Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Cunha defende mais diversidade na mídia

Por Miguel do Rosário

07 de outubro de 2015 : 15h25

O título é um pouco forçado e levemente irônico, mas verdadeiro.

Eduardo Cunha, num congresso patrocinado por SBT e Globo, os dois canais mais reacionários do país, se posicionou (claro!) contra a regulamentação da mídia, mas deixou, involuntariamente, escapar uma frase ambígua.

“Para má imprensa, mais imprensa”, disse Cunha.

Ora, para haver mais imprensa é preciso combater o monopólio.

O principal entrave hoje no setor audiovisual é o poder descomunal de dois ou três canais de TV, um poder herdado do regime autoritário, e que precisa ser revisto para que tenhos uma imprensa mais plural.

A frase de Cunha também pode ser interpretada assim: se para a má imprensa, é preciso mais imprensa, então os meios públicos deveriam investir em vozes alternativas ao monopólio. Não me refiro apenas ao governo federal, mas a todas as instâncias públicas, incluindo aí o Judiciário, o Ministério Público, o TSE, etc, que precisam adotar critérios mais democráticos na hora de fazer seus anúncios institucionais.

Para a má imprensa, mais imprensa.

Ou seja, para a má imprensa, mais blogs, mais jornais com visão diferente.

Valeu, Cunha.

***

Na Agência Câmara.

Cunha critica proposta de regulamentação da mídia e defende flexibilização da Voz do Brasil

Cunha: “Para a má imprensa, mais imprensa. Qualquer tentativa de calar a mídia por regulamentação tem que sofrer repulsa”

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, criticou hoje, durante o 27º Congresso Brasileiro de Radiodifusão, propostas de restrição da publicidade em emissoras de rádio e TV e de regulamentação da mídia. O evento é promovido pela Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).

O presidente da Câmara afirmou que é contra qualquer iniciativa de regular a mídia e que não vê maioria na Casa para aprovar propostas dessa natureza. “Para a má imprensa, mais imprensa. Qualquer tentativa de calar a mídia por regulamentação tem que sofrer repulsa”, disse Cunha.

Provocado por uma pergunta da plateia, Eduardo Cunha ainda comentou o modelo de regulação da mídia anunciado pelo PT. “É mais um projeto de poder. Para se manter no poder é preciso controlar a comunicação. Ter uma política de comunicação controlada, facilita para você manter ostatus quo”, declarou.

Voz do Brasil

O presidente da Câmara também defendeu, durante o Congresso, a flexibilização do horário da Voz do Brasil e o diploma de jornalista.

Segundo Eduardo Cunha, flexibilizar o horário do programa irá permitir que ele possa ser veiculado em qualquer horário entre 19 e 22 horas. Atualmente, a Voz do Brasil vai ao ar sempre às 19 horas, com duração de uma hora.

“Da minha parte, pretendo votar”, afirmou Cunha, lembrando que, para ser incluído na pauta, é necessário que o Plenário aprove um requerimento de urgência. “Ao contrário do que pensam, que é ruim, acho que quando se tem conteúdo acaba tendo audiência. É uma visão equivocada”, disse sobre a Voz do Brasil.

Com informações da Agência Câmara

Foto (trecho): Alex Ferreira.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina