Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Pessimismo na indústria?

Por Miguel do Rosário

06 de janeiro de 2012 : 12h49

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

Como era de se esperar, a maior parte da imprensa procurou explorar apenas os aspectos negativos dos números da produção industrial divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira. Os editores do Globo, por exemplo, depois de examinar a questão sob todos os ângulos, encontrou o pior gráfico e a pior manchete que poderia fazer.

[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

É como eu venho dizendo. O leitor comum, ao se deparar com a manchete, “indústria quase parada”, pensa em fábricas vazias, desemprego em alta, máquinas desligadas. Não é isso o que os números dizem. A produção industrial de novembro cresceu 0,3% sobre outubro e 0,6% sobre novembro do ano anterior. É um índice de variação. Se uma fábrica produziu dez milhões de geladeiras em 2010, esse ano produziu 10 milhões e alguma coisa. As fábricas seguem operando a todo vapor.

A produção de veículos, por exemplo, bateu recorde um recorde histórico em 2011, atingindo 3,4 milhões de unidades. Este aumento foi menor do que o projetado pelo setor, segundo a imprensa. Este assunto também foi colocado no microondas do mal para que parecesse negativo e pessimista. Ora, de fato, houve aumento da venda de importados. Mas esse também é um fato positivo, que mostra o aumento do poder aquisitivo do brasileiro, e que obrigará as montadoras a produzir carros melhores no país para que o consumidor nacional não se sinta inclinado a comprar um produto estrangeiro. A vendas de carro em 2011 cresceram 3,4% sobre o ano passado, que como todos sabem foi um ano de extraordinário otimismo e crescimento econômico. Foram 3,63 milhões de automóveis vendidos no ano passado, contra 3,51 milhões em 2010. O Globo diz que a indústria esperava vender 3,69 milhões de unidades. Por conta dessa pequena variação entre a expectativa do setor e a realidade, o Globo deu o título à matéria: Fabricação de veículos decepcionou.

Admito que a coluna de Celso Ming, no Estadão, quase abalou meu humor hoje pela manhã. Gosto do Ming, mas hoje ele falou besteira. Ele tenta vender uma tese absurda:

Em vez de impulsionar o mercado interno para produtos industrializados, o crescimento das classes médias no Brasil lhes cria um ambiente relativamente adverso.

Daí ele começa a elocubrar sobre o aumento dos gastos da classe média com serviços, em vez de comprar uma geladeira nova:

Mas só compram uma geladeira a cada dez anos e trocam de carro a cada quatro; e, se têm computador em casa, só adquirem um modelo mais avançado depois que o que têm fica lento demais.

Ora, qual a base estatística para Ming afirmar esse tipo de coisa? Nenhuma. De um tempo para cá, os jornalistas econômicos começaram a vender a tese de que o aumento da renda do brasileiro prejudica a indústria brasileira, o que é um absurdo lógico.

Felizmente, um outro editorial do mesmo Estadão traz uma informação que eu mesmo não tinha examinado em maior detalhe. Pena que é um editorial escondido na página B2. Trecho:

Mas, talvez, o fato mais importante é a evolução da produção de bens de capital, que, em valor dessazonalizado, apresentou crescimento de 1,6%, e, em valores absolutos, acusou aumento de 15,06% em relação a novembro do ano anterior para equipamentos com fins industriais, o que parece indicar uma inclinação da indústria para voltar a investir na produção ou na modernização, o que permite pensar que a atividade industrial em 2012 poderá reagir, depois de um ano muito ruim como foi 2011.

Eu fui conferir no site do IBGE, e é isso mesmo. A produção de bens de capital para fins industriais cresceu 15% em novembro de 2011, sobre igual período do ano passado. É mais um número que reforça a tese de que a relativa estagnação de alguns setores industriais é um fenômeno circunstancial, e não reflete nenhuma tendência de desindustrialização. A prova está na produção de bens de capital, a qual revela que, com crise mundial e tudo, há investimentos pesados na ampliação de fábricas e construção de novas unidades.
[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina