Audiência no Senado com presidente do Banco Central discute autonomia da instituição

O federalismo e a improvável unidade da esquerda em 2020

Por Theo Rodrigues

11 de setembro de 2019 : 14h45

Por Theófilo Rodrigues

Não obstante os recentes apelos de Flávio Dino, que foram repercutidos por Tarso Genro, Tatiana Roque e Márcia Tiburi, o fato é que uma unidade dos principais partidos da esquerda do espectro político nas eleições municipais de 2020 é ainda muito improvável.

O grande obstáculo para essa coalizão não é exatamente programático – não há diferenças irreconciliáveis entre PCdoB, PT, PSB, PDT e PSOL -, mas sim relacionadas às realidades políticas locais. O federalismo do sistema político brasileiro fala alto e a derrota da proposta de verticalização das candidaturas em 2006 foi um sinal disso.

Há dois tipos de dinâmicas locais que impedem a consolidação dessa ampla coalizão. Em alguns casos, há cidades em que os partidos são efetivamente adversários uns dos outros. É a situação de Aracaju, Recife e Fortaleza, por exemplo. Em outros, como não há nenhuma força consolidada que seja muito maior que as demais, os partidos são concorrentes na disputa pelo poder. É o que ocorre em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Além disso, há uma variável institucional que influenciará decisivamente as coalizões em 2020. A eleição do ano que vem será a primeira em que não será permitida coligações nas eleições proporcionais. Isso significa que os partidos terão que montar chapas próprias para as Câmaras Municipais. Nesse contexto, uma candidatura própria para a prefeitura pode alavancar a chapa de vereadores. Por essa razão a fragmentação de candidatos a prefeito deve aumentar em 2020.

Aracaju é exemplar de uma capital onde os partidos de esquerda possuem oposição acirrada. O prefeito Edvaldo Nogueira do PCdoB deverá contar com o apoio do PDT para sua reeleição. Já o PSB de Valadares Filho e o PSOL de Sonia Meire constroem a oposição ao seu governo. Na última eleição o PT indicou a vice-prefeita de Edvaldo, mas agora o partido avalia romper com o prefeito.

Em Recife, o diálogo na esquerda também não é dos melhores. A atual gestão da cidade conta com Geraldo Júlio do PSB como prefeito e Luciano Siqueira do PCdoB como vice. Em 2020, a chapa não poderá se repetir, já que Geraldo terminará seu segundo mandato. Para a sucessão o PSB estuda o nome do filho de Eduardo Campos, o deputado João Campos. O PCdoB mantém bom diálogo com o PSB no estado. Basta dizer que a presidenta nacional do partido Luciana Santos é também vice-governadora, ao lado do governador Paulo Câmara do PSB. Já o PT, que é oposição ao PSB em Pernambuco, pretende lançar a deputada Marília Arraes. Quem também pensa em uma candidatura é Tulio Gadelha do PDT. Uma possível chapa entre Arraes e Gadelha não é impossível.

Assim como em Pernambuco, no Ceará o prefeito da capital também termina em 2020 o seu segundo mandato. Muito próximo de Ciro Gomes, o prefeito Roberto Cláudio, do PDT, ainda não decidiu quem será o seu candidato para a sucessão. Há em Fortaleza um certo imbróglio. Embora o governador Camilo Santana, do PT, seja muito próximo do PDT, a deputada petista Luizianne Lins tem a intenção de disputar a prefeitura. O PSOL provavelmente lançará o deputado estadual Renato Roseno para a disputa da prefeitura.

Em Salvador, várias possíveis candidaturas do campo da esquerda já foram lançadas como Alice Portugal do PCdoB, Lídice da Mata do PSB e Nelson Pellegrino do PT. Mas todos esses partidos fazem parte do campo do governador Rui costa, o que pode facilitar uma unidade para 2020.

Em Porto Alegre, o PT de Maria do Rosário e Tarso Genro e o PSOL de Luciana Genro já demonstraram interesse em apoiar a candidatura de Manuela D’ Ávila do PCdoB. O PDT, que no passado recente governou a cidade, agora discute a possibilidade da candidatura de Juliana Brizola. O PSB, por sua vez, avalia a candidatura de Beto Albuquerque.

Em São Paulo, já foram lançados os nomes de Marcio França do PSB e de Orlando Silva do PCdoB. Sem um candidato competitivo pela primeira em sua história na cidade, o PT estuda apoiar algum outro partido. O que alguns dirigentes comentam é que, se o PT apoiar França, o PCdoB poderia retirar a sua candidatura em nome da unidade da esquerda na cidade. Esse, aliás, é o sentido do movimento que o governador do Maranhão, Flavio Dino, pretende construir.

Por fim, no Rio de Janeiro não há exatamente uma grande briga entre os partidos de esquerda que explique a falta de unidade. Marcelo Freixo poderia ser o candidato natural desse campo, já que na última eleição, em 2016, chegou a disputar o segundo turno contra o atual prefeito Marcelo Crivella. Freixo, inclusive, já conta com o importante apoio do PT. Contudo, a necessidade de montar chapas fortes com possibilidades reais de eleger vereadores pesa na decisão dos demais partidos que pretendem ter candidaturas próprias. Sob esse registro, o PSB pode lançar Alessandro Molon, o PDT Martha Rocha e o PCdoB Carlito Brizola. Mas há ainda uma outra possibilidade menos fragmentária, ventilada nos bastidores: a da composição de duas candidaturas de esquerda. Nesse cenário, Freixo teria o apoio do PT de um lado e, do outro, PSB, PDT, PV e PCdoB, construiriam uma candidatura única.

Importante ressaltar que, no caso do Rio de Janeiro, a esquerda provavelmente crescerá na Câmara Municipal. O PCdoB, que hoje não possui nenhum vereador, tem grandes chances de eleger duas mulheres negras: a professora Dani Balbi e a urbanista Tainá de Paula. Já o PT, que na última eleição elegeu dois vereadores – Reimont e Luciana Novaes– deverá ver a bancada aumentar com a vinda do ex-senador Lindbergh Farias para a disputa pela vereança. O PSOL, apesar da trágica e ainda não explicada morte de Marielle Franco, deverá manter sua bancada com a possível entrada de Tatiana Roque no lugar do atual vereador Babá. Já o PDT pode ter uma surpresa com a candidatura de Everton Gomes para vereador.

Até meados de 2020 muita coisa ainda pode acontecer. A unidade plebiscitária da esquerda contra o governo Bolsonaro, como pretende construir Flávio Dino, é possível. O governador do Maranhão tem habilidade para construir articulações amplas e é o político mais indicado e com maior credibilidade para esse empreendimento. Diga-se de passagem, o PT não ter candidaturas próprias em Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo é um claro sinal desse esforço pela unidade. O mesmo pode ser dito da recente declaração de Marcelo Freixo de que o PSOL deveria ceder em algumas cidades em favor de uma unidade. Mas que é muito difícil, isso é.

Theófilo Rodrigues é cientista político.

Theo Rodrigues

Theo Rodrigues é sociólogo e cientista político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »