Live com Marcio França, pré-candidato a prefeitura de São Paulo

The real reason Dilma Rousseff’s enemies want her impeached

Por Redação

21 de abril de 2016 : 19h15

by David Miranda, The Guardian

he story of Brazil’s political crisis, and the rapidly changing global perception of it, begins with its national media. The country’s dominant broadcast and print outlets are owned by a tiny handful of Brazil’s richest families, and are steadfastly conservative. For decades, those media outlets have been used to agitate for the Brazilian rich, ensuring that severe wealth inequality (and the political inequality that results) remains firmly in place.

Indeed, most of today’s largest media outlets – that appear respectable to outsiders – supported the 1964 military coup that ushered in two decades of rightwing dictatorship and further enriched the nation’s oligarchs. This key historical event still casts a shadow over the country’s identity and politics. Those corporations – led by the multiple media arms of the Globo organisation – heralded that coup as a noble blow against a corrupt, democratically elected liberal government. Sound familiar?

For more than a year, those same media outlets have peddled a self-serving narrative: an angry citizenry, driven by fury over government corruption, rising against and demanding the overthrow of Brazil’s first female president, Dilma Rousseff, and her Workers’ party (PT). The world saw endless images of huge crowds of protesters in the streets, always an inspiring sight.

But what most outside Brazil did not see was that the country’s plutocratic media had spent months inciting those protests (while pretending merely to “cover” them). The protesters were not remotely representative of Brazil’s population. They were, instead, disproportionately white and wealthy: the very same people who have opposed the PT and its anti-poverty programmes for two decades.

Slowly, the outside world has begun to see past the pleasing, two-dimensional caricature manufactured by its domestic press, and to recognise who will be empowered once Rousseff is removed. It has now become clear that corruption is not the cause of the effort to oust Brazil’s twice-elected president; rather, corruption is merely the pretext.

Rousseff’s moderately leftwing party first gained the presidency in 2002, when her predecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, won a resounding victory. Due largely to his popularity and charisma, and bolstered by Brazil’s booming economic growth under his presidency, the PT has won four straight presidential elections – including Rousseff’s 2010 election victory and then, just 18 months ago, her re-election with 54 million votes.

The country’s elite class and their media organs have failed, over and over, in their efforts to defeat the party at the ballot box. But plutocrats are not known for gently accepting defeat, nor for playing by the rules. What they have been unable to achieve democratically, they are now attempting to achieve anti-democratically: by having a bizarre mix of politicians – evangelical extremists, far-right supporters of a return to military rule, non-ideological backroom operatives – simply remove her from office.

Indeed, those leading the campaign for her impeachment and who are in line to take over – most notably the house speaker Eduardo Cunha – are far more implicated in scandals of personal corruption than she is. Cunha was caught last year with millions of dollars in bribes in secret Swiss bank accounts, after having falsely denied to Congress that he had any foreign bank accounts. Cunha also appears in the Panama Papers, working to stash his ill-gotten millions offshore to avoid detection and tax liability.

It is impossible to convincingly march behind a banner of “anti-corruption” and “democracy” when simultaneously working to install the country’s most corruption-tainted and widely disliked political figures. Words cannot describe the surreality of watching the vote to send Rousseff’s impeachment to the Senate, during which one glaringly corrupt member of Congress after the next stood to address Cunha, proclaiming with a straight face that they were voting to remove Rousseff due to their anger over corruption.

As the Guardian reported: “Yes, voted Paulo Maluf, who is on Interpol’s red list for conspiracy. Yes, voted Nilton Capixaba, who is accused of money laundering. ‘For the love of God, yes!’ declared Silas Camara, who is under investigation for forging documents and misappropriating public funds.”

But these politicians have overplayed their hand. Not even Brazil’s Masters of the Universe can convince the world that Rousseff’s impeachment is really about combating corruption – their scheme would empower politicians whose own scandals would be career-ending in any healthy democracy.

A New York Times article last week reported that “60% of the 594 members of Brazil’s Congress” – the ones voting to impeach Rousseff – “face serious charges like bribery, electoral fraud, illegal deforestation, kidnapping and homicide”. By contrast, said the article, Rousseff “is something of a rarity among Brazil’s major political figures: she has not been accused of stealing for herself”.

Last Sunday’s televised, raucous spectacle in the lower house received global attention because of some repellent (though revealing) remarks made by impeachment advocates. One of them, prominent rightwing congressman Jair Bolsonaro – widely expected to run for president and who a recent poll shows is the leading candidate among Brazil’s richest – said he was casting his vote in honour of a human-rights-abusing colonel in Brazil’s military dictatorship who was personally responsible for Rousseff’s torture. His son, Eduardo, proudly cast his vote in honour of “the military men of ’64” – the ones who led the coup.

Until now, Brazilians have had their attention exclusively directed towards Rousseff, who is deeply unpopular due to the country’s severe recession. Nobody knows how Brazilians, especially the poor and working classes, will react when they see their newly installed president: the pro-business, corruption-tainted nonentity of a vice-president who, polls show, most Brazilians want impeached.

Most volatile of all, many – including the prosecutors and investigators who have led the corruption probe – fear that the real plan behind Rousseff’s impeachment is to put an end to the ongoing investigation, thus protecting corruption, not punishing it. There is a real risk that once she is impeached, Brazil’s media will no longer be so focused on corruption, public interest will dissipate, and the newly empowered faction in Brasilia will be able to exploit its congressional majorities to cripple that investigation and protect themselves.

Ultimately, Brazil’s elite political and media classes are toying with the mechanics of democracy. That’s a dangerous, unpredictable game to play anywhere, but particularly so in a very young democracy with a recent history of political instability and tyranny, and where millions are furious over their economic deprivation.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Bruno

23 de abril de 2016 às 00h44

porque ela é uma incompetente que obstrui a justiça?? haha

Responder

Bule Verde

22 de abril de 2016 às 08h27

#SenadoNãoNosRepresenta #STFNãoNosRepresenta #FimDasMúmiasDoSTF

#FimDoPolíticoProfissional #AquiGolpeNãoPassará #1964NuncaMais #STFDorminhoco

#DilmaFica #FicaQuerida #LutaContinua #aGlobodeveserdestruida #MundoContraOGolpe

#StopCoupInBrazil

AS MÚMIAS EMBALSAMADAS DO STF, FAZEM PAPEL DE LEÕES DE CHÁCARA DE UMA LEI RASGADA E VENCIDA . IMBECIS, DORMINHOCOS E AUTISTAS, MINISTROS DO STF COMPORTAM-SE COM MEDIOCRIDADE E HIPOCRISIA DIANTE DO GOLPE, SÓ PENSANDO EM PUXAR O $ACO DO PRÓXIMO PATRÃO.

Responder

    AZ Botelho Paiva

    22 de abril de 2016 às 21h47

    Eu vou te dizer uma coisa: Aqui no Brasil o único que me representa é o meu filho. Sabe porque? Porque eu passei uma procuração para ele me representar. Ti peguei hem!!!

    Responder

Vitor Sorenzi

22 de abril de 2016 às 08h14

O GOLPE (QUE FOI ORQUESTRADO PELA GLOBO) ESTÁ SENDO DESMASCARADO PELA MÍDIA MUNDIAL!!!
#DilmaaovivonaONU
*****************ATENÇÃO
DIVULGUEM ***************
HOJE A NBR TV IRA TRANSMITIR AO VIVO DILMA NA ONU, O EVENTO IRA INICIAR AS 9:30, e a presidenta será a terceira a falar, e como cada presidente tem 5 minutos, PORTANTO AVISEM A TODOS, SE POSSÍVEL VAMOS CRIAR A HASTAG
#DilmaaovivonaONU

Responder

Deise Quintiliano

22 de abril de 2016 às 00h59

#StopCoupInBrazil

Responder

Lirso Barizan

21 de abril de 2016 às 23h37

#SOSCOUPBRAZIL – “STOP COUP IN BRAZIL”. SOS Brazil.

Responder

Hercílio

21 de abril de 2016 às 23h15

O último parágrafo da matéria sintetiza bem o que está acontecendo.

“Ultimately, Brazil’s elite political and media classes are toying with the mechanics of democracy. That’s a dangerous, unpredictable game to play anywhere, but particularly so in a very young democracy with a recent history of political instability and tyranny, and where millions are furious over their economic deprivation.”

Em última análise, classes políticas da elite e meios de comunicação do Brasil estão brincando com a mecânica da democracia. Isso é um imprevisível jogo perigoso para se jogar em qualquer lugar, mas particularmente em uma democracia muito jovem, com uma história recente de instabilidade política e tirania, e onde milhões estão furiosos com sua privação econômica.

Responder

Eng Lino Moura

21 de abril de 2016 às 23h05

affeeee, q petismo esse que domina tudo! não deu pra traduzir esse texto! é uma preguiça! não adianta, com o tradutor do google fica difícil! isso é conspiração (rs) do cafezin e do google em não informar o povão. certeza (rs)

Responder

José X.

21 de abril de 2016 às 21h55

esse David Miranda (companheiro do Glen Greenwald) escreve muito bem!

só tenho um reparo no que ele escreveu, aparentemente ele (e provavelmente o Glen) não percebeu que a burocracia judiciária faz parte do golpe, como se nota no penúltimo parágrafo

“… many – including the prosecutors and investigators who have led the corruption probe – fear that the real plan behind Rousseff’s impeachment is to put an end to the ongoing investigation, thus protecting corruption, not punishing it….

quamdo ele menciona (não por nome) o pessoal da lava-jato, dizendo que eles estão preocupados que o golpe ponha fim às investigações, o que pode até acontecer, mas não pelas razões que ele imagina, embora eu acredite que eles NÃO vão parar enquanto não prenderem o Lula, e talvez outros membros importantes do PT, inclusive Dilma, para garantir a vitória do PSDB nas eleições presidenciais se 2018

sabe de nada, inocente

Responder

    curitibano

    21 de abril de 2016 às 22h47

    concordo com você

    Responder

    Alexandre Moreira

    21 de abril de 2016 às 23h12

    Não sei, mas acho que estão dando um último crédito antes que desmascarar definitivamente o judiciário. Vão esperar o julgamento do mérito.

    Responder

      Deise Quintiliano

      22 de abril de 2016 às 01h01

      Tb acho, só q vão continuar indeferindo tudo. É o Supremo Golpe!!!!

      Responder

      js

      22 de abril de 2016 às 01h26

      Tava a pensar com meus botões: os maiores culpados dessa insanidade é a omissão do STF:
      Para agradar a Gregos e Troianos q expuseram sua preferencia ao golpe de 64 e. para evitar o colapso da Republica, q tal um golpe no Judiciario? Instale-se a corte Suprema Militar na Praça dos Tres Poderes e joguem os togados no calabouço com data a ser determinada sem pressa no futuro.
      Julguem esses ladroes todos a toque de caixa e os condenem por lesa patria.
      A Dilma tendo culpa no cartório vai tbm. Nos não temos nossos ladroes de estimação, certo?
      Eu to vendo a soberania do Brasil sendo entregue aos estrangeiros nesse momento com a paralizacao da Angra 3 e do PROSUB a possível reversão do projeto Grippen em favor da Boeing, alem da entrega indiscriminada de aeroportos a empresas de fora, sem mencionar as comunicações, estradas e saúde. Ta tudo entregue as baratas.

      Responder

        Elton Silveira

        24 de abril de 2016 às 00h42

        Acho que é quase isso. O que acrescento é que todo o sistema politico brasileiro SEMPRE foi exatamente do jeito que a vazajato tenta apresentar de modo parcial, contaminado ideologicamente, com policiais federais e procuradores pegos fazendo campanha para o PSDB em 2014 (para Aécio, que apareceu várias vezes em delações e em Furnas, Correios, propinas de empreiteiras, etc). TODOS os partidos, sem exceção sempre fizeram uso de financiamento de empreiteiras, desde as prefeituras até os governos estaduais e federal, passando pelo Legislativo e Judiciário, nas obras próprias (lembram do juiz Lalau?). O próprio Moro tem em seu pai um fundador do PSDB e opositor fanático a tudo que se relaciona ao trabalhismo, além da própria esposa trabalhando para o partido. Pra mim tudo não passa de um golpe pra tomar de assalto o Estado brasileiro e entregar o que FHC não teve tempo de fazer. Se consumado, acaba tudo em pizza, exceto que enforcam ou no mínimo assassinam as reputações dos opositores ainda com chances políticas. NUNCA foi para combater corrupção, e a farsa vem martelada na mídia desde o chamado mensalão.

        Responder

Carlos Dias

21 de abril de 2016 às 20h37

o texto é o que temsop lido aqui todo tempo.. Nenhuma novidade

Responder

    José X.

    21 de abril de 2016 às 21h48

    mas saiu no Guardian, esta é a diferença…não que isso nos vá ajudar a lutar contra o golpe, mas pelo menos isso mostra que os países razoavelmente democráticos não vão comprar o discurso dos golpistas

    Responder

MANU

21 de abril de 2016 às 20h35

A verdadeira razão inimigos de Dilma Rousseff quer que ela cassado

por David Miranda, The Guardian

A história de crise política do Brasil, e a rápida mudança percepção global do mesmo, começa com a sua mídia nacional. emissoras de rádio e de impressão dominante no país são propriedade de um pequeno punhado de famílias mais ricas do Brasil, e são firmemente conservador. Durante décadas, esses meios de comunicação têm sido usados ??para agitar para os ricos do Brasil, garantindo que a desigualdade severa riqueza (e da desigualdade política que resulta) permanece firmemente no lugar.

Na verdade, a maioria dos maiores meios de comunicação de hoje – que aparecem respeitável para pessoas de fora – apoiou o golpe militar de 1964, que marcou o início de duas décadas de ditadura de direita e mais enriquecida oligarcas do país. Este evento histórico chave ainda lança uma sombra sobre a identidade e política do país. Estas corporações – liderados pelos braços múltiplos de mídia da organização Globo -heralded que golpe como um golpe nobre contra um governo liberal corrupto, democraticamente eleito. Isso soa familiar?

Por mais de um ano, esses mesmos meios de comunicação têm vendia uma narrativa auto-serviço: uma população com raiva, impulsionado pela fúria sobre a corrupção do governo, subindo contra e exigindo a derrubada do primeiro presidente do Brasil feminina, Dilma Rousseff, e do partido dos seus Trabalhadores ( PT). O mundo viu imagens infinitas de multidões de manifestantes nas ruas, sempre uma visão inspiradora.

Mas o que mais fora do Brasil não viu foi que a mídia plutocráticos do país tinha passado meses incitar esses protestos (enquanto finge apenas para “cover”-los). Os manifestantes não foram remotamente representativa da população do Brasil. Eles foram, em vez disso, desproporcionalmente branco e rico: as mesmas pessoas que se tenham pronunciado contra o PT e seus programas anti-pobreza para duas décadas.

Lentamente, o mundo exterior começou a ver além da caricatura agradável, bidimensional fabricado pela sua imprensa nacional, e reconhecer que será habilitada uma vez Rousseff é removido. Agora tornou-se claro que a corrupção não é a causa do esforço para derrubar o presidente duas vezes eleito do Brasil; em vez disso, a corrupção é apenas o pretexto.

partido moderadamente de esquerda de Dilma primeiro ganhou a presidência em 2002, quando seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, obteve uma vitória retumbante. Em grande parte devido à sua popularidade e carisma, e reforçada pelo crescimento da economia em expansão do Brasil sob sua presidência, o PT ganhou quatro eleições presidenciais retos – incluindo a vitória eleição 2010 de Dilma e, em seguida, apenas 18 meses atrás, sua re-eleição com 54 milhões de votos.

classe de elite do país e os seus órgãos de comunicação social têm falhado, mais e mais, em seus esforços para derrotar o partido nas urnas. Mas plutocratas não são conhecidos por gentilmente aceitar a derrota, nem para jogar pelas regras. O que eles têm sido incapazes de alcançar democraticamente, eles agora estão tentando alcançar anti-democraticamente: por ter uma mistura bizarra de políticos – extremistas evangélicos, apoiadores de extrema-direita de um retorno ao regime militar, agentes de bastidores não-ideológicos – simplesmente removê-la do cargo.

Na verdade, aqueles que conduz a campanha para ela impeachment e que estão na fila para assumir – mais notavelmente o orador da casa Eduardo Cunha – são muito mais implicado em escândalos de corrupção pessoal do que ela é. Cunha foi capturado no ano passado com milhões de dólares em subornos em contas bancárias suíças secretas, depois de ter falsamente negado ao Congresso que ele tinha quaisquer contas bancárias estrangeiras. Cunha também aparece nos documentos de Panamá, trabalhando para esconder seus milhões ilícitos offshore para evitar a detecção e responsabilidade fiscal.

É impossível marchar de forma convincente por trás de uma bandeira do “anti-corrupção” e “democracia” quando se trabalha simultaneamente para instalar figuras políticas contaminado por corrupção e amplamente detestado a maioria do país. As palavras não podem descrever o surreality de observar a votação para enviar impeachment de Dilma para o Senado, durante o qual um membro do flagrantemente corruptos do Congresso após a próxima levantou-se para abordar Cunha, proclamando com uma cara séria que estavam votando para remover Rousseff devido à sua raiva sobre corrupção.

Como o Guardian relatou: “Sim, votou Paulo Maluf, que está na lista vermelha da Interpol por conspiração. Sim, votou Nilton Capixaba, que é acusado de lavagem de dinheiro. “Pelo amor de Deus, sim! ‘Declarada Silas Camara, que está sob investigação por falsificação de documentos e apropriação indevida de fundos públicos”.

Mas esses políticos ter exagerado a mão. Não Mestres do Universo, mesmo do Brasil pode convencer o mundo que o impeachment de Rousseff é realmente sobre o combate à corrupção – seu esquema seria capacitar os políticos cuja própria escândalos seria carreira-ending em qualquer democracia saudável.

Um artigo do New York Times na semana passada informou que “60% dos 594 membros do Congresso do Brasil” – aqueles que votaram pelo impeachment Rousseff – “enfrentar acusações graves, como suborno, fraude eleitoral, o desmatamento ilegal, sequestro e homicídio”. Por outro lado, disse o artigo, Rousseff “é algo de uma raridade entre as principais figuras políticas do Brasil: ela não tem sido acusado de roubar para si mesma”.

televisionado, espetáculo estridente do último domingo na Câmara recebeu a atenção mundial por causa de algum repelente (embora revelando) observações feitas pelos defensores do impeachment. Um deles, proeminente congressista de direita Jair Bolsonaro – amplamente esperado para concorrer à presidência, e que uma pesquisa recente mostra é o principal candidato entre Brasil do mais rico – disse que estava lançando seu voto em honra de um coronel nos direitos humanos abusam na ditadura militar no Brasil que foi pessoalmente responsável pela tortura de Rousseff. Seu filho, Eduardo, orgulhosamente seu voto em honra de “os militares de ’64” – aqueles que lideraram o golpe.

Em última análise, elite classes políticas e meios de comunicação do Brasil estão brincando com os mecanismos da democracia,

Até agora, os brasileiros tiveram sua atenção exclusivamente voltada para Rousseff, que é profundamente impopular devido à severa recessão do país. Ninguém sabe como os brasileiros, especialmente as classes pobres e trabalhadoras, vai reagir quando vêem seu presidente recém-instalado: o pró-negócios, nonentity contaminado por corrupção de um vice-presidente que, segundo as pesquisas, a maioria dos brasileiros quer impeachment.

Mais volátil de tudo, muitos – incluindo os promotores e investigadores que levaram a sonda de corrupção – temem que o plano real por trás impeachment de Dilma é colocar um fim à investigação em curso, protegendo assim a corrupção, e não puni-lo. Há um risco real de que uma vez que ela é acusado, a mídia do Brasil deixará de ser tão centrada em corrupção, o interesse público irá se dissipar, ea facção recém-habilitada em Brasília será capaz de explorar as suas maiorias no Congresso para paralisar essa investigação e se proteger.

Em última análise, elite classes políticas e meios de comunicação do Brasil estão brincando com a mecânica da democracia. Isso é um perigoso jogo imprevisível para jogar em qualquer lugar, mas particularmente em um muito jovem democracia, com uma história recente de instabilidade política e tirania, e onde milhões estão furiosos sobre a sua privação económica.

Google Tradutor para empresas:Google Toolkit de tradução para appsTradutor de sitesGlobal Market Fin

Responder

Fabio Rodrigues

21 de abril de 2016 às 19h58

Seria bom a tradução do texto, please….

Responder

Deixe uma resposta