O depoimento de Lula à juíza Gabriela Hardt

Ibope: Lula avança 4 pontos; Marina perde 1 ponto; Ciro e Alckmin ganham 1 ponto

Por Miguel do Rosário

20 de agosto de 2018 : 19h27

No G1

Pesquisa Ibope: Lula, 37%; Bolsonaro, 18%, Marina, 6%; Ciro, 5%; Alckmin, 5%

Alvaro Dias tem 3%. Eymael, Boulos, Meirelles, Amoêdo têm 1% cada. Demais candidatos não atingem 1%. Levantamento foi feito entre os dias 17 a 19 e ouviu 2002 eleitores em 142 municípios.

Por G1, Brasília

20/08/2018 18h57

Pesquisa Ibope divulgada nesta segunda-feira (20) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para presidente da República no cenário que inclui como candidato do PT o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva:

Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 37%
Jair Bolsonaro (PSL): 18%
Marina Silva (Rede): 6%
Ciro Gomes (PDT): 5%
Geraldo Alckmin (PSDB): 5%
Alvaro Dias (Podemos): 3%
Eymael (DC): 1%
Guilherme Boulos (PSOL): 1%
Henrique Meirelles (MDB): 1%
João Amoêdo (Novo): 1%
Cabo Daciolo (Avante): 0
Vera (PSTU): 0
João Goulart Filho (PPL): 0
Branco/nulos: 16%
Não sabe/não respondeu: 6%

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal “O Estado de S.Paulo”. É o primeiro levantamento do Ibope realizado depois da oficialização das candidaturas na Justiça Eleitoral.

Cenário com Haddad

(…)

Jair Bolsonaro (PSL): 20%

Marina Silva (Rede): 12%
Ciro Gomes (PDT): 9%
Geraldo Alckmin (PSDB): 7%
Fernando Haddad (PT): 4%
Alvaro Dias (Podemos): 3%
Eymael (DC): 1%
Guilherme Boulos (PSOL): 1%
Henrique Meirelles (MDB): 1%
João Amoêdo (Novo): 1%
Cabo Daciolo (Avante): 1%
Vera (PSTU): 1%
João Goulart Filho (PPL): 1%
Branco/nulos: 29%
Não sabe/não respondeu: 9%

Para comparação com a última pesquisa Ibope, do final de junho, seguem dois gráficos dela:

Como se vê, Lula cresceu 4 pontos, de 33% para 37%. Marina emagreceu 1. Ciro oscilou 1 para cima, encostando em Marina. Alckmin também oscilou 1 positivamente. Haddad subiu de 2% para 4%. Bolsonaro também cresceu: 3 pontos em relação à junho.

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

39 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alexandre Neres

21 de agosto de 2018 às 09h47

Dizem as más línguas que está surgindo uma voz surda, que vai tomando corpo, ecoando dos grotões do País. Dos seus rincões, o povão já se deu conta do apoio do ômi e está se perguntando: quem é esse que não se fala noutro assunto, o “Andrade”?

Responder

    Jochann Daniel

    21 de agosto de 2018 às 12h32

    Subliminar de troller.
    “Alexandre Neres”
    (ou será Sergio Sete,
    ou será Brasileiro da Silva,
    ou Ricardo,
    ou gN,
    ou….
    ou…
    ou outro qualquer bandido
    a serviço
    e em colaboração
    com os inimigos do Brasil
    e dos brasileiros?)

    Responder

Cesar

20 de agosto de 2018 às 23h34

https://journal-neo.org/2018/08/20/washington-s-silent-weapon-for-not-so-quiet-wars/ — F. William Engdahl —

A arma silenciosa de Washington para guerras não tão silenciosas

Hoje, de longe, a arma mais mortal de destruição em massa do arsenal de Washington não está no Pentágono ou em suas tradicionais máquinas de matar. É de fato uma arma silenciosa: a capacidade de Washington de controlar a oferta global de dinheiro, de dólares, por meio de ações do Federal Reserve, de propriedade privada, em coordenação com o Tesouro dos EUA e seletos grupos financeiros de Wall Street. Desenvolvido ao longo de um período de décadas desde a dissociação do dólar do ouro por Nixon em agosto de 1971, hoje o controle do dólar é uma arma financeira que poucas nações rivais estão preparadas para suportar, pelo menos não ainda.

Dez anos atrás, em setembro de 2008, o secretário do Tesouro dos EUA, ex-banqueiro de Wall Street Henry Paulson, deliberadamente retirou o sistema de dólar global ao permitir que o Lehman Bros, um banco de investimentos de porte médio de Wall Street, fosse para baixo. Nesse ponto, com a ajuda dos infinitos recursos criadores de dinheiro do Fed, conhecidos como Quantitative Easing, a meia dúzia dos principais bancos de Wall Street, incluindo o próprio Goldman Sachs, de Paulson, foi resgatada de um desastre criado por suas finanças securitizadas. O Fed também agiu para dar centenas de milhares de milhões de linhas de crédito em dólares aos bancos centrais da UE para evitar uma escassez de dólares que teria derrubado a arquitetura financeira global. Na época, seis bancos da zona do euro tinham dívidas em dólar superiores a 100% do PIB de seus países.

Um mundo cheio de dólares

Desde aquela época, há uma década, a oferta de dólares baratos para o sistema financeiro global subiu para níveis sem precedentes. O Instituto para Finanças Internacionais, em Washington, estima que a dívida das famílias, governos, corporações e setor financeiro nos 30 maiores mercados emergentes subiu para 211% do produto interno bruto no início deste ano. Foi de 143% no final de 2008 .

Dados adicionais do Washington IIF indicam a escala de uma armadilha da dívida que está apenas nos estágios iniciais de detonação nas economias menos avançadas da América Latina, da Turquia à Ásia. Excluindo a China, a dívida total dos mercados emergentes, em todas as moedas, incluindo domésticas, quase dobrou de 15 trilhões de dólares em 2007 para 27 trilhões de dólares no final de 2017. A dívida da China no mesmo período passou de 6 trilhões de dólares para 36 trilhões de dólares segundo o IIF . Para o grupo de países de Mercados Emergentes, suas dívidas em dólares cresceram para US $ 6,4 trilhões, contra US $ 2,8 trilhões em 2007. As empresas turcas agora devem quase US $ 300 bilhões em dívidas estrangeiras, mais da metade de seu PIB, a maioria em dólares. . Os mercados emergentes preferiram o dólar por muitas razões .

Enquanto essas economias emergentes estavam crescendo, ganhando dólares de exportação a uma taxa crescente, a dívida era administrável. Agora tudo está começando a mudar. O agente dessa mudança é o banco central mais político do mundo, o Federal Reserve dos Estados Unidos, cujo novo presidente, Jerome Powell, é um ex-sócio do assustador Carlyle Group. Argumentando que a economia interna dos EUA é forte o suficiente para que eles possam retornar as taxas de juros do dólar para o “normal”, o Fed iniciou uma mudança titânica na liquidez do dólar para a economia mundial. Powell e o Fed sabem muito bem o que estão fazendo. Eles estão aumentando os níveis de dólar para precipitar uma grande nova crise econômica em todo o mundo emergente, especialmente das principais economias da Eurásia, como Irã, Turquia, Rússia e China.

Apesar de todos os esforços da Rússia, China, Irã e outros países de se desviarem da dependência do dólar para o comércio internacional e finanças, o dólar permanece incontestado como moeda de reserva do Banco Central, cerca de 63% de todas as reservas do BIS. Além disso, quase 88% dos negócios diários em moeda estrangeira estão em dólares americanos. A maioria das operações de comércio de petróleo, ouro e commodities são denominadas em dólares. Desde a crise grega em 2011, o euro não tem sido um rival sério para a hegemonia da moeda de reserva. Sua participação nas reservas é de cerca de 20% hoje.

Desde a crise financeira de 2008, o dólar e a importância do Fed expandiram-se para níveis sem precedentes. Isso só agora começa a ser apreciado à medida que o mundo começa a sentir, pela primeira vez desde a escassez de dólares reais de 2008, o que significa um custo muito maior para pedir mais dólares para refinanciar a dívida antiga do dólar. O pico para a dívida total em dólares em mercados emergentes está vencendo em 2019, com mais de 1,3 trilhão de dólares vencendo.

Aqui vem a armadilha. O Fed não está apenas insinuando que aumentará as taxas dos fundos do Fed dos EUA mais agressivamente no final deste ano para o próximo. Também está reduzindo o montante da dívida do Tesouro dos EUA que comprou após a crise de 2008, o chamado QT ou Quantitative Tightening.

De QE para QT …

Depois de 2008, o Fed começou o que foi chamado de Quantitative Easing. A Fed comprou uma soma impressionante de títulos dos bancos até um pico de 4,5 trilhões de dólares, de apenas 900 bilhões de dólares no início da crise. Agora o Fed anuncia que planeja reduzi-lo em pelo menos um terço nos próximos meses.

O resultado do QE foi que os principais bancos por trás da crise financeira de 2008 foram inundados com liquidez do Fed e as taxas de juros despencaram para zero. Essa liquidez bancária, por sua vez, foi investida em qualquer parte do mundo, oferecendo retornos mais altos, já que os títulos americanos pagavam juros próximos de zero. Entrou em títulos de alto risco no setor de óleo de xisto, em um novo mini-boom habitacional nos EUA. Mais acentuadamente, os dólares líquidos entraram em mercados emergentes de maior risco, como Turquia, Brasil, Argentina, Indonésia e Índia. Dólares inundaram a China, onde a economia estava em alta. E os dólares foram despejados na Rússia antes que as sanções dos EUA iniciassem no início do ano, o que causou calafrios nos investidores estrangeiros.

Agora o Fed começou QT – Quantitative Tightening – o reverso do QE. No final de 2017, o Fed começou lentamente a reduzir suas posições de títulos, o que reduz a liquidez do dólar no sistema bancário. No final de 2014, o Fed já parou de comprar novos títulos do mercado. A redução dos títulos do Fed, por sua vez, elevou as taxas de juros. Até o verão, tudo era “gentil e gentilmente”. Em seguida, o presidente dos EUA lançou uma ofensiva global de guerra comercial, criando uma enorme incerteza na China, América Latina, Turquia e além, e novas sanções econômicas à Rússia e ao Irã.

Hoje, o Fed está permitindo que 40 bilhões de dólares do seu Tesouro e títulos corporativos amadureçam sem substituí-los, subindo para 50 bilhões de dólares mensais ainda este ano. Isso tira esses dólares do sistema bancário. Além disso, para agravar o que está rapidamente se tornando uma grande escassez de dólares, a lei de corte de impostos Trump está adicionando centenas de bilhões ao déficit que o Tesouro dos EUA terá que financiar ao emitir novas dívidas de títulos. À medida que a oferta de títulos do Tesouro dos EUA aumenta, o Tesouro será forçado a pagar juros mais altos para vender esses títulos. Taxas de juros mais altas nos EUA já estão atuando como um ímã para sugar dólares de volta para os EUA de todo o mundo.

Somando-se ao aperto global, sob pressão do domínio do Fed e do dólar, o Banco do Japão e o Banco Central Europeu foram forçados a anunciar que não comprariam mais títulos em suas respectivas ações de QE. Desde março, o mundo realmente esteve na nova era do QT.

A partir daqui, parece ser dramático, a menos que o Fed faça uma reviravolta e recomeça com uma nova operação de liquidez do QE para evitar uma crise sistêmica global. Nesse momento isso parece improvável. Hoje, os bancos centrais do mundo, mais do que antes de 2008, dançam ao som do Federal Reserve. Como Henry Kissinger supostamente declarou na década de 1970 “Se você controla o dinheiro, você controla o mundo”.

Uma nova crise global de 2019?

Embora até agora o impacto da contração do dólar tenha sido gradual, está prestes a se tornar dramático. O balanço dos bancos centrais do G-3 aumentou apenas 76 bilhões de dólares no primeiro semestre de 2018, em comparação com um aumento de 703 bilhões de dólares nos seis meses anteriores – quase meio trilhão de dólares do pool global de empréstimos. A Bloomberg estima que as compras de ativos líquidos pelos três principais bancos centrais cairão para zero até o final deste ano, de perto de 100 bilhões de dólares por mês no final de 2017. Isso significa um equivalente de 1,2 trilhão de dólares de liquidez em dólares. em 2019 no mundo.

A lira turca caiu pela metade desde o início deste ano em relação ao dólar americano. Isso significa que grandes construtoras turcas e outras que conseguiram tomar dinheiro emprestado com dinheiro “barato” agora precisam encontrar o dobro da quantia de dólares para pagar essas dívidas. A dívida não é em grande parte a dívida turca estadunidense, mas sim empréstimos corporativos privados. As empresas turcas devem cerca de 300 bilhões de dólares em dívidas em moeda estrangeira, a maioria dos dólares, quase a metade do PIB total do país. Essa liquidez em dólar manteve a economia turca em crescimento desde a crise financeira dos EUA em 2008. Não só a economia turca… os países asiáticos do Paquistão à Coréia do Sul, menos a China, emprestaram cerca de 2,1 trilhões de dólares.

Enquanto o dólar se desvalorizou contra essas moedas e o Fed manteve as taxas de juros baixas – a partir de 2008 – 2015, houve pouco problema. Agora tudo isso está mudando e dramaticamente. O dólar está subindo fortemente contra todas as outras moedas, 7% este ano. Combinado com isso, Washington está deliberadamente iniciando guerras comerciais, provocações políticas, quebra unilateral do tratado do Irã, novas sanções à Rússia, Irã, Coréia do Norte, Venezuela e provocações sem precedentes contra a China. As guerras comerciais de Trump, ironicamente, levaram a uma “fuga para a segurança” de países emergentes como a Turquia ou a China para os mercados dos EUA, mais notavelmente o mercado de ações.

O Fed está a armar o dólar americano e as condições prévias são em muitos aspectos similares àquelas durante a crise asiática de 1997. Então tudo o que precisava era de um ataque conjunto dos fundos de hedge americanos à economia asiática mais fraca, o Baht tailandês para provocar o colapso na maior parte do sul da Ásia para a Coréia do Sul e até Hong Kong. Hoje o gatilho é Trump e seus belicosos tweets contra Erdogan.

As guerras comerciais Trump dos EUA, as sanções políticas e as novas leis tributárias, no contexto da clara estratégia do Fed de endurecimento do dólar, fornecem o pano de fundo para travar uma guerra em dólar contra os principais oponentes políticos do mundo sem nunca ter que declarar guerra. Só foi necessária uma série de provocações comerciais contra a enorme economia chinesa, provocações políticas contra o governo turco, novas sanções infundadas contra a Rússia e bancos de Paris a Milão, de Frankfurt a Nova York e qualquer outra pessoa com empréstimos em dólar para mercados emergentes de maior risco. começou a corrida pela saída. A Lira entra em colapso como resultado da venda quase em pânico, ou da crise do Irã, a queda do rublo russo. Tudo reflete o começo, como é provável o declínio na China Renminbi, de uma escassez global de dólares.

Se Washington conseguir, em 4 de novembro, cortar todas as exportações de petróleo do Irã, os preços do petróleo no mundo (dólar) poderão subir acima de 100 dólares, aumentando drasticamente a escassez do dólar mundial em desenvolvimento. Isto é guerra por outros meios. A estratégia do Fed Dollar está agindo agora como uma “arma silenciosa” para guerras não tão tranquilas. Se continuar, poderá causar um sério revés para a crescente independência dos países da Eurásia em torno da China New Silk Road e da alternativa Rússia-China-Irã ao sistema do dólar. O papel do dólar como principal moeda de reserva global e a capacidade do Federal Reserve de controlá-lo é uma arma de destruição maciça e um pilar estratégico do controle da superpotência norte-americana. As nações da Eurásia ou mesmo o BCE estão prontas para lidar eficazmente?

Responder

    Jochann Daniel

    21 de agosto de 2018 às 12h27

    Caro Cesar,
    você parece estar
    (muito) bem informado.
    Falta informar
    que a Organização de Rothschild
    (os mesmos
    nossos inimigos)
    está por trás
    de tudo isso
    (são praticamente
    os donos do FED,
    por exemplo).
    Controlam
    toda a Grande Mídia
    americana
    (além da ocidental),
    e com ela promoveram
    e venderam
    aos borbotões
    os papeis “sopa de letras”
    (soap letters)
    que ofereciam
    juros altíssimos.
    Mas
    os “sopa de letras”
    não tinham lastro
    econômico/financeiro,
    eram só propaganda,
    eram só
    uma bolha inflacionária.
    A Organização
    comprou/pagou, aliciou, subornou
    de soldados rasos
    (os funcionários de bancos e financeiras,
    vendedores dos papeis)
    até presidentes
    de TODOS os bancos
    e financeiras
    para “fecharem os olhos”
    à artificialidade
    do lastro,
    e “empurrarem” os papeis
    “sopa de letras”
    com todo empenho.
    Jornais (que são controlados
    pela Organização)
    informaram
    (na cara de pau)
    quanto a Organização
    pagou no total
    (teve presidente de banco
    que ganhou U$ 150 MILHÕES!!!!……),
    mas,
    divergiram muito
    quanto aos totais pagos.
    O New York Times
    disse que foi U$ 20 BIlhões,
    o Guardian
    disse que foi mais
    de 70 BIBI……
    Todo mundo comprou
    os soap letters.
    De pequenos
    até mega investidores físicos;
    de governos
    (a Grécia havia se entupido
    de soap letters…..),
    até
    grandes empresas internacionais,
    grandes bancos
    e grandes financeiras.
    Foi aí
    que a Organização
    deu velada ordem
    para vender
    os sopa de letras.
    Uma espiral de venda
    brutal
    levou os preços
    a quase nada.
    O prejuízo mundial
    foi catastrófico.
    Foi de governos
    (Espanha,
    Grécia
    e muitos outros)
    até mega/enormes
    bancos e financeiras
    (Lehmann Brothers
    e cerca de cinquenta outros
    mega bancos
    foram à falência,
    nos Estados Unidos e na Europa,
    além de mega financeiras)
    Os mega bancos e financeiras
    que não faliram
    foram todos comprados
    a preços
    “bem camaradas”
    pela Organização
    (entenderam?????)
    FORAM OS PAPEIS SOPA DE LETRAS
    QUE GERARAM
    A GRANDE CRISE ECONÔMICA
    DE 2008, (QUE LULA CHAMOU DE MAROLINHA)
    A QUAL PERDURA
    ATÉ HOJE”””””””””””””””””””!!!!!!!!!!
    A Grande Mídia
    contou isso
    para você????????????
    Em tempo>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> eu não compraria bitcoins………………………..

    Responder

      Jochann Daniel

      21 de agosto de 2018 às 13h10

      Por esta e outras
      que Puttin
      deu
      um ponta pé na…………………. b
      desses patifes.
      (por isto é que Puttin é satanizado pela Mídia ocidental).
      Por esta e outras
      que a China
      o Irã,
      Cuba,
      a Coreia do Norte, não deixam
      os Rothschild
      se criarem por lá.
      Por esta e por outras
      que a Islândia,
      a Hungria
      também deram
      um ponta pé na ……..b….desses meliantes
      E são
      para esses bandidos
      que os troller trabalham.
      Difamando,
      achincalhando,
      ironizando,
      desmerecendo,
      menosprezando Lula,
      o PT,
      o petismo
      e todos aqueles
      que querem fazer
      algum bem
      para o Brasil
      e para os brasileiros.
      Só nesta matéria,
      fazendo comentários,
      inclusive para confundir os leitores,
      podemos citar os trollers:
      >>>> “Brasileiro da Silva”
      >>>> “Sergio Sete”
      >>>> e outros, que, nestes comentários, astutamente
      não se expuseram…………
      >>>> mas acabam se expondo,
      tal como “Alan Cepile”
      aquele do Lula
      falando em “grelo duro”
      E Miguel do Rosário
      dá abrigo a esses bandidos
      no Cafezinho
      e ainda debate
      com um deles……………………….sei não………………….

      Responder

        Jochann Daniel

        22 de agosto de 2018 às 12h37

        Faltou incluir
        na lista dos que deram
        um pontapé
        na……………….. b desses bandidos
        >>>>>>>>>>>>> o Ivo Morales, da Bolívia
        >>>>>>>>>>>>> o Nicolás Maduro, da Venezuela
        Bolívia é pobre e a Organização não liga para eles.
        Mas, entendeu
        porque a Mídia
        (e os trollers no Cadezinho)
        satanizam
        Nicolás Maduro e a Venezuela?
        Além da maior reserva de petróleo do Mundo…………………..

        Responder

JOÃO BATISTA

20 de agosto de 2018 às 23h24

A mesma pesquisa ibope sem lula:
Bolsonaro, 20
Marina, 12
Ciro, 9
Alckmin, 7
Haddad, 4.

Responder

    Brasileiro da Silva

    20 de agosto de 2018 às 23h29

    2º turno Bolsonaro x Marina. Em quem os ptminions votam?

    Responder

      Entregominion

      21 de agosto de 2018 às 06h11

      Eu vou votar no que a rede Globo indicar.

      Responder

      Jochann Daniel

      21 de agosto de 2018 às 12h41

      Aí o troller
      “Brasileiro da Silva”
      vai ficar satisfeito.
      Ver o brasileiro
      ter que votar
      no Coisa do Mal
      ou na Coisa Ruim…
      Troller é isso aí.
      Trabalha colaborando
      com o inimigo
      para o Mal do Brasil.
      E muito satisfeito fica,
      com isso……

      Responder

luis castro

20 de agosto de 2018 às 21h37

A ressentida Marina só tem um objetivo agora destruir Lula e o PT, Não tem mais lado, ou melhor, é do lado que derrote Lula e o PT, Isso era provou quando apoiou Aécio no segundo turno contra Dilma, Portanto, não tenho a menor dúvida se a final desta eleição for entre Lula e Bolsonaro, ou no caso do impedimento de Lula, for Haddad e Bolsonaro, ela apóia o Boçalnato.

Responder

    Brasileiro da Silva

    20 de agosto de 2018 às 21h51

    E se for entre ela e Bolsonaro? Vc vota em quem?

    Responder

      Baruch

      20 de agosto de 2018 às 22h37

      Entre Bolsonaro e Marina provavelmente vote em Bolsonaro. Prefiro o neoliberalismo as claras que o disfarçado de progressismo.

      Responder

        Brasileiro da Silva

        20 de agosto de 2018 às 22h48

        Parabéns. Uma resposta honesta, o que é difícil por aqui.

        Responder

        Serg1o Se7e

        21 de agosto de 2018 às 09h37

        Rara coragem e bom senso por aqui.
        Parabéns!
        Espero que os fanáticos não crucifiquem você agora….

        Responder

Luis Castro

20 de agosto de 2018 às 21h09

A fixação em Ciro impede você de fazer uma análise mais realista. Sem Lula, Haddad chega a 17% encosta no Bolsonaro 20%. Ciro fica sempre atrás da traira Marina, está sim é perigosa e tem potencial de crescer, como já mostrou em eleições anteriores, nos eleitores de Lula por sua origem pobre. Esquece Ciro que não tem potencial, conforme já demonstrou em eleições anteriores, e vai amargar um distante quinto lugar, ficando não só atrás da Marina como de Alckmin.

Responder

    Miguel do Rosário

    21 de agosto de 2018 às 09h59

    Luis, por que esquecer o Ciro? Ele é um candidato importante nessa eleição, não apenas pelo tamanho eleitoral, empatado em segundo lugar com Marina, mas porque estabeleceu pontes com setores sociais diferentes do petismo, o que o torna uma força importante não apenas para o segundo turno como para o governo. A luta que se iniciará depois da eleição vai ser muito mais dura que a eleição em si, e aí vamos precisar, mais que nunca, de construir alianças e estender pontes.

    Responder

Brasileiro da Silva

20 de agosto de 2018 às 20h08

Miguel, fiquei em dúvida. é possível publicar um cenário sem todos os candidatos ou não?

Responder

    Miguel do Rosário

    20 de agosto de 2018 às 20h22

    Pois é, eu achei que não. Mas a Globo/Ibope conseguiram. Quem pode, pode. Vamos ver se o Datafolha pode também. Como analista, eu acho bom, porque me ajuda a entender os diversos cenários.

    Responder

      Brasileiro da Silva

      20 de agosto de 2018 às 20h29

      Vou pesquisar. Se achar algo, lhe mando. Obrigado.

      Responder

      Brasileiro da Silva

      20 de agosto de 2018 às 20h54

      “RESOLUÇÃO Nº 23.549, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2017.
      CAPITULO I
      Art. 3º A partir das publicações dos editais de registro de candidatos, os nomes de todos os candidatos cujo registro tenha sido requerido deverão constar da lista apresentada aos entrevistados durante a realização das pesquisas.”

      Mas nada fala sobre cenários “alternativos”.

      Responder

      Jochann Daniel

      20 de agosto de 2018 às 22h55

      Miguel do Rosário.
      “Brasileiro da Silva”
      é manjadíssimo troller.
      E você debate com ele????

      Responder

Alan Cepile

20 de agosto de 2018 às 19h52

ATENÇÃO!!

Sabe o que me assusta?

No cenário sem Lula, que é o que provavelmente irá acontecer:

Esquerda = 15% dos votos
Direita = 45% dos votos

Responder

    Brasileiro da Silva

    20 de agosto de 2018 às 20h10

    Só Ciro e Marina somam 21%

    Responder

      Alan Cepile

      20 de agosto de 2018 às 20h36

      Somei Marina na direita, pois todas as suas ações, comentários, apoios, declarações e etc são fiéis a um político de direita.

      Responder

        Brasileiro da Silva

        20 de agosto de 2018 às 20h41

        Marina na direita? Vc forçou. Só os ptminions acham isso.

        Responder

          Alan Cepile

          20 de agosto de 2018 às 20h53

          1º) Tô longe de ser ptminion…
          2º) Não me lembro de qualquer coisa que lembre esquerda vindo da Marina.

          Responder

            Brasileiro da Silva

            20 de agosto de 2018 às 21h28

            Eu concordo que vc não é um ptminion, mas Marina de direita?

            Responder

              CezarR

              20 de agosto de 2018 às 21h35

              Marina é exatamente o que se propõe a ser, nem de direita nem de esquerda, de centro, portanto.

              Responder

              Alan Cepile

              21 de agosto de 2018 às 01h19

              Vc cita alguma atitude dela de centro esquerda??
              Os eleitores dela podem ser boa parte de esquerda (mal informados no entanto) mas ela não.

              Responder

                CezarR

                21 de agosto de 2018 às 11h52

                Ela não é centro-esquerda é de centro e só!

                Responder

            Serg1o Se7e

            21 de agosto de 2018 às 09h40

            Que tal 30 anos filhada ao PT?

            Responder

            ari

            21 de agosto de 2018 às 11h33

            Supondo que nenhum acidente tenha acontecido com ela na última hora, imagino que ela ainda tenha mão e pé direitos

            Responder

      CezarR

      20 de agosto de 2018 às 20h37

      Marina é de centro.

      Responder

Alan Cepile

20 de agosto de 2018 às 19h46

Apesar de ser chamada de “Globope”, junto com o Datafolha é a pesquisa que eu mais confio.

Ciro está invicto, melhora a cada pesquisa.

Haddad segue com números pífios.

Lula cresceu bem, masssss…. Nem precisa dizer né?…

Marina precisa ser desconstruída pela esquerda (Haddad, Ciro e Boulos), sem Lula ela ganha 6 pontos, mais do que qualquer outro.

A aberração eleitoral dos lulistas votando na direita no cenário sem Lula continua… os mesmos 4% da pesquisa anterior, os mesmos 4% que Haddad tem. Bizarro!

Responder

    Marcelo

    20 de agosto de 2018 às 20h44

    Bizarro é levar à sério pesquisa do globope.

    Responder

      Alan Cepile

      20 de agosto de 2018 às 20h55

      É a que tem acertado mais nas últimas eleições junto com o Datafolha.

      Esquisito é pesquisa por telefone como a XP e o tal Paraná pesquisa que deve estar ainda comemorando a vitória do Aécio em 2010…

      Responder

    JOÃO BATISTA

    20 de agosto de 2018 às 23h30

    Marina tem teto. Ciro, não.
    Por isso, entendo que Ciro está certo em não atacar Marina.
    Além do teto que ela tem, Ciro tem um resgate a fazer quanto
    às mulheres (efeito Patrícia Pilar) e o conhecimento que tem de Marina pode ajudar nisso.
    Aliás, o tom adotado por Ciro na redetv é o ideal.

    Responder

      Alan Cepile

      21 de agosto de 2018 às 01h29

      Curioso isso, o bolsonaro fala que não estupra pq é feia ou não merece, o Lula se refere a uma mulher como “grelo duro”, e o temperamento problemático é o Ciro….

      Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com