Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Mídia esnoba Boletim Focus sobre inflação

Por Miguel do Rosário

15 de novembro de 2011 : 16h06

No front econômico, a única observação que tenho a fazer sobre a nossa mídia é que, novamente, ela deu enorme destaque a deterioração da situação européia, e deixou em segundo plano uma notícia de grande valor para a economia brasileira, a saber, a estimativa de que a inflação irá ficar sob controle até o final do ano. A informação consta do Boletim Focus, do Banco Central, divulgado ontem, onde se projeta a inflação em 2011 em 6,48%, abaixo do limite máximo estipulado pelo próprio governo, de 6,50%.

O Globo, apesar de não dar nada na capa, ao menos fez o infográfico acima, que é bonitinho e informativo.

O Estadão chegou a dar a manchete para as dores européias, e nenhuma citação discreta à grande vitória econômica obtida pelo Brasil no campo da inflação.

Um potencial descontrole inflacionário tem sido o calcanhar de aquiles da economia brasileira. Todos os outros indicadores vinham apresentando bons resultados: desemprego, superávit fiscal, até mesmo o crescimento do PIB, embora modesto este ano, está dentro de um quadro positivo, porque bem distribuído, com estados ricos crescendo menos, pobres crescendo mais, reduzindo a desigualdade. Só mesmo a inflação dava dor de cabeça às autoridades econômicas e aos formuladores de politicas sociais, pois, de fato, ela é a maior inimiga do pobre. Se para a classe média, não faz muita diferença pagar 50 centavos a mais num quilo de feijão, para uma família muito pobre isso pode significar uma queda nutritiva e consequências trágicas.

A razão para essa má vontade em dar uma notícia boa e importante talvez se origine no fato de que ela revela que o Banco Central estava certo em reduzir os juros, na contramão do que pensavam os analistas consultados pelos grandes jornais.

O Estadão chegou a publicar, no último sábado, um editorial com o sugestivo título: A eventual elevação da taxa de juros pode ser útil

Pois bem, ainda bem que o BC não ouviu esses especialistas, visto que um aumento nas taxas básicas de juros corresponde a jogar no ralo dezenas de bilhões de reais. Nessa questão dos juros, felizmente, empresários e trabalhadores tem a mesma opinião:

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, o movimento de redução do juro deve ser intensificado.

“Meio ponto porcentual corresponde a uma economia de R$ 8,5 bilhões aos cofres públicos, valor suficiente para construir 10 mil escolas ou 150 mil casas populares. Por isso os juros precisam continuar caindo”, afirmou, em nota divulgada há pouco. “A Fiesp espera que, nas próximas reuniões do Copom, a autoridade monetária acentue o movimento de redução dos juros, conforme o desejo de toda a sociedade brasileira.”

Separei ainda alguns links legais com notícias econômicas:

BB começa a afrouxar juros, blog Projeto Nacional
No balanço da balança comercial,  idem
Economista do BNDES fala de tendência de inflação, vídeo Conta Corrente, Globonews
Cenário atual é favorável a Selic abaixo de 10% em 2012, Valor

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Anônimo

22 de agosto de 2015 às 19h34

AHAHAHAHAHA neste dia 22 de Agosto de 2015 vejo q vcs estão mais por fora do q casco de navio… kkkkkk

Responder

baixadacarioca

15 de novembro de 2011 às 16h34

Sobre essa questão a velha mídia também aposta nos oportunistas de plantão que se fiam nesse porcalismo e aproveita para reajustar valores – muito comum para os supermercados – e, assim, provocar um arremedo inflacionário. Nesses últimos meses carne, leite e cerveja tiveram um substancial aumento de preços, mas nada que interfira substantivamente nos índices de inflação.

Responder

Paulão

15 de novembro de 2011 às 16h12

A oposição midiatica e politica torcem para que a crise chegue por aqui

Responder

Deixe um comentário

Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro Janela Partidária 2022: Quem ganhou, quem perdeu? Caro? Gasolina, Gás e Diesel: A atual política de preços da Petrobrás As Maiores Enchentes do Brasil