mundialmente. Até nas eleições municipais cuja previsão era de cenário dantesco, o horizonte se desanuviou.

Serão prefeita(o)s: Manu em Poá(PCdoB); Edmilson em Belém (PSOL); Sarto em Fortaleza (PDT). Estarão disputando palmo a palmo o segundo turno: Marília Arraes em Recife (PT); Martha Rocha no Rio (PDT); e Boulos em Sampa (PSOL). E o apoio de Bolsonero para Crivella e Russomano? Foi de alguma valia?

Em 2022, vamos mandar a familícia para aquele lugar!

Responder

    Alan C

    06 de novembro de 2020 às 19h39

    No ES o candidato que se diz bolsonarista e usa os mesmos discursos toscos de matar comunistas e blablabla não chega nem a 3% nas pesquisas rsrs

    Essa gentinha não engana mais ninguém.

    2022 vem aí!!!

    Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?