Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Plenário do Senado durante sessão não deliberativa. À mesa, senador Dário Berger (PMDB-SC). Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Maioria dos senadores já não presta qualquer atenção aos argumentos; defesa de Dilma vai falar para surdos?

Por Redação

29 de julho de 2016 : 10h48

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Defesa de Dilma vai falar para surdos

por Tales Faria, Os Divergentes

A não ser que ocorra uma grande mudança de última hora, já estão jogadas as cartas da votação no Senado do impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff. O Palácio do Planalto calcula ter conquistado, de uma forma ou de outra, pelo menos 60 dos 54 votos necessários.

Contas exatas ou não, o fato é que a maioria dos senadores já não presta qualquer atenção aos argumentos da defesa. Pouco importa se são argumentos técnicos.

O ex-advogado-geral da União José Eduardo Cardozo, como noticiado, incluirá nas alegações finais da defesa que enviará ao Senado, por exemplo, uma decisão recente do Ministério Público Federal (MPF) que conclui que as pedaladas não são crime.

Trata-se daquele parecer, enviado à Justiça na última semana, em que o procurador da República no Distrito Federal Ivan Marx afirmou que as manobras fiscais feitas pela equipe econômica de Dilma não se enquadram no conceito legal de operação de crédito ou empréstimo. Por isso não seria necessário pedir autorização ao Congresso para executá-las.

Cardozo também incluirá o parecer de técnicos do Senado Federal que dizem não ter havido participação direta de Dilma nas tais pedaladas.

Incluirá também declarações de hoje rivais, como o atual advogado-geral da União, Fabio Medina Osório, que em 2015 usou a expressão “golpe revestido de institucionalidade” para se referir ao processo.

E a seguinte afirmação da líder do governo Michel Temer no Congresso, senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), a uma rádio do Espírito Santo: “Por que o governo saiu? Na minha tese, não teve esse negócio de pedalada, nada disso. O que teve foi um país paralisado, sem direção e sem base nenhuma para administrar. A população não queria mais e o Congresso também não dava a ela os votos necessários para tocar nenhuma matéria.”

A defesa usará o argumento de que Rose de Freitas foi presidente da Comissão Mista de Orçamento antes de assumir a função de líder. E, na comissão, ela avaliou detalhadamente a situação das contas da presidenta Dilma Rousseff, sobretudo durante a tramitação da última proposta de Orçamento Geral da União.

José Eduardo Cardozo também pretende apresentar como argumento de que houve “desvio de finalidade” a recente entrevista do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que disse que ter “livrado o país” de Dilma é uma marca da qual se orgulha.

Assim como as gravações das conversas do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado em que o senador Romero Jucá (PMDB-RR) afirmava que Dilma tinha que ser retirada do cargo para haver um freio na Operação Lava Jato.

Mas, ao que tudo indica, nada disso adiantará.

Os senadores estão cada vez mais aferrados ao argumento de que o julgamento é político. E de que, a esta altura do campeonato, o país não aguentaria desmontar novamente um governo para remontar outro. Ou, como diz o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) “o julgamento será pelo conjunto da obra”. Ou seja, como ele mesmo explica, Dilma só voltaria se o governo Temer fosse um fracasso.

Tudo bem, o governo Temer não é um sucesso. Mas também não será reconhecido como um fracasso completo  a tempo do julgamento do impeachment, neste mês de agosto.

Mas o próprio Cristovam vai ter dificuldades de explicar seu voto. Afinal, ele, que votou pela admissibilidade do julgamento, disse que só votaria pelo impeachment definitivo se fosse convencido, do ponto de vista técnico, de que Dilma cometeu crime de responsabilidade.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Robson Silva

02 de agosto de 2016 às 04h32

Estamos diante de um legislativo meliante, na realidade poderíamos muito bem chamar, apropriada e merecidamente, essas casas legislativas de “máfia legislativa”, compõem um verdadeiro antro gangsterista da pior e mais vil espécie.

Responder

Murillo Alencar

31 de julho de 2016 às 07h09

O peor de tudo é continuar a gastar uma fortuna tentando defender uma causa que ja foi julgada por antecedência por un congresso corrupto, e um judiciario agora internacionalmente desacreditado ! Brasil pais do Carnaval!

Responder

Fernando Fidelis

30 de julho de 2016 às 01h22

Todo mundo vai se fuder porque os congressistas são corruptos. “Tras ai meu pedaço de merda que vou comer”, porque eu não soube votar.

Responder

Raimundo Goncalves

29 de julho de 2016 às 16h11

São favas contadas mesmo. Nós ainda não estamos preparados para ter uma mulher na presidência.

Responder

maria

29 de julho de 2016 às 16h10

Os barões ladrões das receitas públicas estão na nossa cara e é mais do que
visível que eles, atraves do golpe, mafiosamente, estão reunidos num mesmo clube, o da
kleptocracia. Logo, todo nosso esforço tem que se dirigir para a remoção desse
obstáculo cancerígeno e institucional: uns poucos se apoderam do Estado e fazem
todas as manobras possíveis para o enriquecimento deles (digamos que sejam 1%),
em detrimento absoluto dos 99% restantes.

Responder

maria

29 de julho de 2016 às 16h08

O golpe no Brasil é praticado por modelo político elitista putrefato e delinquente, a direita feita das oligarquias/elites políticas e econômicas sanguessugas do dinheiro público
estão em conluio, há quase 200 anos, para perpetuarem as estruturas
institucionais vigentes (políticas, econômicas, jurídicas e sociais), que
assegurem em benefício delas o enriquecimento impune e corrupto ou
politicamente favorecido (capitalismo de compadrio, de laços ou de carteis). e querem usar o PT para corrigir a corrupção que institucionalizaram e ainda a praticam ( Hoje através do Golpe)

Responder

Max Müller

29 de julho de 2016 às 14h24

Já estava tudo definido. Só estão lá para cumprir protocolo. A decisão já foi tomada desde antes da votação na Câmara.

Responder

Antonio Marc All

29 de julho de 2016 às 12h39

A dilma está sendo impixada por crimes de responsabilidade e pelo conjunto da obra, sem contar as delações que todos os dias pipocam contra ela e o pt, depois de ser impixada ela vai responder por crimes comuns como caixa 2 e desvio de recursos da petrobras, além de ser incompetente é claro!

Responder

Elena Osawa

29 de julho de 2016 às 12h19

É como dizem: Se cobrir vira circo, se cercar vira hospício! Esse é o Congresso que temos. Uma lástima!

Responder

Deixe um comentário