Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Grupo Prerrogativas faz live com Barroso, OAB e Kakay sobre voto impresso

Por Redação

29 de junho de 2021 : 07h54

No último sábado, 26, o Grupo Prerrogativas em parceria com a TVT promoveram uma live com o ministro do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, e o advogado criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro (Kakay).

O tema do evento foi “voto impresso, a cloroquina eleitoral” e também contou com a participação do presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB/SP, Hélio Silveira.

Durante a transmissão, Barroso defende a segurança das urnas eletrônicas e fala sobre a desnecessidade e os riscos da implementação do voto impresso no Brasil, atualmente objeto de uma PEC na Câmara dos Deputados.

Segundo ele, esse tema cria um “problema que o país atualmente não tem“.

“Vão pedir recontagem. Vai dar defasagem entre os votos. Vão questionar e judicializar com pedido de fraude. Na recontagem, vai sumir voto, aparecer voto. Isso tudo vai diminuir a segurança”. O magistrado também acredita que o voto impresso gera um risco ao sigilo do voto. “Em partes do país isso pode significar o risco de vida”, lembrou.

Assista a live na íntegra!

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

marco

30 de junho de 2021 às 19h18

Barroso, aquele cujo CPF aparece na lista do Banestado ?
Credibilidade ZERO !!!

Responder

Luan

29 de junho de 2021 às 13h22

Esse ativismo judicial precisa para no Brasil.

Responder

Deixe um comentário