Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Putin impõe nova derrota a Trump, comércio marítimo na Rússia abandonará o dólar

Por Tulio Ribeiro

21 de setembro de 2017 : 00h39

(Imagem crédito- kremlin)

O mundo caminha para romper a hegemonia estadunidense, pelo menos no campo econômico. O presidente russo Vladimir Putin, cansado das sanções vindas de seu homólogo Donald Trump, determinou que seu governo aprove uma lei que leve o rublo a ser a principal moeda de transações em todos portos marítimos do país no próximo ano.

Mesmo que a ocasião necessite de um período de transição, o início do novo modelo exigirá das companhias transnacionais que operam no país adquirir a moeda nacional, gerando um movimento de valorização do numerário russo, proteção das empresas nacionais e independência de divisas em dólar.

Este protagonismo de Putin encontra eco na estrutura portuária russa. Finalmente sua ação permitirá a superação de uma contradição enraizada no Estado, visto que as taxas mercantis ainda são em dólar apesar dos portos serem do governo central. Os Estados Unidos se equivocam ao exagerar numa prática excessiva de sanções que não derrocaram Cuba por mais de 50 anos, e pode iniciar seu própio isolamento.

A China maior detentora de títulos da dívida do país do norte, levaria os EUA ao ¨default¨ se decidisse quitar suas posições em dólar. O movimento tem tudo para ser o novo paradigma para os ¨Brics¨. A Venezuela passou operar seus leilões cambiais em rublo e yuan com objetivo de reduzir o poder do dólar no país caribenho.

A História revela que não existe império que não veja chegar o dia da quebra de sua hegemonia. Entretanto políticas erradas podem adiantar esta ocasião, principalmente se uma moeda sem lastro como o dólar for substituída mundialmente.

fontes:

www.zerohedge.com

www.rt.com

www.correodelorinoco.org.ve

Tulio Ribeiro

Túlio Ribeiro é graduado em Ciências econômicas pela UFBA,pós graduado em História Contemporânea pela IUPERJ,Mestre em História Social pela USS-RJ e doutorando em ¨Ciências para Desarrollo Estrategico¨ pela UBV de Caracas -Venezuela

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

19 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

elói beneduzi

25 de setembro de 2017 às 21h42

um dia o império romano cai….como o britânico..o macedônico…etc.. o terceiro reich era pra durar mil anos…não durou 15 anos….

Responder

Luiz F. Araújo Santos

22 de setembro de 2017 às 18h43

Sem contar o fato de que China e Rússia detêm hoje o maior volume de títulos da dívida norte-americana (manter o dólar valorizado exige constante emissão de títulos da dívida pública).

A saída norte-americana, creio, será uma ação militar (no hemisfério da América do Sul?) , que sustente o seu modelo de endividamento e crescimento.

Responder

augusto2

22 de setembro de 2017 às 10h16

erramos, onde se lê ”as várias de matança’, leia-se ”variáveis de matança”

Responder

augusto2

22 de setembro de 2017 às 10h11

No tema paralelo a Russia, no tema Coreia do Norte, encontrei por ai um detalhe para o qual se pede atençao e crivo critico de leitores. Assim como me ‘pegou’ pode atingir a curiosidade de outras pessoas.
É que pela simples GEOGRAFIA e pela localizaçao dos lançamentos de misseis norte coreanos,
a unica trajetoria de menor risco e menor PROVOCAÇAO internacional…
para um teste de missil de MEDIO alcance, que o Jong achou necessario a dissuasão a um potencial agressor… (2700 km )
era a trajetoria passar sobre o extremo NORTE do Japão e cair no pacifico.Olhando o mapa:
Se para o norte eram China e Russia – esquece
a Leste e sudeste era só Japão e justo a parte mais rica e industrializada do Japão,melhor nao.
para o Sul passaria sobre a Coreia do Sul, esquece
e se mais longe ia na cabeça de Taiwan.
Entao, ou não testa o missil médio ou passa 400 km acima da cabeça dos niponicos da ilha mais ao norte do arquipélago.Melhor que a bomba de nagasaki que foi programada para explodir a 500 metros acima do solo, afinalos lançadores precisavam testar todas as varias de matança, diferente de hiroshima onte tinha sido no solo.
Tao reclamando do quê?

Responder

Francisco

21 de setembro de 2017 às 22h42

Com Dilma, a cesta de moedas (real, rublo, rupia, yuan…) seria o proximo passo.

O problema dos EEUU é o dinheiro falso…

Responder

    Viviane

    22 de setembro de 2017 às 00h43

    Concordo

    Responder

fernando

21 de setembro de 2017 às 22h26

Hurra!!!! Hurra!!!! Hurra!!!! Hurra!!!! Hurra!!!! Hurra!!!! Hurra!!!!….excelente noticia, não sei se os países dos Brics deveriam lançar uma moeda própria ou negociar nas suas moedas….mas abandonar o dolar é algo positivo!”!!

Responder

    Viviane

    22 de setembro de 2017 às 00h46

    Os 7 principais países já tem yuan como cesta de reservas cambiais

    Responder

Almir Bispo

21 de setembro de 2017 às 17h42

“Os Reis da Terra odiarão a Meretriz e porão nua e desolada..”

Responder

Luiz Carlos P. Oliveira

21 de setembro de 2017 às 17h37

Só faltou o Temer acabar com o Real e introduzir o Dólar como nossa moeda oficial. Eta sujeitinho à toa.

Responder

Victor Valente Campos

21 de setembro de 2017 às 16h25

Quanto o Dolar será afetado pela imposição do rublo? Quem sai perdendo? Os Estados Unidos onde o FED esta como louco buscando desculpas para subir os juros, valorizar a moeda e derrubar as inversões chinesas ou a Russia que sofrerá para importar devido ao maior preço do rublo?
A hegemonia sempre foi quebrada desde dentro. Os impérios ruem de desgaste interno. As agressões afetam a estabilidade mas não derruba.

Responder

    augusto2

    22 de setembro de 2017 às 10h22

    Victor, a Russia graças a politica economica recente e as burras sançoes ocidentais esta com o menor INDICE de importação da historia recente… e em pleno regime de substituiçao de importações.
    O mesmo ‘regime’ que fez o Brasil crescer por 50 anos –antes da nova e e estúpida politica cambial da “flutuaçao no andar de cima” e simultaneamente com livre transito da especulação.

    Responder

Soviético

21 de setembro de 2017 às 16h13

Presidente Russo Wladimir Putin o maior líder mundial!!

Responder

Maria Thereza

21 de setembro de 2017 às 08h16

enquanto isso o genial presidente golpista do Brasil entrega toda nossa pesquisa nuclear e ainda acredita que os EUA são um must no mundo. já estou querendo #foratemer sem me importar com o que virá. esse temer é um predador inconsequente, irresponsável e vendilhão.

Responder

Roberto

21 de setembro de 2017 às 07h46

Já está na hora de a China deixar de enrolação e abandonar o dólar de vez.

Responder

    Miguel

    21 de setembro de 2017 às 17h51

    China abandonar o dólar de vez.

    Aí quando for receber os centenas de bilhões de dólares que vende em bugigangas para os EUA, vão receber em qual moeda, espertão?

    Responder

Aída Paiva

21 de setembro de 2017 às 07h22

Putin não pode ficar parado sofrendo as sanções dos Estados Unidos. Putin vinha sinalizando que queria trocar a moeda de suas transações comerciais. O rublo sofre retaliações e tem valor menor do que realmente vale por isso a economia russa vai alavancar com essa decisão de Putin.

Responder

Marco

21 de setembro de 2017 às 01h50

Está chegando a hora,Putin é o cara

Responder

Helton

21 de setembro de 2017 às 01h48

Vamos quebrar os EUA logo.
Já deu

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?