Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Brasília- DF- Brasil- 18/11/2015- Entrega da Medalha Mérito Legislativo da Câmara dos Deputados 2015. Na foto, Agraciado, vice-presidente da República, Michel Temer. Foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados

Assembleia Constituinte numa hora dessas?

Por Theo Rodrigues

03 de maio de 2016 : 15h26

Foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados

por Theófilo Rodrigues

No imenso rol de péssimas ideias apresentadas como solução para o período imediatamente posterior ao impeachment a convocação de uma nova Assembleia Constituinte figura seguramente em primeiro lugar.

A ideia vem aparecendo cada vez com maior frequência nos debates de economistas ligados ao campo defensor do impeachment. O melhor exemplo talvez seja o de Samuel Pessoa, assessor econômico de Aécio Neves e um dos formuladores do programa de governo tucano em 2014. Pessoa vem defendendo há algum tempo a tese de que a origem da crise financeira estaria na Constituição de 1988. De acordo com o economista a Constituição garantiu direitos sociais demais que o Estado brasileiro não tem condições de manter. Em suas palavras, “o Estado de bem-estar e o nacional-desenvolvimentismo não cabem no Orçamento”.

Contudo, a tese de Pessoa não é aceita apenas pelo programa econômico de Aécio Neves. Em recente participação no programa GloboNews Painel comandado por William Waack, Samuel Pessoa e os demais participantes chegaram ao consenso: é preciso rever imediatamente a Constituição de 88.

A crítica à Constituição não é palavra jogada ao vento apenas em um programa de televisão. Em editorial do jornal O Globo de 14 de setembro de 2015 lemos o seguinte:

“Mas é preciso reconhecer o papel exercido pela Constituição de 1988 na quebra do país. O aspecto negativo da Carta deriva de uma visão ideológica de mundo por meio da qual ela foi redigida, com o Estado sendo colocado sobre a sociedade, no papel de uma espécie de tutor que concentraria o máximo das rendas da sociedade, extraídas por elevados impostos, com a finalidade de distribuí-las para mitigar a pobreza” (O Globo).

Esse é também o alicerce do já amplamente discutido programa de governo de Michel Temer, a “Ponte para o futuro”. Lá encontramos a flexibilização da CLT com o predomínio do negociado sobre o legislado, o fim das vinculações constitucionais com gastos em saúde e educação etc.

Que a revisão da Constituição de 88 faz parte do programa dos atores políticos que hoje defendem o impeachment e que assumirão o governo a partir de meados de maio, não há muitas dúvidas.

O que intriga é observar parcelas honestas da esquerda do espectro político defenderem essa mesma estratégia. De forma ingênua ignoram que a pressão popular não foi capaz de reverter a recente derrota na Câmara dos Deputados onde o governo não conseguiu obter nem 140 votos. Essa parcela da esquerda não percebe que, caso instalada, a Assembleia Constituinte enxugará os direitos sociais presentes na atual Carta Magna, além de aprofundar mecanismos pouco democráticos no sistema eleitoral como o voto majoritário, a cláusula de barreira e a volta do financiamento privado.

Em outras palavras, isso significa que um campo político que possui apenas 25% do Congresso Nacional estaria propondo a instalação de uma Assembleia Constituinte. A desconsideração da realidade concreta soa no mínimo absurdo. Ignorar que a correlação de forças no momento é amplamente desfavorável não parece um bom conselho. A não ser que estejam distribuindo títulos eleitorais para os médicos cubanos e não sabemos…

Theófilo Rodrigues é cientista político

Theo Rodrigues

Theo Rodrigues é sociólogo e cientista político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

luis gomes

04 de maio de 2016 às 09h06

“a Assembleia Constituinte enxugará os direitos sociais presentes na atual Carta Magna”. De nada adianta os direitos ficarem apenas no papel.

Responder

Fábio Brito

04 de maio de 2016 às 07h57

Ô Teofilo, os caras deram um GOLPE meu camarada, não percebeu? Rasgaram a Constituição.

Proponho, em meu blog, uma constituinte sim, mas não nos moldes conhecidos, mas uma, #AssembleiaNacionalPopularConstituinte.

Exclusivo! A trama internacional que sustenta o GOLPE NO BRASIL!!!

ESPIONAGEM, CHANTAGEM, AMEAÇAS, CRIMES!!!

O acovardamento do STF e toda a JUSTIÇA brasileira tem um porquê!

Parlamentares amedrontados, instituições neutralizadas, compra de votos, O SUBMUNDO DO GOLPE que nos atinge.

Como será o amanhã? Como reagiremos? Como impediremos o enredo já traçado?

Leiam em: LUZ, CÂMERA, AÇÃO!!! A HORA DO CONTRAGOLPE CHEGOU!!!

https://rebeldesilente.wordpress.com/2016/05/04/luz-camera-acao-a-hora-do-contragolpe-chegou/

Responder

Antonio Passos

03 de maio de 2016 às 18h28

Pera aí ! CONSTITUINTE exclusiva, para a Reforma Política, ELEITA apenas para isto, seria ESPETACULAR. Mas é claro que isto não viria deste congresso bandido.

Responder

YorkshireTea

03 de maio de 2016 às 16h35

Fora a cagada golpista de se falar em renúncia e antecipação das eleições presidenciais. Isso é golpe. Golpe defendido por oportunistas como PHA, Tereza Cruvinel, Roberto Requião e Paulo Paim, entre outros. Por que não estamos vendo críticas a essa vertente golpista? Só porque, aparentemente, são gente do nosso campo? Não são!

Responder

Des

03 de maio de 2016 às 16h32

“O que intriga é observar parcelas honestas da esquerda do espectro político defenderem essa mesma estratégia.”

Só até perceberem que a merda vai acontecer. Nada de intrigante, sempre foram assim.

Responder

Deixe um comentário