Coletiva de Rodrigo Maia (ao vivo) sobre medidas contra a crise

Sérgio Moro e Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Lava Jato recupera 4 bilhões. É para financiar o presidencialismo de cooptação?

Por Tadeu Porto

30 de agosto de 2017 : 14h26

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Por Tadeu Porto*

Nos últimos dias uma pilha de 4 bilhões de reais em notas falsas de 100 chamou atenção da população curitibana. O “arranha-céu” de cédulas faz parte de uma peça publicitária do filme “Polícia Federal: a lei é para todo” que representaria, segundo os idealizadores, o tanto que a operação Lava-Jato – que inspirou o filme – “já recuperou” do que foi desviado do país.

Legal, a Lava-Jato “recuperou” um tanto dinheiro. Contudo, qualquer curioso de meia tigela já deve estar se perguntando pra onde foi essa verba. Bom, já se sabe que parte dele ainda está bloqueado na justiça, mas algum dinheiro efetivamente entrou nos cofres públicos e logo no caixa do governo mais impopular (e investigado) da história recente.

Ou seja, na velha máxima do “siga o dinheiro”, não é muito difícil argumentar que a Lava-Jato não recuperou dinheiro algum, mas que, na verdade, ela só pegou o que estava em paraíso fiscal e deu de presente para o presidente golpista Michel Temer brincar de feirão de ofertas com deputados.

Na notícia do Globo, por exemplo, é afirmado que o “dinheiro confiscado” retornou “aos cofres dos órgãos lesados” e “no caso da Petrobras, já foram feitas duas devoluções, que somam R$ 296 milhões”. A notícia é de 2015, quando Temer era apenas um golpista na cadeira da Vice-Presidência, entretanto, é um índicio para sabermos para onde o dinheiro vai, para órgãos lesados, inclusive a Petrobrás.

 Oras, tive a oportunidade de escrever aqui como a nossa estatal de petróleo é utilizada pelo executivo para cobrir o rombo que o governo aumentou para se salvar das denúncias de corrupção. Assim, qualquer dinheiro que entre para o caixa da empresa hoje, pode servir para o jogo perverso da dupla Michel Temer e Pedro Parente.

Ademais, numa jogada que escandalizou o país, Temer sinalizou que deve movimentar 140 cargos (centro e quarenta!) para conter uma “rebelião no congresso” (o que foi chamado de presidencialismo de cooptação pelos tucanos). Em contrapartida, há alguns meses, o mesmo governo ilegítimo cortou a verbas essenciais, como bolsas de estudos da Capes, dinheiro para saúde e da própria operação Lava-Jato. 

Então, se o dinheiro “recuperado” por Moro e Dallagnol for parar nos cofres da União do governo ilegítimo Michel Temer, dá para calcular qual fatia desse montante vai pára a população (zero?) e qual vai para o bolso do legislativo mais achacador da nossa história (100%?).

E olha que nem estamos aqui argumentando sobre as perdas que a irresponsabilidade da Lava-Jato trouxe para a economia brasileira, como já calculou o “insuspeitíssimo” tucano Gesner Oliveira em estudo divulgado em 2015 (que se confirmou, segundo o próprio Gesner, em 2016). Assim, no quadro geral, comemorar 4 bilhões “recuperados” na sétima economia do mundo cuja uma investigação política e partidária congelou setores e trouxe uma queda de 2,5% do PIB (140 bilhões de reais), é o mesmo que comprar um carro zero superfaturado e comemorar pois ganhou uma uma bala skiss de brinde.

Mesmo sem considerar o desastre que é destruir o capital produtivo do país, focando só no dinheiro recuperado, a operação da República de Curitiba é um fiasco, afinal, devolver capital para a mão do presidente da cooptação, como Michel Temer, é desarmar um aviãozinho para entregar a arma ao traficante.

Nesse ritmo, imaginem só como deve ser a sequencia do  filme “Policia Federal – A lei é para todos”, como Dicaprio interpretando o herói Michel Temer que recuperou o país.

 

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

luciano paulo sanfelice

30 de agosto de 2017 às 18h17

conforme levantamento do poder 360 os juizes custarão este ano 2,3 bi em extras e se formos computar os procuradores que vão no mesmo caminho deve dar 2 bi este ano, portanto, recuperaram SÓ para ESTE ANO, os extras que irão receber, fossemos incluir o que ganham acima do teto então…o que dizer a lei é para todos menos para eles.

Responder

robertoAP

30 de agosto de 2017 às 17h45

Pra recuperar 3 bi, gastaram 30 bi, fora os salários milionários diárias e penduricalhos dos juizes, procuradores e delegados que “trabalharam” nessa fraude que jogou o país de volta no século 19.

Responder

Maria Thereza

30 de agosto de 2017 às 16h43

Como até agora não apresentaram uma mísera tabelinha mostrando quanto já gastaram e quanto efetivamente recuperaram, (sem falar nos imensos danos colaterais), creio que o que entrou mesmo foram 4 bilhões em notas falsas. e olhe lá!

Responder

Priscila Garcia

30 de agosto de 2017 às 16h32

Bom LEMBRAR que o sistema CLEPTOCRÁTICO vigente, fundado na propina e no suborno, foi institucionalizado no Brasil pelos falecidos governos petralhas.
O “mensalão” que o diga.

Responder

Carlos Borges

30 de agosto de 2017 às 17h29

Monumento aos otários. Coloquem a pilha do prejuízo causado a economia por ela. Coloquem também os salários dos juízes e procuradores… Vai dar um Everest.

Responder

Deixe uma resposta