Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Bretas, delatado por vender sentenças, condena Pezão a quase 100 anos de prisão

Por Redação

05 de junho de 2021 : 11h17

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, expediu uma sentença em primeira instância que condena o ex-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), por 98 anos, 11 meses e 11 dias de prisão pelos crimes de corrupção passiva, corrupção ativa, organização criminosa e lavagem de dinheiro. 

Na peça condenatória, Bretas escreveu de forma moralista que “a culpabilidade é elevada, pois Luiz Fernando Pezão foi um dos principais agentes nos esquemas ilícitos perscrutados nestes autos e assim agiu valendo-se dos cargos de confiança em que ocupou no Governo Cabral, bem como da autoridade conquistada pelo apoio de vários milhões de votos que lhe foram confiados ao elegê-lo para vice-governador e governador. Mercantilizou a funções públicas obtidas meio da confiança que lhe foi depositada pelos cidadãos do Estado do Rio de Janeiro, razão pela qual a sua conduta deve ser valorada com maior rigor do que a de um corrupto qualquer”.

Além de Pezão, que foi condenado pela primeira vez no âmbito da Lava Jato no Rio de Janeiro, Bretas condenou outros dez em primeira instância, incluindo o ex-governador Sérgio Cabral (MDB). Já Pezão, deve seguir em liberdade até o trânsito em julgado da ação.

A apuração que culminou no processo contra Pezão foi aberta baseada na colaboração premiada de Carlos Miranda, apontado como operador financeiro de Cabral. Na denúncia apresentada à Justiça, o Ministério Público Federal acusou Pezão de receber dinheiro sujo por fazer parte de um esquema de corrupção liderado por Cabral.

O MPF também alegou que entre 2007 a 2014, Sérgio Cabral pagou uma espécie de mesada no valor de R$ 150 mil mensais ao seu afilhado político, ou seja, o próprio Pezão. Na peça acusatória foi citada até mesmo um suposto pagamento de 13º salário. O emedebista também foi acusado de receber mais de R$ 11 milhões da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), entre junho de 2014 e junho de 2015.

Considerado o “Moro carioca”, o juiz Marcelo Bretas foi recentemente delatado por um advogado que assinou um acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República onde afirma que o juiz vende sentenças.

Na reportagem bomba publicada pela revista Veja, o criminalista também afirma que Bretas não é um magistrado imparcial, e que se age como policial, promotor e juiz ao mesmo tempo.

O advogado acusa Bretas de negociar penas, orientar advogados, perseguir réus, combinar estratégias com o Ministério Público, direcionar acordos, pressionar investigados, manobrar processos e até mesmo usar seu poder para influenciar eleições.

Confira os detalhes clicando aqui.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

carlos

06 de junho de 2021 às 09h27

Em várias oportunidades elogiei aqui no blog, o trabalho do juiz , até que no crime do auxílio moradia ele deu uma derrampada, entrou na justiça requerendo o benefício para sua esposa, ambos morando sob o mesmo teto próprio e no local aonde trabalhavam, isso me levou a mudar de conceito sobre o referido juiz, depois veio o episódio do Cabral, em que ele teria negócio com venda de jóias com a família, aí deu no que deu, mas um juiz desmoralizado que não tem moral pra acusar uma galinha.

Responder

Daniel

05 de junho de 2021 às 15h48

Pezão e o que estava no palanque com Lula e Cabral alguns anos atrás fazendo campanha para Dilma ?

Responder

Bandoleiro

05 de junho de 2021 às 12h03

Esse “adevogado” tà tentando surfar na onda do que aconteçeu no STF com Moro para ganhar algo mais dos seus cleintes.

Responder

Deixe um comentário