Entrevista de Haddad ao SBT

Dia de fúria: os argentinos enfrentam os rentistas, Macri e judiciário

Por Tulio Ribeiro

15 de dezembro de 2017 : 05h30

(crédito imagem: el intransigente)

Assim como prometeram , os movimentos sociais e a CTEB voltaram neste 14 de dezembro a porta do Congresso para lutar contra a reforma da previdência do governo Maurício Macri.

Olhar o protagonismo do povo argentino reforça a ideia que só a participação e mobilização popular poderá frear os retrocessos dos direitos individuais e humanos. Desta vez o uso da força desproporciona,l ordenada pela ministra da Segurança Patricia Bullrich, atingiu não só a classe trabalhadora e estudantes , mas alvejou profissionais da imprensa e deputados da República.

Seja na avenida ” Hipolito Yrigoyen ou Entre Rios” , os manifestantes lutaram na ” Plaza do Congreso” contra uma força de mais de mil homens da ” Gendarmería” . Em alguns momentos os policiais atiravam a esmo e em seguida distribuíam o gás amarelo. Foram 15 detidos e centenas de feridos que levou entidades de direitos humanos, como “H.I.J.O.S Capital, Abuelas de Plaza de Mayo ou Detenidos por Razones Políticas” dentre outras, pedir a liberação imediata dos presos e e interrupção da violência.

A imprensa passou ser objeto de desejo da violência policial que passou atacar sem razão, como descreveu Pablo Poviano, fotógrafo do jornal Pagina 12:

” Um policial me viu com a câmara e disparou a meio metro de mim. Estava quieto com minha câmara e me atingiu sem avisar. Vivemos um tempo de violência e repressão policial preocupante.”

Mesmo os parlamentares que estavam nas ruas tentando dialogar e se indentficaram , foram alvejados com gás de pimenta no rosto . Foram atingidos os deputados da esquerda: Mayra Mendoza, Matias Rodrigues e Horacio Petragalla. É demasiadamente claro que a polícia para deflagar estas atitudes recebeu ordens do executivo e proteção de um judiciário conivente.

Dentro do Congresso uma ópera de terror se delineava. Diante da pressão das ruas a coalizão oficialista tentou continuar sessão sem quorum. Quando a oposição denunciou esta situação, um parlamentar governista sai e volta com mais dois deputados. Nunca se chegou os 129 necessários, apesar da tentativa declarada pela mesa os deputados eram estaduais e nunca tinha sido juramentados.

A ópera se transformou num circo quando o presidente da câmara, Emílio Monzó tentou socar outro parlamentar, Leopoldo Moureau. Diante de tantos devaneios, pressionada pela realidade, a líder de Macri pediu o encerramento da sessão.

No campo da política a crise tem os pilares no oficialismo, pois desde que ganhou as eleições parlamentares o presidente tenta promover um quantidade maior de propostas conservadoras em menor tempo possível. Deste modo vale-se de acordos pontuais com peronismo nos estados. Macri, no âmbito classista, ainda consegue vender a ideia de prosperidade individual para elite , classe média e até parte dos trabalhadores.

A oposição, por sua vez, conseguiu uma vitória ao inviabilizar o quorum. A capacidade de mobilização do kirchnerismo e da esquerda cresceu com uma pauta real e ajudada pelas centrais de trabalhadores e os movimentos sociais, pode ascender.

O que nos mostra estes fatos, é que governo argentino busca retirar mais dos que menos tem, quer se apropriar dos fundos de previdência para dar como garantia aos rentistas e poder se endividar mais com estes e renovando o ciclo. Este objetivo, vem da redução seu déficit orçamentário via aviltamento da renda do trabalhador. A estratégia se dispõe até assaltear os direitos constitucionais, deter o futuro dos classe trabalhadora, golpear deputados, balear fotógrafos e matar os povos originários, os mapuches. Um tango que os argentinos não pretendem deixar tocar.

Tulio Ribeiro

Flávio Túlio Ribeiro Silva é graduado em Ciências econômicas pela UFBA,pós graduado em História Contemporânea pela IUPERJ,Mestre em História Social pela USS-RJ e doutorando em ¨Ciências para Desarrollo Estrategico¨ pela UBV de Caracas -Venezuela

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcos Rebello

16 de dezembro de 2017 às 11h10

Os macaquinhos nem à base de banana se mexem!
E nessa ópera bufa golpista o que mais sobressai são os supostos lideres sindicais: arrastam as sandálias fazendo de conta que são a favor do povo, quando na verdade recebem bola para manterem o povo submisso! Bando de canalhas. Iguais ou piores do que os golpistas. Porque nestes o dissimulo é evidente, mas naqueles é pérfido e cabotino quanto aos deputados e senadores que se vendem por voto na pauta dos interesses externos!
Povinho frouxo, burro e manipulado.

Responder

evaldo cunha ciríaco

15 de dezembro de 2017 às 14h15

oxalá, se essa onda furiosa não chegue aqui!

Responder

    Geovani Deitos

    15 de dezembro de 2017 às 16h22

    Oxalá, que chegue sim senhor.
    É o único jeito de derrotar os golpistas no Brasil.
    Povo na Rua.

    Responder

Mar

15 de dezembro de 2017 às 08h00

Já que os brasileiros foram anestesiados pelo zikaglobo e estão inertes quanto a mobilizações, pelo menos elejam um congresso que defendem a causa popular. Tirem essas misérias de PSDB, DEM, PMDB, PSC e SD do congresso. Vamos fazer maioria com partidos que apoiam a causa popular para reverter os efeitos do golpe.

Responder

Antonio Carregosa

15 de dezembro de 2017 às 07h51

Povo macho, enquanto os daqui…

Responder

Mario Barboza

15 de dezembro de 2017 às 07h42

O mesmo da Suruba Bananil.

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com