Live do Cafezinho (18 h): Pós-verdade na política brasileira (uma conversa com Fabio Palacio)

Concha, pedras em preto e branco. Bella67 no pixabay

O Brasil na era do pós-julgamento

Por Tadeu Porto

14 de abril de 2017 : 17h22

Foto: bella67 , disponível no site Pixabay

Por Tadeu Porto*, colunista do Cafezinho

Particularmente, me considero um mineiro raiz. Torço para o Galo, tenho família no interior e a visito sempre que posso (sempre acolhido com muita comida, na casa “de” minha vó), bebo litros de café, amo boteco e pão de queijo e falo uai, sô, trem e “núúú” até em competição de língua erudita.

E como a maioria dos mineiros raiz, eu tenho ojeriza do senador Aécio Neves. Asco mesmo. Quem conhece a história do jornalista Marco Carone, nutre simpatia zero pela família Neves. Sem falar na hipocrisia do ex-governador, capaz de provocar nojo em monge budista,como, por exemplo, atacar a Veja depois de deixá-la bater no PT sem dó (um caso entre centenas).

Mesmo assim, não consigo ficar satisfeito com o pré-julgamento do neto do Tancredo. Claro, a justiça poética do ver “o primeiro a ser comido” se perder no monstro que ele próprio alimentou dá até uma vontade de esboçar o sorriso, mas o contexto no qual isso ocorre é tenebroso.

Isto porque, vivemos a atmosfera onde os fatos do juízo tem bem menos importância que as crenças e opiniões das pessoas. Situação que, carinhosamente, apelidei de pós-julgamento.

Na verdade, o pós-julgamento a brasileira, nada mais é que o fruto da tão badalada pós-verdade (palavra destaque do ano de 2016 segundo a Oxford), quando aplicado na atual conjuntura nacional. Esta prática esteve fortemente presente no Brexit e na eleição de Donald Trump e aqui, infelizmente, é parte essencial da operação Lava-Jato.

Soma-se isso ao fato do Brasil ser um país onde a mídia tradicional e hegemônica é a grande propagadora da pós-verdade (aquela capa da Veja “eles sabiam de tudo” vai para o museu da pós-verdade, podem dar print) e, assim, somada a parcela natural da internet que pratica essa política criamos uma esfera de comunicação movida por esse conceito.

Ou seja, a troca de informações na atualidade, são fortemente ancoradas em apelos, sentimentos e crenças e deixa de lado fatos e objetivos importantes para descrever os acontecimentos com alto teor de verossimilhança.

Soma-se isso ao fato das instituições brasileiras serem verdadeiras nulidades, com pouquíssimo compromisso com seus preceitos básicos (exemplo clássico é Gilmar Mendes do STF que vive opinando fora dos autos) e alto compromisso com a aristocracia que sempre comandou esse país.

Tem-se, assim, instituições que passam de pilares da democracia para ferramentas ditatoriais com a mesma volatilidade que o Lula vira e desvira dono da Friboi. E o pós-julgamento, nesse sentido, cumpre o papel de colocar sobre tortura – jurídica e midiática – quem não cumprir a agenda básica da elite político-econômica do país.

[Antes que venham com o papo de Lava-Jato apartidária para justificar a “não perseguição”, me mostre apenas um juiz que foi pego na operação, “umzinho”. Não tem? Então me mostra um procurador ou policial federal. Não tem também? Você acha mesmo que um esquema de corrupção em larga escalada como descreveu a família Odebrecht não incluiria o judiciário? Nem eu.]

Na realidade, a pós-verdade é velha conhecida aqui em Minas, mas com outro nome: fofoca. Nas cidades do interior então, só Jesus na causa. Todo mundo quer narrar e acompanhar de perto os passos de alguém e, muitas vezes, a notícias sobre a vida alheia tem muito mais importância do que a vida em si.

E é nisso que o Brasil se tornou: um grande país pequeno onde a República é guiada na base das fofocas e das crenças, muitas vezes sem amparo algum com a verdade factual.

Bem vindos a era do pós-julgamento.


Tadeu Porto é diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcos Pinto Basto

15 de abril de 2017 às 23h59

“Isto porque, vivemos a atmosfera onde os fatos do juízo tem bem menos importância que as crenças e opiniões das pessoas. Situação que, carinhosamente, apelidei de pós-julgamento.”
E o Povo, em nome do qual os maiores criminosos nacionais dizem representar, segue indiferente à bandalheira que desmonta o Estado e a economia da Nação. Falta-lhe politização como também carece de instrução básica que lhe possa dar acesso a conhecimentos maiores, fundamentais para a formação duma sociedade justa,ordeira onde possa nascer uma democracia de fato.
Para que isso possa começar a acontecer, só uma GREVE GERAL muito radical, varrendo todos os bandidos da politicalha para Colônias Penais Agrícolas onde serão forçados a trabalhar para comerem.

Responder

Aristocrata Paraguaio

14 de abril de 2017 às 19h53

O Lula que tá comandando os ataques na Síria também. O Marcelo Odebrecht sabe mas não quer falar, disse que só vai dizer se a mídia-elite de 500 anos de idade confessar que sempre escravizou a população.
Lula vai ter que continuar criando armas químicas e bombardeando os sírios, é o jeito.

Responder

    Marcos Pinto Basto

    16 de abril de 2017 às 00h27

    Aristocrata Paraguaio, os Odebrecht sempre tão criativos,esqueceram de contratar um contador de histórias competente que temos no nordeste, para narrar a história do grupo financiando Lula na sua missão de tomar conta do mundo, ora comandando ataques na Síria ou jogando super bombas no Afeganistão.
    Chegando mais perto da realidade, os analistas políticos internacionais sentem-se constrangidos em comentar o que se passa no Brasil porque não encontram palavras moderadas para nomear os participantes da baderna em curso, nem as golpadas sujas que arranjam para justificar o dinheiro que receberam para avacalhar a terra que lhes serviu de berço. Uma cambada de FDP.

    Responder

      Aristocrata Paraguaio (amigo do Osama Bin Laden da Silva)

      16 de abril de 2017 às 12h38

      Pois é Marcos, imagina só se eles descobrirem que o Lula foi responsável pelo ataque às torres gêmeas!
      Ele tem barba não é por acaso, só não vê quem não quer!

      Nesses tempos é melhor se utilizar do sarcasmo porque tamanha é a perplexidade diante de tanto absurdo.
      :)

      Responder

Joaquim l da Rocha

14 de abril de 2017 às 17h44

Moro aproveitou-se do momento para se auto promover. Um juizinho de primeira instância do Paraná ser conhecido em todo Brasil…

Responder

Deixe uma resposta