Haddad entrevista Boulos

Cafezinho entrevista, ao vivo, Nildo Ouriques

Por Miguel do Rosário

30 de janeiro de 2018 : 11h42

O Cafezinho no Almoço, nosso bate papo ao vivo diário, de segunda a sexta, interrompe o recesso que o editor se autoimpôs até abril, e volta hoje, excepcionalmente, para entrevistar Nildo Ouriques, professor de economia na UFSC e pré-candidato do PSOL à presidência da república.

Você pode assistir ao vídeo no player abaixo. Se quiser participar do bate papo, você tem de assistir diretamente em nossa página no youtube, clicando aqui.

Registro do batepapo.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marco A.

16 de junho de 2019 às 00h27

Fico me perguntando por que o Nildo Ouriques ainda faz comentários no blog dos alucinados do Duplo Expresso. Já há alguns meses, enviei-lhe um comentário, no correio do IELA, explicando quem eram (são) aquelas biscas, mas ainda assim, ele continua dando o ar da graça por lá. E os carasdescem o sarrafo no PSol, partido ao qual NO é filiado. Pelo menos o era até bem pouco. Mas coerência, atualmente, é algo raro. Uma pena.

Responder

André Romero

24 de maio de 2018 às 11h17

Miguel, prazer em conhecê-lo
Sou leitor dos blogs progressistas como o seu há muito tempo e quero dar um alerta para todos aqui.
Sou leitor do Diário do Centro do Mundo desde 2013 ou 14, com inúmeras contribuições dadas na seção de debates (Disqus) do site.
Nos últimos tempos, o DCM tem postado sistematicamente uma série de ataques contra Ciro, o que tem gerado contestação e protesto de uma parte considerável dos leitores, que discordam dessa linha editorial adotada. Como reação, os chamados “defensores de Ciro” são atacados diariamente com xingamentos, palavras de ordem “gritadas” em caixa alta e até “ordens” para que esses saiam da seção de comentários, dizendo que ali não é o lugar deles, sem qualquer posicionamento quanto a isso por parte do site. Esse mesmo comportamento, inclusive, já foi sentido pelo próprio Miguel do Rosário aqui, pelo que tenho acompanhado.
Tenho me posicionado criticamente a isso e, embora com o devido cuidado, protestado duramente contra o posicionamento do site que, para mim e vários outros, se tornou (ou sempre foi e nunca percebi) um mero veículo de propaganda partidária e não um lugar plural de debates. No entanto, tinha sempre a preocupação de não baixar o nível em meus comentários, embora respondesse as provocações gratuitas e os ataques, e de fundamentar corretamente minhas opiniões. Para atestar minha moderação, fazia questão de afirmar que não era Ciro, e sim “estava” Ciro, nas atuais circunstâncias. Acima de tudo, sempre deixei claro de que aquilo era apenas a minha opinião e que não me achava o dono da verdade.
Participando de uma conversa saudável com um leitor a respeito de uma possível candidatura Ciro, ontem fui postar uma réplica e descobri – para meu total espanto – que tinha sido BANIDO do site, por motivo não justificado. Todos os meus comentários haviam sido apagados – todos – e me vi impedido de postar um mísero protesto a respeito.
Nunca usei de xingamentos numa postagem contra ninguém e sempre debati de forma tranquila, angariando o respeito de muita gente, inclusive o de petistas convictos lá que, mesmo com resistências, elogiavam o alto nível de argumentação em meus comentários – quase todos com muitos “likes”. No máximo, sempre em resposta a ataques de radicais (que nunca partiam de mim), usava da ironia e palavras “fanatismo”, “radical” e fanboy” para designar alguém que me atacava, mostrando a hipocrisia de seus argumentos. Se alguém de lá tentar justificar meu banimento dizendo que feri as regras do site, tenho todos os meus posts registrados na minha conta Disqus para provar o que afirmo aqui. Meus comentários eram de longe muito mais suaves do os de muita gente por lá.
A única coisa que posso pensar, com alguma revolta, é a de que sofri uma censura absurda, arbitrária, antidemocrática e que talvez vá ao encontro da linha editorial adotada pelo site recentemente que, na minha opinião (e a de muita gente boa), virou panfleto dos interesses de um partido, ao invés de servir como ponto de discussão do campo progressista. O que eles conseguiram – e eu os adverti em meus comentários quanto a isso – é que eles só estavam conseguindo angariar a antipatia e a perda do leitores de esquerda que não rezam pela cartilha do partido deles, provocando mais divisão no nosso campo. A mim ao menos eles já perderam.
Por fim, deixo claro que não sou nem nunca fui filiado a nenhum partido político, sequer passei na porta de qualquer reunião ou protesto partidário, sendo apenas um leitor que vê na política um assunto interessante para se debater. Essa atitude que sofri ajuda a explicar porque não há mais aquelas mobilizações de rua do passado, pois as pessoas descobrem a cada dia que aqueles que dizem lutar pela democracia o fazem apenas da boca para fora e usam as mesmas táticas daqueles setores que eles denunciam. Depois de sofrer essa violência, não faço questão alguma de sequer abrir esse site para mais nada, mas fica aqui meu protesto e alerta. Grande abraço.

Responder

Leo Salvador

30 de janeiro de 2018 às 13h22

Não se pode esperar nada dos tribunais superiores. Carmen Lúcia tem pânico dos editoriais do estadão, folha e globo. Perderemos todas no plano institucional. O pior que foi o PT que montou esses tribunais. Não aprenderam nada com o mensalão. Após o mensalão, aprovaram leis e nomearam ministros, como bem disse Miguel, que depois foram utilizados contra o projeto popular. A questão agora é em cima de duas opções, ao meu ver, prisão de um inocente ou asilo politico. Opto por uma questão humanitária no asilo para Lula. e ele de lá ajuda no processo de reconstrução da nossa democracia.

Responder

Deixe uma resposta

x