Hangout com Miguel do Rosário: Bolsonaro nos EUA

China: ” Jerusalém é da Palestina”

Por Tulio Ribeiro

15 de dezembro de 2017 : 12h49

Diante a atitude de Donald Trump de relevar a História e entregar Jerusalém a Israel, a China usou todo seu peso no mundo para declarar a preocupação com a decisão estadunidense. O país asiático utilizou o porta-voz da sua chancelaria, Lu Kang, para afrontar os americanos do norte com declaração contundente de apoio a causa palestina:

“A China apoia a criação de um Estado independente Palestino com soberania total ao molde das fronteiras de 1967, tendo Jerusalém (Al-Quds) como capital. Entendemos a preocupação dos países e se faz necessário encontrar uma solução abrangente e justa para causa palestina”

A reunião dos líderes muçulmanos em Istambul no último dia 13, começou gerar resultados. O chanceler turco, Mevlüt Cavusoglu, manifestou interesse de mudar a sua embaixada para Jerusalém, entretanto ao contrario dos EUA, reconhecendo-a como capital Palestina. O jornal turco ” Yeni Safaki” corrobora desta opinião, e declarou que a Turquia tem mais de 170.000 documentos de registro comprovando propriedades de palestinos em Jerusalém. A História não deveria ser negada.

Tulio Ribeiro

Túlio Ribeiro é graduado em Ciências econômicas pela UFBA,pós graduado em História Contemporânea pela IUPERJ,Mestre em História Social pela USS-RJ e doutorando em ¨Ciências para Desarrollo Estrategico¨ pela UBV de Caracas -Venezuela

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

91 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Pedro Cândido Aguarrara

19 de dezembro de 2017 às 14h29

Está se aproximando o enfrentamento que varrerá da face da terra o fascismo, especialmente o fascismo sionista Ashkenhazy que controla o governo americano desde os anos 30 e o governo inglês desde o século XIX).

Livres do fascismo sionista Ashkenhazy (Gogs da Tribo de Magog restaurando Israel em 1948), do Anticristo (tecnologia alien jogada no planeta em 1947 e que chega agora ao seu objetivo final com a Inteligência Artificial Auto Alimentada) e da Besta (Sistema Financeiro criado pelo sionismo Ashkenhazy na Inglaterra e nos Estados Unidos) varreremos da face da terra a praga de 6.000 anos que alimenta todos os conflitos desse mundo: as religiões organizadas, sectárias e proselitistas, com seus deuses todo-poderosos e suas verdades absolutas, que têm de ser enfiadas goela abaixo de todos.

E isso tudo já começou e é para já. Tudo se resolverá nesse primeiro século do 3o milênio. E os adeptos do sectarismo e do proselitismo religiosos “varridos” daqui não poderão mais voltar para cá. Terão que evoluir em outro orbe.

E teremos então uma Paz nesse Planeta depois de mais de 6.000 anos!

Responder

Vicente Cariry

17 de dezembro de 2017 às 18h36

Descontando 1400 anos depois do domínio romano… Jerusalém foi capital do antigo reino dos judeus…

Responder

Danilo Max

16 de dezembro de 2017 às 12h14

César Kaab Abdul dá uma olhada.

Responder

Gustavo André Pereira Guimarães

16 de dezembro de 2017 às 02h30

Caio Marcellus Martinez Cabral Wellington Basílio Quero ver um certo professor engolir essa!!!

Responder

Francidédiney Caetano

16 de dezembro de 2017 às 00h19

Mais uma nação que vai cair

Responder

    Vicente Cariry

    17 de dezembro de 2017 às 19h04

    EUA tá perdendo a hegemonia para um mundo mais multipolar centrado em China, Rússia e Índia. E não vai cair tão cedo, vai apodrecer vivo contaminando a todos

    Responder

apolinario jose pereira

15 de dezembro de 2017 às 21h47

É isso aí, esperamos que o governo da China e da Russia dê logo um basta no prepotente Presidente Trump dos estados unidos e o primeiro ministro israelense, esses Judeus espalhados pelo mundo inteiro, se acham o dono do mundo, a todo momento é criado paises novos, se desvinculando de outros, e não acontece nada, mas quando fala-se na criação do estado da Palestina, é uma confusão danada, que putaria é essa? Ora bolas, cria-se logo o estado de Israel e o estado da Palestina e pronto, por que de tanta confusão e guerra, cada macaco no seu galho, e pronto.

Responder

Albeny Tavares Corado

15 de dezembro de 2017 às 21h23

Gostei do Chinês. Finalmente. Rússia kd você?

Responder

João Paulo Cardoso Gómez

15 de dezembro de 2017 às 18h53

O PIG nunca ganha do O Cafezinho. Mas porque Jerusalém não pode ser dos cristãos, judeus e muçulmanos?

Responder

    Paulo Lima

    15 de dezembro de 2017 às 20h42

    Por que será que naturais da África não são mais mercadejados em negócios coloniais por gestores ingleses, franceses, portugueses, espanhóis ou judeus?
    Imagine que a prefeitura de sua cidade decida por decreto aumentar a largura de sua rua, e isso implique, com o recuo, a perda de 1(hum) metro no terreno de todas as casas, de todos os quarteirões da rua, desapropriados sem nenhum tipo de compensação para os moradores ou proprietários E que além disso, a prefeitura decida, sem nenhum decreto prévio, desalojar à força antigos moradores de seus lares ancestrais, matando, ferindo, prendendo, os que se opõem e resistem a tal pilhagem. E se, numa aproximação mais simbólica, mas não menos opressiva, a prefeitura além de a seu bel prazer, controlar a circulação de pessoas e veículos pela rua, cobrando pedágio, fazendo revistas, achacando os antigos moradores remanescentes, decida passar a controlar com poder de polícia o acesso aos centros religiosos locais, católicos, umbandistas ou pentecostais, se o prefeito é um rico e poderoso líder da Igreja Unilateral do Reino de Deus, pentecostal? Pobres umbandistas, que não têm um Papa Francisco para protegê-los.

    Responder

Sidnei R. Castilho

15 de dezembro de 2017 às 18h24

Israel é conhecido mundialmente como ” Estado Terrorista” e vem mantendo esse título de forma isolada mais até que seu protetor (EUA) ,mas essa farra de Israel um dia acaba .

Responder

Alberto Barbosa

15 de dezembro de 2017 às 18h16

jerusalem nunca foi e nunca será da palestina

Responder

    Pedro César Batista

    16 de dezembro de 2017 às 04h45

    Jerusalém sempre foi a capital da Palestina, que em 1948 foi dividida para criar Israel, que segue avançando sobre o território palestino. Israel é um estado que atua na região como um cão de guarda dos EUA. Querer fazer de Jerusalém a capital dos sionistas é como querer transformar o Pará em um estado dos EUA. Toda solidariedade ao povo palestino.

    Responder

    Alberto Barbosa

    16 de dezembro de 2017 às 12h14

    sua tese é controversa, mas te digo que entre israel que é um país que colabora com o mundo desenvolvendo tecnologia no deserto sem contar com a medicina moderna e a palestina composta por terroristas, prefiro mil vezes mil israel.
    O QUE VC ACHA???

    Responder

    Antonio Carlos

    16 de dezembro de 2017 às 15h27

    Alberto Barbosa nao acho porra alguma, deveria fundamentar melhor seus conceitos

    Responder

    Vicente Cariry

    17 de dezembro de 2017 às 18h55

    O antigo reino dos judeus (não Israel que ficava ao norte e não era aceito pelos judeus), o antigo reino acabou com o domínio romano, a destruição de Jerusalém e a construção da Aelia Capitolina. Depois dos romanos teve, pelo menos a soberania muçulmana por atuais 1400 anos. (Quem quebrou essa soberania foram os cruzados que dominaram Jerusalém por cerca de 100 anos.) Jerusalém, que não era capital de Israel (se não me engano a capital foi Samaria) já tem mais de 1500 anos sem soberania dos judeus (época dos romanos mais muçulmanos pelo menos). O domínio dos judeus começa a se fazer a partir a cerca de 60 anos… Parece piada Jerusalém capital dos judeus! Se for pelos que primeiro dominaram a região fundando Jerusalém bem antes dos israelitas… Só falta encontrar os descendentes…

    Responder

Chadia Regina M S

15 de dezembro de 2017 às 17h26

Pato Donald jogando gasolina no fogo. Perdeu
Mais uma oportunidade para ficar calado

Responder

Acrisio Lima

15 de dezembro de 2017 às 17h00

Os Estados Unidos so ameaça os país de pequeno porte. Vai pra sima da Rússia pra ver se a Rússia aguenta. China Rússia e Índia não é brasil que vocês amercanos fazem o que quer.

Responder

Igor Quiodine

15 de dezembro de 2017 às 16h52

Destruam toda essa merda “histórica”, dividam no meio e parem de brigar por mitos, religião só atrasa a humanidade, como sempre

Responder

    Marcos Vinicius Oliveira

    15 de dezembro de 2017 às 20h02

    O melhor comentário. Lacrou!

    Responder

    Pedro Cândido Aguarrara

    15 de dezembro de 2017 às 18h13

    Ignorância cultural e simplismos atrasam mais ainda a Humanidade.

    Este é um lugar para pessoas acostumadas a pensar com profundidade,
    a estudar os assuntos cuidadosamente antes de dar “opiniões”.

    Tem um ditado mineiro que diz que “opinião é como cú: todo mundo tem.”

    Responder

Mauricio Leal

15 de dezembro de 2017 às 16h42

à

Responder

Mar

15 de dezembro de 2017 às 14h04

Antigamente os EUA dava pitaco no país do outros e todo mundo baixava a cabeça. Hoje eles continuam dando pitaco, só que está difícil encontrar quem abaixe a cabeça com a China e Russia fazendo o contraponto. Aliás, tem um país sim que não só abaixou a cabeça, como também as calças, o Brasil dos coxinhas batedores de panelas.

Responder

Luiz C. Zanin

15 de dezembro de 2017 às 15h54

TRUMP DEVE ESTAR FURIOSO COM ESSA DECISÃO DA CHINA!! KKKK

Responder

Carlos Borges

15 de dezembro de 2017 às 15h53

Agora a cobra fuma. Tiririca made in USA que se vire.

Responder

Afonso Gomes Bento Bento

15 de dezembro de 2017 às 15h47

Aqui no Brasil é o Temer entregando tudo pra eles aff…

Responder

Jean Piergentili

15 de dezembro de 2017 às 15h45

PORQUE NÃO FAZER O GRAND ISR AEL NOS EUA ?????

Responder

    Vicente Cariry

    17 de dezembro de 2017 às 18h59

    Eles seriam deportados para algum Gulag do Alasca. Os que conseguissem sair seriam bem recebidos pelos siberianos… na Rússia.

    Responder

    Vicente Cariry

    17 de dezembro de 2017 às 19h01

    Mas não dê idéias pois os sionistas já andaram fuçando a Patagônia. Seriam varridos para o Polo Sul…

    Responder

José Renato de Deus

15 de dezembro de 2017 às 15h24

Tudo papo furado, a china já está se preparando para decapitar o porquinho maluco da coreia do norte. Eles estão apavorados com o estrago que os EUA irão fazer por lá.

Responder

George Borges

15 de dezembro de 2017 às 15h22

Jerusalem é de Israel!! Herança do Senhor!!

Responder

Sonia Vieira

15 de dezembro de 2017 às 15h19

Jerusalém é da Palestina!!!

Responder

Ricardo

15 de dezembro de 2017 às 13h14

A China, que invadiu o Nepal e quer invadir Taiwan, tem muita moral pra dar palpite sobre independência dos paises, né?

Responder

    Márcio

    15 de dezembro de 2017 às 14h06

    Sr Ricardo, vosmecê simpatiza com o sionismo ?

    Responder

Ricardo

15 de dezembro de 2017 às 13h12

A China, que invadiu o Nepal, e quer pegar pra sí o país de Taiwan, tem muita moral pra dar palpite sobre independência dos países.

Responder

Binho Silva

15 de dezembro de 2017 às 14h56

Jesuralem e de Israel isso é fato historicamente sempre foi

Responder

    Alexandre Maximovitch

    15 de dezembro de 2017 às 15h10

    ?

    Responder

    Binho Silva

    15 de dezembro de 2017 às 15h12

    Responder

    Tereza Nyqvist

    15 de dezembro de 2017 às 15h17

    Nunca foi.

    Responder

    Binho Silva

    15 de dezembro de 2017 às 15h21

    Tereza Nyqvist sempre foi sempre ou a senhora não sabe nada de história ou não sei em qual mundo a senhora vive.

    E Israel São dos Hebreus Negros.

    Responder

    Jakeline Drummond

    15 de dezembro de 2017 às 15h48

    A esquerda so valoriza o que nao presta, e incrivel!

    Responder

    Binho Silva

    15 de dezembro de 2017 às 16h02

    O Povo Burro, quer dizer que qualquer coisa e de esquerda, me provem que Jesuralem não é de Israel

    Responder

    Binho Silva

    15 de dezembro de 2017 às 16h03

    Quero muito que vocês me provem isto

    Responder

    Dani Primavera Nefussi

    15 de dezembro de 2017 às 16h28

    Muda seu livro de historia, amigo. Ou será que vc considera a torah um livro de historia?

    Responder

    Binho Silva

    15 de dezembro de 2017 às 16h31

    Dani Primavera Nefussi acho melhor você estudar um pouco mais viu, a torah não é o Único livro, sei que você é inteligente, sai um pouco de seu mundinho tá

    Responder

    Marcus Cunha

    15 de dezembro de 2017 às 16h34

    Dani Primavera Nefussi o Alcorão cita Jerusalém ZERO vezes.

    Responder

    Marcus Cunha

    15 de dezembro de 2017 às 16h35

    Binho Silva argumento bem infantil dela.

    Responder

    Marcus Cunha

    15 de dezembro de 2017 às 16h37

    Dani Primavera Nefussi A GLOBO insiste em dizer que Israel ocupou Jerusalem em 1967, mas entre 1948 e 1967 quando árabes contrariando a ONU ocuparam Jerusalém aos Judeus não era permitido não só morar como entrar em J.Oriental. O fato real é que Israel em 1967 libertou Jerusalem pois quem ocupava a cidade era a Jordania..Hoje judeus, cristãos e muçulanos, ateus, gays, todos pode visitá-la.

    Responder

    Marcus Cunha

    15 de dezembro de 2017 às 16h39

    Dani Primavera Nefussi Pode parece estranho, mas se vc pesquisar a resolução da ONU que dividiu a Palestina em 1947 irá ver que a divisão foi não enre Palestinos e Judeus mas sim entre Árabes e Judeus. Isso simplesmente porque povo palestino nunca existiu, quem divida aquela região eram basicamente arabes e judeus. Arafat mesmo o palestino mais famoso era egípcio.

    Responder

    Binho Silva

    15 de dezembro de 2017 às 16h39

    Marcus Cunha Salve Lembrar que Israel a muito antigo, mais antigo que os continente Europeu, Americano, Asiático e da Oceania

    Responder

      Benoit

      15 de dezembro de 2017 às 16h41

      Sr “cunha”, o que voce diz é só propaganda. Os Palestinos existem e sempre existiram. O nome Palestino, caso voce não esteja informado, é dado ao povo que viveu durante milhares de anos numa região que costumamos chamar de Palestina, mesmo que voce prefira dar outro nome qualquer a eles. Não faz diferença qual o nome que voce dá. Ben Gurion sabia já muito bem que os palestinos eram os antigos hebreus. Como voce vê, o nome não importa nada. E o fato de haver mais ou menos consciência nacional, que é uma coisa que foi surgindo no mundo no século XIX na sua forma mais moderna, não importa também nada. Os palestinos que viviam na Palestina sabiam muito bem que os judeus que estavam chegando como imigrantes eram estrangeiros, ou seja não eram palestinos ou qualquer nome que voce queira chamar.

      O que voce fala sobre Jerusalem também é falso. Israel atacou a Jordania em 1948 querendo conquistar Jerusalem e todo o território palestino iniciando uma guerra de agressão. Isso não deu certo porque os jordanianos eram o único exército árabe bem treinado para a época. A cidade foi dividida e os palestinos que vinham da parte oeste de Jerusalem não podiam entrar no que tinha sido uma parte da cidade deles. Não podiam rezar na parte oeste da cidade ou visitar as casas deles tomadas ou expropriadas pelos israelenses. Não só isso, tão logo palestinos atravessassem a linha de fronteira para tentar simplesmente voltar à casa deles, eram executados. Há algum tempo uma testemunha israelense da época disse que se eles fossem pegos à noite eles tinham sorte porque eram imediatamente executados. Se fossem pegos de dia eram primeiro torturados antes de ser executados. O mesmo acontecia com os gays palestinos que tentassem passar a linha até onde os israelenses tinham ocupado território.

      A guerra de 1967 teve o propósito de acabar o trabalho de conquista que não tinha dado certo em 1948, como historiadores mostram. O mundo todo considera Jerusalem leste como território palestino ocupado por Israel. Espero que voce possa aprender um pouco com a lição de história.

      Responder

    Dede Bianca Santos

    15 de dezembro de 2017 às 16h40

    Dá uma olhadinha em um censo populacional, no início do século XX, feito pelos ingleses,que governavam Jerusalém a época. Em uma população majoritariamente muçulmana, haviam mais cristãos do que judeus. E os muçulmanos não faziam qualquer tipo de perseguição religiosa. Têm que se entender os fatos que mudaram a partir daí a história do Oriente Médio.

    Responder

    Binho Silva

    15 de dezembro de 2017 às 16h41

    E os Verdadeiros Judeus são Negros

    Responder

    Chadia Regina M S

    15 de dezembro de 2017 às 17h28

    Falta um pouco de Cultura e/ou estudo para vc fazer essa sua observação .
    Leia e aprenda

    Responder

    Binho Silva

    15 de dezembro de 2017 às 17h30

    Chadia Regina M S tem certeza que falta um pouco de Cultura pra mim? Eu acho que não viu, quem falta e essa cultura pra você

    Responder

    Chadia Regina M S

    15 de dezembro de 2017 às 17h31

    Daondeee tirou isso ???

    Responder

    Binho Silva

    15 de dezembro de 2017 às 17h33

    Quer que eu te explico tudo certinho

    Responder

    Binho Silva

    15 de dezembro de 2017 às 17h33

    Ou você vai pesquisar

    Responder

    Benoit

    15 de dezembro de 2017 às 16h26

    Voce quer a prova de que isso que voce diz não é verdade? É fácil. Os Judeus não vêm e nunca vieram da Palestina. Judeus são árabes ou turcos e mais tarde europeus do leste convertidos. O único povo que sempre morou na Palestina e em Jerusalem são os Palestinos, os quais não são árabes. O historiador Shlomo Sand mostrou isso de modo conclusivo no livro dele “A Invenção do Povo Judaico”. O que ele quer dizer é bem claro, o povo judaico é um povo inventado, um povo que nunca existiu. A chamada diáspora é um mito cristão. A verdade é que eles não foram expulsos pelos romanos da Palestina porque nunca estiveram lá como povo. Não existe nada que comprove a expulsão do judeus da Palestina, não existe evidência histórica, arqueológica, não existe uma memória, não existem tradições ligadas a isso porque a expulsão foi uma invenção.

    Responder

    Socorro Pinheiro de Andrade

    16 de dezembro de 2017 às 02h44

    Podia marcos agora nao mas.

    Responder

    Pablo Amaral Mandelbaum

    16 de dezembro de 2017 às 10h51

    Jerusalém para as 3 religiões, compartilhada, ou não haverá paz!

    Responder

    Binho Silva

    16 de dezembro de 2017 às 10h56

    Pablo Amaral Mandelbaum Jerusalém só vai ter paz quando Houver a volta dos verdadeiros Hebreus

    Responder

    Jakeline Drummond

    18 de dezembro de 2017 às 00h16

    Binho Silva vc nao entendeu minha critica. Quem financia ate hoje a guerra naquela regiao sao os russos. Esquerda portanto!

    Responder

    Binho Silva

    18 de dezembro de 2017 às 00h57

    Jakeline Drummond eu fico surpreso com tanta coisas que se falam na internet, Vocês ligam a TV (Globo) e agreditão em tudo oque dizem

    Responder

Deixe uma resposta