Paris Café: O que esperar da classe média para 2022?

Notas Internacionais (por Ana Prestes) – 25/02/21

Por Ana Prestes

25 de fevereiro de 2021 : 15h04

Uma pesquisa realizada nos EUA com 2596 cidadãos, pelo Pew Research Center, entre 1º e 7 de fevereiro, e comentada em artigo de Rafael Balago na FSP, mostra que 75% dos americanos esperam que a política externa de Biden seja capaz de promover a proteção dos empregos nacionais. Junto com emprego, as maiores preocupações dos americanos em relação à política externa são o terrorismo e as doenças contagiosas, ambos preocupam 71% dos americanos. O controle da proliferação de armas de destruição em massa foi citado por 64%. A pesquisa fez ainda uma estratificação entre as pessoas que se identificam com republicanos ou democratas. Aqueles que se identificam como republicanos se preocupam mais com a proteção ao emprego (85%) e terrorismo (81%). Já os que se identificam como democratas se preocupam mais com controle de doenças contagiosas (80%) e mudanças climáticas (70%). Mais infos: https://tinyurl.com/8cbxn3sj

Ainda sobre o artigo de Balago na FSP, ele nos lembra que, sob Trump, o desemprego nos EUA chegou a ficar em 3,5% antes da pandemia. Menor índice em meio século. Depois da pandemia, no entanto, foi para 14,7%, maior índice desde a grande depressão causada pela crise de 1929. Em janeiro deste ano (2021) o índice ficou em 6,3%, ou seja, 10,1 milhões de norte-americanos em busca de trabalho.

Os EUA querem voltar pra valer para o Conselho de Direitos Humanos da ONU. Segundo o chefe do departamento de Estado, Antony Blinken, os americanos vão abandonar a política da “cadeira vazia” de Trump. Eles vão concorrer a um assento para o mandato de 2022-2024. Trump havia abandonado o conselho em 2018. Em seu discurso, no entanto, Blinken não deixou de dar uma alfinetada no CDH dizendo que o órgão dá uma “atenção desproporcional a Israel”. Criticou ainda a Rússia pelo tratamento dado aos opositores de Putin, com citação nominal a Navalny e a China por “atrocidades” cometidas em Xinjiang e Hong Kong. O CDH tem 47 membros plenos, eleitos pela maioria dos Estados da AGNU (assembleia geral da ONU) para um mandato de três anos. Os demais países não eleitos ficam como observadores. Hoje os EUA têm status de observadores nesta 46ª sessão do CDH que começou segunda (22).

Por falar na 46ª sessão do CDH, o Brasil participa através do ministro Ernesto Araújo e da ministra Damares Alves. A ministra falou do projeto “Abrace o Marajó” que deverá cuidar da Amazônia e da população que vive no bioma amazônico. Ela também pintou um quadro de ficção sobre o enfrentamento do governo brasileiro à pandemia. Segundo ela, “o governo brasileiro apresentou planos de contingência, estruturados nos eixo saúde, proteção social e proteção econômica” e que o governo garantiu a vacinação de profissionais de saúde, idosos e povos indígenas. A fala de Araújo tentou ser protocolar: “trabalharmos para uma ordem internacional que honre os padrões estabelecidos na Declaração Universal…”, mas na prática foi absurda, com sua bandeira da Ordem de Cristo ao fundo, disse que as populações estão sacrificando suas liberdades em troca de saúde. Em sua coluna, Jamil Chade, comenta que cerca de 60 organizações brasileiras fizeram uma carta afirmando que a fala do governo brasileiro no CDH não representa a realidade, pois a verdade é que o próprio governo patrocina graves e persistentes violações dos direitos humanos na condução das políticas frente à pandemia no país. Coluna de J. Chade: shorturl.at/yKR23

O governo da Venezuela declarou Isabel Brilhante, Embaixadora da União Europeia no país, persona non grata. Deu 72 horas para que ela deixe o país. A decisão veio após o bloco apresentar novas sanções contra 19 funcionários, incluindo Indira Alfonzo, presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) e Remigio Ceballos, militar de alta patente. As sanções incluem a proibição de viagens para os países do bloco e o congelamento de bens.

Em Israel, um estudo realizado com 1,2 milhão de pessoas confirma que a vacinação massiva tem potencial de deter a pandemia. Os israelenses estão usando a vacina Pfizer/Biontech. Este é o primeiro grande estudo em condições de vacinação em massa com a vacina Pfizer e foi publicado ontem (24) na New England Journal of Medicine. O uso das duas doses do imunizante reduziu os casos sintomáticos de covid-19 em 94% em todas as faixas etárias. A vacinação começou em Israel em 19 de dezembro e até hoje, dos mais de 9 milhões de habitantes, metade já recebeu a primeira dose e um terço as duas doses. Transformando o país em um laboratório de estudo do “mundo real”. Mais infos: https://tinyurl.com/2cxyxz2b

Mas por falar em Israel e vacina, circulam informações de que procurado por vários países para obtenção de vacinas, o premiê Benjamin Netanyahu estaria condicionando doações ao reconhecimento de Jerusalém como capital do país. A denúncia foi feita pelo jornalista Sami Boukhelifa, correspondente da Rádio França Internacional (RFI) em Israel.

Quando olhamos para o mapa de evolução da vacinação pelo mundo, a situação dos países da União Europeia chama atenção. Na média dos países, apenas 6% da população foi vacinada com a primeira dose dos imunizantes. Resultado bastante distante do Reino Unido, por exemplo. A pressão está tão forte que a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que representa os 27 países membros, foi obrigada a admitir falhas em recente entrevista. Segundo ela: “demoramos para autorizar, fomos muito otimistas quanto à capacidade de produção e talvez muito confiantes de que o que pedimos seria realmente entregue”. Os três fabricantes contratados fizeram cortes nas quantidades vendidas: Pfizer, Astrazeneca e Moderna. Boatos sobre a ineficácia das vacinas e exigências para a população, como na França em que se requer consulta médica para tomar a vacina, também tem colaborado pela estagnação do processo. Mais infos: shorturl.at/loxAL

Já na América Latina, o Chile lidera a corrida da vacinação com 14% da população já vacinada. O país foi o primeiro a iniciar a vacinação na região e em 21 dias mais de 3 milhões de pessoas já haviam recebido pelo menos a primeira dose, segundo o Our World in Data. O país possui 19 milhões de habitantes e pretende ter 5 milhões de vacinados até o fim de março e 15 milhões até o fim de julho. Eles estão usando as vacinas da Sinovac, Astrazeneca, Pfizer e Johnson & Johnson. Você pode acessar o mapa de vacinação no site do Opera Mundi: shorturl.at/nsGZ0

O primeiro país a receber um lote de vacinas do fundo Covax será Gana, localizado na África Ocidental. O país deve receber 600 mil doses da vacina AstraZeneca, fabricada pelo Instituto Serum, da Índia. O mesmo instituto vai fabricar o primeiro bilhão de doses do fundo. Foi o primeiro passo daquele que pode ser o maior empreendimento de fornecimento e distribuição de vacinas da história do planeta. Só em 2021, cerca de 2 bilhões de vacinas podem ser distribuídas. A OMS tem sistematicamente denunciando que países ricos estão minando o sistema Covax ao abordarem diretamente os fabricantes para obterem mais doses.

Uma situação que não comentei por aqui, mas está se desenrolando desde o final de semana passado é o da desestabilização política na Armênia. Poucos meses após o conflito com Azerbaijão pelo território de Nagorno-Karabakh, que comentei bastante aqui nas Notas, Forças Armadas e governo armênio estão em confronto. O comando do Estado-Maior pediu a renúncia do premiê Nikol Pashinyan alegando “incapacidade de tomar decisões adequadas”. O premiê está denunciando tentativa de golpe, destituiu o chefe do Estado-Maior e está convocando a população para protestar nas ruas. Pashinyan sofre pressão desde o confronto com o Azerbaijão, com mediação de um cessar-fogo pela Rússia, em que aceitou a conquista de áreas de Nagorno-Karabakh por azeris, além da retirada de tropas armênias da região. O cessar-fogo é visto pelos militares como humilhação nacional.

Ana Prestes

Ana Prestes Socióloga, mestre e doutora em Ciência Política pela UFMG. Autora da tese “Três estrelas do Sul Global: O Fórum Social Mundial em Mumbai, Nairóbi e Belém” e do livro infanto-juvenil “Mirela e o Dia Internacional da Mulher”. É membro do conselho curador da Fundação Maurício Grabois, dirigente nacional do PCdoB e atua profissionalmente como assessora internacional e assessora técnica de comissões na Câmara dos Deputados em Brasília.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe uma resposta