Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Inglaterra aprova regulação da imprensa

Por Miguel do Rosário

31 de outubro de 2013 : 14h37

Nesta semana, Argentina e Inglaterra aprovaram integralmente leis que regulam a atividade da mídia. Na Argentina, a Justiça deu aval a um conjunto de leis sobre o audiovisual, com foco na desconcentração da mídia. Na Inglaterra, onde não há tanta concentração, o objetivo foi sobretudo proteger a privacidade dos cidadãos.

Leis de mídia e imprensa em países democráticos não são para cercear a atividade da imprensa, e sim para defender cidadão e sociedade do abuso de poderosos grupos midiáticos. A mídia contemporânea não é isenta, ponto. Ela é um poder político e financeiro, usado descaradamente para influenciar eleições, manipular a economia e, em alguns casos, promover vendetas políticas contra os adversários dos proprietários do jornal ou canal de tv.

Uma democracia não pode ser chamada por esse nome se há desequilíbrio no controle da informação. A imprensa corporativa sataniza o Estado, porque deseja um mundo em que ela e seus patronos financeiros exerçam um poder absoluto. É uma guerra de interesses. O Estado democrático – não o confundir com governo – não é perfeito, mas é uma instituição medida pelo sufrágio universal e pelo escrutínio constante da sociedade. O Estado moderno ocidental tem obrigação de ser transparente. A mídia privada, não.

Vale observar que a Inglaterra tem uma tradição secular de liberdade de imprensa e proteção dos direitos civis (ao menos, dentro de casa). O país possui grande diversidade de jornais, revistas e canais de TV, a começar pelo mais extraordinário canal público do mundo, a BBC, que conta com financiamento independente do governo.

Essa lei, portanto, servirá mais para proteger cidadãos de invasão de privacidade, enquanto que uma regulamentação da mídia  no Brasil serviria, antes de tudo, para proteger a sociedade de manipulação política e dano cultural causada pela existência de oligopólios.

Leia abaixo, trecho de notícia sobre a aprovação de nova lei para imprensa no Reino Unido.
No Opera Mundi.

Rainha aprova novo mecanismo regulador de imprensa no Reino UnidoJornais e revistas britânicos se opõem a sistema, alegando que não deveria haver participação política

A rainha Elizabeth II, do Reino Unido, deu nesta quarta-feira (30/10) seu aval para um novo marco regulador da imprensa britânica, apesar de esforços dos jornais locais em sentido contrário. A monarca foi apoiada pelos três maiores partidos políticos do país em uma reunião com seu conselho privado.

A reunião ocorreu depois que o Tribunal de Londres e o Tribunal de Apelações recusaram uma tentativa legal de jornais e revistas britânicos para impedir sua realização. O documento, denominado Carta Real, cria um “cão de guarda” para vigiar um novo e poderoso regulador da imprensa escrita.

As empresas de mídia estão livres para incorporar o novo sistema de regulação ou ficar fora dele. Ministros argumentam que o novo organismo oferece o melhor caminho a ser seguido pela indústria, enquanto impede a regulação legal completa. Entretanto, muitos veículos de imprensa se opõem ao projeto, afirmando que não deveria haver participação de políticos no sistema.

Um porta-voz do Departamento de Cultura, Mídia e Esportes britânico afirmou que, “com base no parecer do governo, o Conselho Privado aceitou a Carta Real elaborada pelos partidos”. “Tanto a indústria quanto o governo concordam que a autorregulação independente é o melhor caminho a seguir. A questão que permanece é como isso vai funcionar na prática; nós vamos continuar a trabalhar com a imprensa, como sempre fizemos”.

A questão da regulação da imprensa voltou à tona no Reino Unido depois do escândalo envolvendo grampos telefônicos no tabloide News of the World, do magnata Rupert Murdoch. Hoje, três ex-repórteres do jornal declararam-se culpados no tribunal.

misinformation_highway_sjpg334

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Atreio

23 de dezembro de 2016 às 15h12

quase tivemos a nossa….dilma chegou a colocar pra frente….mas o bonde dos parça deciciu q era melhor segurar e ‘tirar ela pra botar miSHELL’ e o resto tamo vendo: o brasil suicidando-se pelas mãos de gestores canalhas, se protegendo e se ajudando a enriquecer.
bom q são tolos, não são capazes, nem cultos ou possuem referências de qualidade. adversários fáceis. tombarão em breve.

só assoprar q cai. não levará 21 anos de novo.

Responder

Pedro Elias Kari

01 de novembro de 2013 às 16h24

Pois é Bruno BK. Tem uma turma na mídia brasileira tremendo nas bases com isso, até mesmo porque não vão poder dizer que Bebete de Windsor é bolivariana, né? Ou será que vão? Para eles tudo é possível. Por isso Lei dos Meios já nessa turma!!!!

Responder

Bruno BK

01 de novembro de 2013 às 16h21

Pedro Elias Kari

Responder

Aluizio Matias Santos

31 de outubro de 2013 às 20h20

Na Inglaterra, na Europa pode, mas no Brasil e América Latina, não? Por que???

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?