O Cafezinho

quinta-feira

11

janeiro 2018

7

COMENTÁRIOS

O delicioso esquerdismo de Star Wars – Os Últimos Jedi

Escrito por , Postado em Cinema, Humor, Ideologia, Pedro Breier

Por Pedro Breier

Assisti ontem Star Wars: Episódio VIII – Os Últimos Jedi. Achei fabuloso.

A crítica política – com viés evidentemente de esquerda – presente no filme é implacável.

O Último Jedi na verdade é A última Jedi. Mulheres, negros e asiáticos bem representados como heroínas e heróis.

O ataque à elite econômica é contundente. Um trecho da crítica de Pablo Villaça:

Aliás, há, neste Episódio VIII, toda uma sequência que sequer tenta ser sutil ao retratar a elite econômica como uma classe composta por sociopatas que não hesitam em explorar e destruir a Natureza por puro entretenimento, empregando também o trabalho infantil sem qualquer remorso enquanto protesta diante de qualquer coisa que considere como invasão de seu espaço (com direito a praia particular e tudo mais). Mais do que isso: através do personagem de Benicio Del Toro, o roteiro denuncia como a busca desenfreada pelo lucro supera qualquer tipo de moralidade mais básica, o que, associado à estupidez da guerra, abandona o homem comum à própria sorte, atirado entre forças muito maiores do que ele e que o empregam apenas como peão de um jogo cujos resultados – sejam lá quais forem – o terão como derrotado.

Villaça explica didaticamente, neste post, aos reaças indignados com o esquerdismo do filme que a franquia sempre teve um viés canhoto. Ele cita também um episódio hilário que gostaria de dividir com as leitoras e leitores do Cafezinho.

Lembram do Rodrigo Constantino, aquele colunista sofrível que foi demitido da Veja e do Globo depois de perder sua serventia como fornecedor de chorume para o público alvo dos golpistas de 2016?

Antes de ver o filme, ele escreveu um texto com o título “Star Wars anticapitalista? Poupe-me!” para criticar a afirmação do Pablo Villaça de que o filme fazia uma crítica forte às elites econômicas e ao capitalismo. Com os argumentos geniais de sempre, como uma foto de George Lucas com os personagens da Disney.

Depois de ver o filme, Rodrigo Dá Bilhão Constantino postou um texto revoltado com o, surpresa, esquerdismo de Os Últimos Jedi. Se estiverem a fim de dar umas boas risadas, leiam aqui.           

Constantino critica até o fato de Luke Skywalker lutar com o seu sobrinho “por meio de um holograma, nem sequer capaz de estar fisicamente presente para o combate”. Nota-se que entende tanto de espiritualidade quanto de política e economia. Luke é mostrado estando em estado meditativo em outro lugar durante o referido combate; portanto não se trata de um holograma, mas de um corpo mais sutil do próprio Luke que vai para o campo de batalha.

No meio de um período tão difícil para quem luta contra os Impérios que oprimem a humanidade – do dinheiro, da força bruta, do cerceamento das liberdades – é bonito ver que a arte resiste, mesmo em um blockbuster hollywoodiano.

Os inconformados podem ficar furibundos o quanto quiserem.

O filme nos lembra que a ideia da liberdade não morrerá jamais, não importa o quão forte e seguro de si seja o opressor. E enquanto a ideia estiver viva, a esperança também estará.

 

quinta-feira

11

janeiro 2018

7

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 COMENTÁRIOS

  1. Ac
  2. Marcel F
  3. Luiz Carlos P. Oliveira
  4. Luiz Carlos P. Oliveira
  5. Reginaldo Gomes
  6. Sidely Ferreira
Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com