Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Análise dos números do CNI-Ibope

Por Miguel do Rosário

17 de dezembro de 2011 : 01h24

A pesquisa CNI Ibope, divulgada hoje, oferece um farto material ao analista, e o que é melhor, livre da interpretação da mídia, pois podemos acessar diretamente as fontes. Aproveitando essa oportunidade, peguei os números e fiz uma qualificação das estatísticas, de maneira a podermos extrair quadros mais reveladores da situação política.

Por exemplo, na página 19 do relatório, há uma relação dos assuntos mais lembrados sobre o governo Dilma, com os respectivos percentuais. Eu aglomerei as respostas e eliminei as nulas e as indiferentes. O quadro final ficou assim:

 

Essa é uma estatística que permite uma visão mais qualificada sociologicamente do que a formada pela pergunta sobre a percepção do noticiário. As pessoas respondem favorável ou desfavorável de maneira subjetiva e instável, enquanto a lembrança das últimas notícias consiste num processo psicológico bem mais isento e transparente. Quer dizer, a pessoa responde que a notícia mais lembrada é sobre queda de ministros, e mesmo assim assim que o noticiário tem sido favorável ao governo, porque não entende, necessariamente, a publicação de uma denúncia contra um ministro como uma postura “desfavorável” ao governo. Para ele, a imprensa está apenas fazendo justiça, e até ajudando o governo a se livrar de um estorvo. O que algumas vezes é verdade.

Outra tabela importante, que eu intervi graficamente de maneira sutil, apenas para estreitá-la e deixá-la mais apresentável, traz dados segmentos por renda familia que nos oferecem um excelente quadro para analisar as graduações sócio-políticas dentro da estrutura de classes do país.

 

 

Vamos elencar alguns pontos curiosos da tabela acima:

  • Dilma é mais forte nas pontas sociais: entre os muito pobres e os muito ricos. Entre os mais pobres (até 1 salário), 73% acham

Fiz um gráfico só com as respostas de quem acha o governo Dilma “bom”, que ilustra bem o quadro:

 

 Outro fato curioso é que, na comparando aos resultados de setembro, a desaprovação de Dilma Rousseff, mesmo com toda a propaganda negativa na mídia, caiu justamente entre aqueles mais informados, que supostamente são as classes mais altas.
A desaprovação entre os que ganham mais de 10 salários caiu de 32% para 26%. Cresceu apenas marginalmente entre os que ganham de 5 a 10 salários, subiu um bucado entre a turma que aufere 1 a 2 salários e, por fim, declinou substancialmente junto aos barnabés que ganham até 1 salário.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Miguel do Rosário

17 de dezembro de 2011 às 17h33

Valeu Tales, a tabela maior, com segmentação por renda, estava estourando na lateral. Eu ajustei.

Vou tentar melhorar na próxima.

Abs

Responder

Tales de Deus Diniz

17 de dezembro de 2011 às 15h40

Boas análises, só acho que os gráficos ficaram um pouco confusos.

Responder

Deixe um comentário