Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Pequenos grandes

Por Luis Edmundo

16 de maio de 2016 : 21h31

Por Luis Edmundo Araujo, editor de esporte do Cafezinho

Com todo o respeito pela paixão enlouquecida de centenas de milhões no Brasil inteiro, de bilhões em todo o mundo, com a devida reverência a quem pratica e ama o esporte em todos os níveis, do profissional multimilionário ao amador pobre que madruga e faz dupla, tripla jornada de trabalho, com a obrigatória homenagem aos vencedores e vencidos de hoje, de ontem e do amanhã, o blog começa, a partir de agora, a tratar também de futebol, de vôlei, do basquete, do atletismo, do handebol, do remo e de qualquer modalidade que merecer atenção neste ano em que, além do golpe, da resistência e das consequências disso tudo, teremos Olimpíada no Rio de Janeiro.

E se no esporte, no futebol principalmente, o dinheiro fala tão alto quanto em qualquer outro setor, os poderosos dão as cartas e vencem, quase sempre, os principais campeonatos, este texto de abertura saúda os pequenos grandes campeões improváveis, dos quais não há exemplo mais recente do que a incrível história do Leicester City, quase rebaixado na temporada passada e campeão inglês pela primeira vez em sua história, iniciada em 1884, nesta última que termina amanhã, com o jogo entre Manchester United e Bornemouth. A partida em Old Trafford, casa do United, deveria ser realizada neste fim de semana, como todas as outras da última rodada, mas foi adiada devido a uma ameaça de bomba, um telefone estranho achado num dos banheiros do estádio, conectado a tubos e que depois, com o jogo já cancelado, foi reconhecido como uma das peças usadas num exercício de equipes de segurança, a falsa bomba de um teste para um esquadrão anti-bombas.

Sob o comando do discreto treinador italiano Claudio Ranieri, o time da agradável cidade relativamente perto de Londres (menos de duas horas de trem) assumiu a liderança definitiva, para não mais largar, a 15 rodadas do fim do campeonato. Jogadores como o atacante Jamie Vardy e o meia Andy King pareciam tocados por uma inspiração coletiva, inexplicável, que fez do Leicester uma equipe quase imbatível, com apenas três derrotas em todo o campeonato. Em carta emocionada, publicada no jornal The Players Tribune, quando faltavam apenas seis rodadas para o término do campeonato e o título do Leicester, Ranieri relatou a trajetória da equipe e revelou seu discurso aos jogadores antes da primeira partida do certame:

Antes de jogarmos nossa primeira partida da temporada, eu disse aos jogadores: “Eu quero que vocês joguem por seus companheiros. Nós somos um time pequeno, então temos que lutar com todo nosso coração, com toda nossa alma! Eu não me importo com o nome do adversário. Tudo o que eu quero é que vocês lutem! Se eles são melhores que nós, ok. Parabéns para eles. Mas eles terão de nos mostrar que são melhores”.

Vice-artilheiro do campeonato com 24 gols, o mesmo número do argentino Kun Agüero, do Manchester City, e a um tento do também inglês Harry Kane, do Tottenham, Vardy estendeu a tal inspiração à sua estreia na seleção inglesa, contra a Alemanha. Jogando em Berlim, os atuais campeões mundiais abriram 2 a 0 aos 12 minutos do segundo tempo. Kane diminuiu quatro minutos depois e o técnico inglês, Roy Hodgson, decidiu botar Vardy em campo. No primeiro toque na bola, o atacante do Leicester fez, de letra, o gol de empate. Nos acréscimos, o zagueiro Eric Dier decretou a vitória inglesa.

Já rebaixado, o tradicional Aston Villa, de Birmingham, um dos clubes chamados grandes, fundadores da primeira liga de futebol da história e sete vezes campeão, protagoniza o reverso da moeda nesta temporada inglesa, ainda que o segundo rebaixamento de sua história (o primeiro foi na temporada 1986-87) não tenha sido nenhuma surpresa. Sem reação, goleado seguidamente e matematicamente relegado à segunda divisão na 34a rodada, o Villa só provocou protestos de seus torcedores, que guardam na memória a maior conquista do clube, quando, também eles, estiveram no papel da zebra, do time menor que o oponente e que, no entanto, surpreende. Foi na final da Copa dos Clubes Campeões, a hoje globalizada Champions League, num tempo em que só os campeões nacionais, além do detentor do troféu, disputavam o título. No dia 26 de maio de 1982, em Roterdã, na Holanda, o Aston Villa encontrou o então tricampeão europeu (hoje penta) Bayern de Munique e venceu por 1 a 0.

Por aqui, os times das séries A e B do Campeonato Brasileiro começaram neste fim de semana a disputar o título e só terminam no dia 4 de dezembro. Ainda temos um torneio sob forte influência da principal patrocinadora dele, a Globo, que muda a tabela, troca e estipula horários de acordo, em primeiro lugar, com sua grade de programação; e continuamos a ter, por conta disso, clubes que dependem fundamentalmente do dinheiro dessa patrocinadora, reféns, portanto, da emissora.  Mas há sinais de mudanças no ar, e não apenas por conta da entrada em cena do canal Esporte Interativo, que passou a disputar os direitos de TV fechada do Brasileiro a partir de 2019 e já fechou contrato com Santos, Internacional, Atlético Paranaense, Coritiba e Bahia, entre outros clubes.

Futebol faixa globo

A concorrência forte do canal do Grupo Turner é inédita para a Globo, que também convive, desde o fim da temporada passada, com protestos direcionados especificamente contra ela por torcidas como a Gaviões da Fiel, do Corinthians, além de torcedores avulsos em jogos por todo o País. Faixas contra a emissora já vêm sendo vistas em estádios reclamando, entre outras coisas, do horário dos jogos no meio de semana, que começam depois da novela e terminam perto da meia-noite, um inferno para quem trabalha cedo no dia seguinte, para quem depende do transporte coletivo para voltar pra casa, para toda a parte menos favorecida da população, enfim.

No próximo dia 21, começa a Série C do Campeonato Brasileiro, com 40 times divididos em dois grupos de 20. Já a Série D, com 68 times, só começa no dia 12 de junho. Em nenhum desses torneios estará o Bangu, tradicional equipe carioca que vivia a expectativa de herdar a vaga do Boavista na Quarta Divisão. O time de Saquarema havia desistido de participar da competição por questões financeiras, mas voltou atrás na terça-feira, deixando de fora o vice-campeão brasileiro de 1985, em uma final que reuniu não apenas um time estreante em decisões nacionais, mas dois. O Coritiba, grande no Paraná, conquistou aquela que, até hoje, é sua maior glória, num torneio que teve ainda o Brasil de Pelotas entre os quatro semifinalistas.

E para não ficar apenas no futebol, para afagar um pouco o orgulho nacional nesses tempos difíceis, não há como deixar de citar, entre as equipes que subverteram a lógica, que enfrentaram sem medo adversários ditos mais fortes, favoritos, e saíram vencedoras, a seleção brasileira de basquete de Marcel, Oscar e Cia, que deu show no Panamericano de Indianápolis, em 1987, ao levar a medalha de ouro derrotando os Estados Unidos na final.

Foi a primeira derrota dos americanos em casa numa competição oficial, no esporte em que eles são reis. Foi também mais uma prova de que tudo é possível, de que há meios de reverter as situações mais desfavoráveis, de que os fracos não só têm vez como podem ser, às vezes, incrivelmente fortes.

 

luis.edmundo@terra.com.br

Luis Edmundo

Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Tiago Bevilaqua

17 de maio de 2016 às 14h34

Vc esqueceu de citar o goleiro do Leicester. Vi um compacto com atuações dele. O cara parece mágico!

Responder

Jst

17 de maio de 2016 às 10h11

Ontem, um jornalista de um famoso site americano divulgou uma matéria incentivando um boicote às olimpíadas no Brasil de forma a deixar escancarado a ilegitimidade deste governo de ladrões.
Me pergunto: A lava rato vai continuar a perseguir o Lula e ignorar a enorme quantidade de ladrões que agora governam o país com a importante contribuição daquela operação? Não era para combater a corrupção e a roubalheira? O Moro e o Janot não tem nada a dizer ao povo brasileiro?

Responder

Gilmar Antunes Miranda

17 de maio de 2016 às 08h46

Miguel, faltou citar o caso surpreendente do Audax, vice-campeao Paulista da temporada. É tão surpreendente qe estou na dúvida se o nome é este mesmo.

Responder

Naor Moraes Melo

17 de maio de 2016 às 06h53

Já disse nossa grande Querida, que vai voltar, não vai ficar pedra sobre pedra!

Responder

Camem Oliveira

17 de maio de 2016 às 03h03

Bem…

A China e a Rússia prometem uma posição CONJUNTA ainda este mês (antes mesmo da próxima reunião dos BRICS em outubro na Índia) sobre se reconhecem Michel Temer como presidente interino.

O Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, já informou a interlocutores que se Rússia e China criarem algum tipo de embargo – mesmo que por tempo determinado – deixará a pasta e votará contra o impeachment.

Como eu costumo dizer, o golpe depende de grana. Mas se há ameaças aos interesses “pessoais” dos barões da soja, “Temer e sua tropa” que vá para o espaço.

Sem China, bye bye exportações e não tem “mimimi” de Aécio Never que pague um estrago futuro.

Capichas?

Responder

maria nadiê Rodrigues

16 de maio de 2016 às 22h50

Que essa ideia não seja em função das olimpíadas. Parece que haverá boicote mundial contra os jogos. E não duvido mais de nada.

Responder

renato andretti

16 de maio de 2016 às 22h45

O Mundo está louco de pedra.
Que maravilha.
Quem diz que perdemos..!!!???

Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro