Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Divisão da matriz energética brasileira

Por Miguel do Rosário

20 de dezembro de 2011 : 08h43

Em matéria publicada hoje na Folha sobre um leilão de usinas eólicas em São Paulo, foram publicados gráficos e dados sobre a matriz energética nacional que gostaria de reproduzir aqui. Eles facilitarão entendermos um pouco melhor essa questão, que é estratégica para o desenvolvimento brasileiro, mas que é vítima de muita desinformação por conta da briga dos lobbies a favor e contra a construção de usinas hidrelétricas, em especial a de Belo Monte.

Maurício Tolmasquim, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), observa que o preço da geração eólica pode cair, mas as hidrelétricas são insubstituíveis. “As hidrelétricas convivem sem as eólicas, mas as eólicas não podem presdincidr das hidrelétricas”, diz Tolmasquim. Ele acrescenta que a base da geração no Brasil é hídrica e continuará a ser. Hoje, instalado no Brasil, há 112,3 mil MW, entre todas as fontes, sendo 68,5% de hidrelétricas, 25,65% térmicas, e somente 0,82% eólicas. Parece claro, portanto, que o principal esforço nacional deve ser no sentido de reduzir a participação das térmicas, que são poluentes.

 

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário