Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Procurador que “segurou” caso Queiroz quer tornar Rodrigo Neves inelegível

Por Redação

21 de dezembro de 2020 : 16h28

Neste sábado, 19, foi rasgada a fantasia da operação midiática contra o atual prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PDT). Faltando poucas horas para o início do recesso da justiça, o procurador do Ministério Público Federal (MPF) que protegeu Queiroz e Flávio Bolsonaro no caso das “rachadinhas” pede a inelegibilidade do pedetista.

Carlos Alberto Gomes de Aguiar que foi coordenador da Lava Jato no Rio teve em suas mãos, desde janeiro de 2018, as informações sobre os crimes praticados no gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro, mas preferiu mantê-las em sigilo. O caso só veio à tona depois das eleições do mesmo ano, quando Flávio se elegeu senador e seu pai, presidente da República. 

Agora, dias depois do prefeito de Niterói, aprovado por 85% da população e que elegeu seu sucessor, Axel Grael (PDT), no primeiro turno, anunciar que vai comprar vacinas Coronavac do consórcio Butantã/Sinovac e ganhar destaque nacional e internacional num tema em que se opõe radicalmente a orientação da família do presidente, surge essa ação que é no mínimo extemporânea. 

Em nota distribuída a imprensa, a defesa do prefeito Rodrigo Neves disse:

“O Prefeito, que também exerceu dois mandatos de Deputado Estadual, nunca figurou em listas de rachadinhas e muito menos milícias ou envolvimento com o crime organizado. Niterói é a única cidade da Região Metropolitana do Rio que não tem territórios dominados por milícias. O Prefeito repudia a utilização de órgãos do Estado para perseguição política (…)”. Rodrigo e seu advogado, Técio Lins e Silva, vão pedir a anulação da ação da Polícia Federal e uma investigação sobre o vazamento do documento sigiloso que a embasou, além de questionaram a atribuição federal da operação.

Segue a íntegra da nota:

Hoje, o Prefeito Rodrigo Neves teve acesso a um documento escrito pelo Procurador Regional da República Carlos Alberto Gomes de Aguiar, requerendo busca e apreensão em sua casa, ontem pela manhã, causando pesado sofrimento à sua família, esposa e filhos, e dano irreparável à sua imagem. 

A leitura deste documento traz ainda mais indignação e perplexidade. Documento sigiloso, criminosamente vazado ao público, com mobilização prévia de toda a mídia. Na tentativa de confirmar a sua narrativa, o documento do Procurador Regional Carlos Aguiar é um amontoado de ilações, sem nenhum indício ou provas de que se tenha cometido qualquer ação criminosa, muito menos por interesse pessoal ou para a obtenção de vantagem indevida.

Isso, após anos de investigação, durante os quais sua vida foi completamente devassada, sem que ele sequer tenha sido ouvido ou convidado para prestar qualquer esclarecimento sobre qualquer assunto. O mais grave é que o Procurador Regional Carlos Aguiar usurpou atribuições, assumindo uma narrativa que parece previamente elaborada por alguém para tratar de assuntos que sequer são de sua atribuição, induzindo o juízo Federal a erro. 

Há uma clara e abusiva usurpação de atribuição do Procurador Regional Carlos Aguiar que menciona, irresponsavelmente, em seu documento, um relatório inicial do Tribunal de Contas do Estado, de 2018, já revisado pelos técnicos e colegiado do órgão, em 2019, a partir dos esclarecimentos e defesa da Procuradoria Municipal, Controladoria Municipal e órgãos responsáveis pela contratação e execução da obra. Menção irresponsável a um relatório já revisto com o claro objetivo de induzir o juízo federal a erro. 

A TransOceânica e o túnel Charitas-Cafubá foram concluídos há tempos dentro do cronograma do início da obra, com custo menor que outras obras similares no Brasil e na América do Sul, e com rígida fiscalização dos órgãos de controle e financiamento. Os técnicos e colegiado do TCE afirmam em relatório de 2019 que “não houve dano ao erário ou sobrepreço” na obra. Dezenas de técnicos da Caixa Econômica Federal atuaram na fiscalização da obra e avaliaram cada prestação de contas da mesma e nada de desvio foi constatado. A obra foi reconhecida pela qualidade pela Caixa Econômica Federal, Ministério das Cidades, Banco de Desenvolvimento da América Latina, e premiada nacionalmente, melhorando a qualidade de vida dos niteroienses que sofriam há décadas com as promessas não cumpridas do túnel Charitas-Cafubá. 

Evidente que um projeto orçado em 2013, ao longo do período de execução do seu contrato, tem reajustes pela inflação previstos em qualquer contrato público ou privado. O Procurador Regional Carlos Aguiar, ataca injustamente a reputação da administração de Niterói e do Prefeito, reconhecidos pela qualidade da gestão pública com vários prêmios em rankings independentes, inclusive da CGUe MPF, que tem mais de 85% de aprovação da população de Niterói e que, recentemente, foi reconhecida pela vitória retumbante na eleição, em primeiro turno, de seu sucessor Axel Grael, com 62,5% a 9% do segundo colocado. O que causa estranheza é que, quando da violência inominável que o Prefeito e sua família sofreram em 2018, o mesmo procurador assinou documento afirmando que não havia qualquer elemento de corroboração contra o Prefeito ou atividade criminosa no caso da administração de Niterói. 

O que aconteceu para que houvesse mudança tão radical da posição do Procurador entre 2018 e 2020, se continua a não haver quaisquer provas contra o Prefeito? 

A verdade é que o Prefeito Rodrigo Neves, que tem uma vida simples e lidera uma das melhores e mais reconhecidas administrações municipais do Rio e do país, sofre, desde 2018, uma ação orquestrada para infligir pesado sofrimento a sua família, esposa e filhos, e desgastar sua imagem pessoal e da amplamente aprovada administração de Niterói, sabidamente orientada por uma visão progressista, democrática e pautada em uma gestão responsável e transparente. 

O Prefeito, que também exerceu dois mandatos de Deputado Estadual, nunca figurou em listas de rachadinhas e muito menos milícias ou envolvimento com o crime organizado. Niterói é a única cidade da Região Metropolitana do Rio que não tem territórios dominados por milícias. O Prefeito repudia a utilização de órgãos do Estado para perseguição política e, através de sua defesa, exercida de maneira cívica pelo Advogado Técio Lins e Silva, questionará a atribuição federal para o caso, e solicitará apuração de vazamento criminoso de documento sob sigilo.

 O Prefeito Rodrigo Neves, em poucos dias, deixará a administração de Niterói, com 85% de aprovação da população, com seu vice-prefeito e sucessor eleito por 62,5% dos votos, em primeiro turno, e com a Prefeitura com caixa disponível de 700 milhões de reais (eram mais de 400 milhões de reais em dívidas em 2013) e 740 milhões de reais no fundo municipal de previdência (eram apenas 12 milhões de reais em 2013).  

O Prefeito Rodrigo Neves, sociólogo por formação, acredita na democracia, nas instituições do Estado democrático de direito e no Poder Judiciário para rechaçar ações e atitudes típicas de regimes autoritários, e confia que a verdade prevalecerá e a justiça será feita.

Rodrigo Neves

Técio Lins e Silva

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

chichano goncalvez

21 de dezembro de 2020 às 21h58

Somente enforcando em praça publica, um imbecil desses , ou melhor quem sabe colocarem fogo na casa dele, com tida a sua familia dentro, pois como dizia a finada vovó: ” Arbol ruim dá frutos malos “, principalmente porque são de direita , e isso basta.

Responder

Deixe um comentário