Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Toyota inaugura terceira fábrica no país

Por Miguel do Rosário

10 de agosto de 2012 : 09h52

Parece que não contaram aos acionistas da Toyota que o Brasil vive um processo de “desindustrialização”…

Com produção de compacto Etios em Sorocaba (SP), montadora pretende dobrar vendas no Brasil em dois anos

Nova unidade inicia produção com capacidade de 70 mil veículos, mas pode chegar a até 400 mil

DA FOLHA
MARÍLIA ROCHA
ENVIADA ESPECIAL A SOROCABA

A Toyota inaugurou ontem em Sorocaba (SP) sua terceira fábrica no Brasil, onde produzirá o Etios, primeiro automóvel compacto da empresa.

O modelo faz parte da estratégia da montadora de dobrar as vendas no país em dois anos.

Com uma participação de mercado próxima de 3% hoje, a empresa vende cerca de 100 mil unidades por ano no Brasil.

A Toyota investiu cerca de R$ 600 milhões na construção do projeto de Sorocaba. A capacidade de produção é de 70 mil unidades por ano, mas pode chegar a 400 mil veículos por ano.

A fábrica deve gerar 1.500 empregos diretos e outros 1.500 em empresas da cadeia produtiva.

O Etios começará a ser produzido em setembro e custará entre R$ 35 mil e R$ 45 mil. O índice de nacionalização será de 65% no início.

A estimativa, no entanto, é que 85% dos componentes sejam nacionais até 2015, quando será inaugurada a fábrica de motores da Toyota em Porto Feliz (SP).

O investimento na nova unidade, de R$ 1 bilhão, foi anunciado na quarta-feira pelo presidente mundial da Toyota, Akio Toyoda, após reunião com a presidente Dilma Rousseff.

Segundo Luiz Carlos Andrade Júnior, vice-presidente sênior da Toyota no Mercosul, a estimativa da empresa é de trabalhar com alíquota cheia de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), sem considerar possíveis estímulos ao consumo por parte do governo.

De acordo com a montadora, no encontro com Dilma, em Brasília, não foi discutido se haverá ampliação do IPI reduzido.

SEM CRISE

Presente no evento de inauguração, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, disse que a nova fábrica é um indício de que a economia do Brasil vai continuar crescendo.

“É uma resposta concreta àqueles que acham que a crise internacional vai nos atingir com força e cercear o crescimento. Não vai. Enquanto no resto do mundo vemos fábricas fechando, aqui no Brasil, elas continuam abrindo”, afirmou.

Segundo o diretor-sênior para a América do Sul da Toyota Motor Corporation, Hank Inoue, a empresa prevê que o Brasil vai continuar crescendo, especialmente em razão de eventos como a Copa do Mundo.

Em 2015, a Toyota estima que o Brasil ultrapasse o Japão no consumo de veículos.

Para o governador Geraldo Alckmin (PSDB), a inauguração é uma “prova de confiança” no Brasil e no Estado de São Paulo.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

proletario

30 de agosto de 2012 às 03h23

Com taxa de lucra 3x maior que nos países de origem, tem mais
é que vir pra cá :(

Responder

wepiana@gmail.com

11 de agosto de 2012 às 09h12

ouvi ontem na @radioitatiaia que no Brasil, a industria, teve crescimento NEGATIVO pelo 4º mes consecutivo.
E aí?

Responder

    admin

    11 de agosto de 2012 às 11h57

    O emprego industrial, não a indústria. A indústria voltou a crescer em junho. O emprego industrial caiu 0,2%, queda insignificante. E infelizmente algo natural diante da contínua tendência à robotização.

    Responder

Deixe um comentário