Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Barão de Itararé entra com denúncia no MPF contra nomeação de presidente da TELEBRAS

Por Theo Rodrigues

26 de julho de 2016 : 15h20

O novo presidente da TELEBRAS mal tomou posse e já está causando polêmica. Antonio Loss, executivo que passou pela Net Sul, Net Serviços, Oi e que se encontrava no comando da Via Sat do Brasil será o novo presidente da empresa pública de telecomunicações.

Loss foi nomeado pelo ministro das Comunicações Gilberto Kassab por ter essa experiência em seu currículo. Contudo, é justamente essa ligação com as principais empresas do setor que vem gerando polêmica.

O Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé protocolou no último dia 25 de julho representação no Ministério Público Federal contra a nomeação de Loss.

Para a entidade, a indicação de Loss configura uma grave infração de conflito de interesses (Lei nº 12.813/2013) pela identificação que possui com as principais empresas do setor.

“É como se estivessem nomeando a raposa para cuidar do galinheiro”, diz Theo Rodrigues, coordenador do Barão de Itararé.

A Lei de Conflito de Interesses (Lei nº 12.813/2013) não permite a participação em cargos no Poder Executivo Federal para pessoas que mantenham vínculos com empresas que possuem interesse no setor.

“A TELEBRAS é justamente a empresa pública que oferece infraestrutura para a atuação das empresas privadas onde Loss trabalhou. Mesmo que venha a ser uma pessoa íntegra, sempre pesará contra seu nome a desconfiança de estar atuando no serviço público em defesa de interesses privados”, explica Theo Rodrigues.

Não foi a primeira vez que o Barão de Itararé teve que recorrer ao Ministério Público contra nomeações que configuram conflito de interesses na área. Em 30 de maio a organização já havia entrado no MPF para impedir que fossem nomeados advogados da OI e da NET nas secretarias de Radiodifusão e Telecomunicações do Ministério das Comunicações. Na ocasião o MPF exigiu que tanto Kassab quanto a comissão de ética pública do governo federal dessem explicações.

“Kassab está entregando para representantes das principais empresas privadas do setor a gestão dos serviços públicos. É um absurdo o que está acontecendo” critica o coordenador do Barão de Itararé.

Mais informações em: https://baraodeitararerj.wordpress.com/

Theo Rodrigues

Theo Rodrigues é sociólogo e cientista político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marivane

26 de julho de 2016 às 22h40

coisas deste governo

Responder

Alexandre Oliveira

26 de julho de 2016 às 19h06

Mais um mimimi petista que não vai dar em nada. O tal Barão de Itararé nunca se incomodou quando notórios corruptos ( Fernando Cunha, Jader Barbalho, Renan Calheiros, Fernando Collor, José Dirceu ) indicavam pessoas de sua mais absoluta confiança para diretorias de estatais !

Responder

    Dimas Trindade

    27 de julho de 2016 às 00h12

    Ainda bem que Kassab é íntegro.

    Responder

Jorge Milan

26 de julho de 2016 às 17h49

Esse é o perfil dos golpistas. Entregar todo o petrimonio do nosso país ao interesse privado.

Responder

    Alexandre Oliveira

    26 de julho de 2016 às 19h01

    Como fez Dilma ao nomear Cátia Abreu para ministra da agricultura ou quando entregou o comando da economia ao executivo do Bradesco , Joaquim Levy ?

    Responder

      João Ostral

      26 de julho de 2016 às 19h56

      Tais brincando, comparar um governo sério, eleito democráticamente, republicano, voltado para o social com este desgoverno interino, ilegitimo e golpista?

      Responder

        Alexandre Oliveira

        27 de julho de 2016 às 14h57

        Estais brincando ? Dizendo que são diferentes procedimentos absolutamente iguais praticados por dois governos ; um que se diz eleito democraticamente ( do qual Temer sempre fez parte, por duas vezes ), voltado para o social e iguais praticados por dois governos ; um que se diz eleito democraticamente ( do qual Temer sempre fez parte, por duas vezes ) com este desgoverno interino ( no qual você votou ), ilegítimo ( no qual você votou ) e golpista ( no qual você votou ) . Eu votei em Aécio e Aloysio Nunes e você (brincalhão ) votou em Dilma e Temer !

        Responder

Deixe um comentário