Cafezinho 5 minutos: o conceito de autocrítica

Foto: wamidia

Zema apoia Bolsonaro: o Novo já envelheceu

Por Tadeu Porto

11 de outubro de 2018 : 13h05

Para quem escreve sobre política há um tempo na Nova República, identificar o cheiro do velho pragmatismo é relativamente tranquilo.

Não que eu seja contra o pragmatismo, muito pelo contrário, mas se é para utilizá-lo que pelo menos seja sincero, essa hipocrisia criou um falso moralismo na política que hoje nos afunda num jogo surreal de disputa eleitoral.

É o caso, por exemplo, que ficou evidente na “jogada” que o candidato ao governo de Minas, Romeu Zema (NOVO-MG), fez para apoiar o candidato a presidência Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Vejam a jogada:  o Novo escreveu que “liberou candidatos para escolherem o apoio“. Contudo, não existe “candidatos” para o partido mas sim candidato, apenas Zema pode ganhar alguma coisa.

Sobre a declaração do candidato de apoio a Bolsonaro nesta quarta-feira (10), a Executiva Nacional do partido disse que o Novo liberou candidatos para escolherem o apoio.

E as contradições ficam mais interessantes: na semana passada, a executiva do partido repreendeu o candidato a governador que chegou a dar entrevista. Zema deu a seguinte declaração:

O partido está decidindo até amanhã à noite e vou acatar porque, no Novo, sou um soldado, o diretório tem total autonomia e isenção, sou cobrado e fiscalizado por eles… Na estrutura do Novo não opino. Sou um executor. Quem vai definir é o diretório. Lógico que vão considerar tudo isso que disse.

Olha a lógica: Zema não opina, é apenas um executor. Daí o diretório do Novo determina a neutralidade, posição que Zema poderia assumir tranquilamente, afinal, disputara os votos do antipetismo de igual pra igual com Anastasia (PSDB-MG).

Mas na prática, a única cadeira para o executivo que o Novo tem chance de ganhar nesse eleição vai apoiar o Bolsonaro. É uma vaga tão importante, que Gustavo Franco, figura carimbada na política brasileira, já chegou pra Minas pra fazer campanha.

Aliás, Amoêdo, hoje a maior liderança partidária do Novo, considera tanto PT quanto Bolsonaro como “velha política”.

Quer dizer, no primeiro grande desafio, o partido que se disse novo, se alia com “a velha política”. Nada como um dia após o outro, para vermos a reabertura da temporada do museu de grandes novidades.

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Douglas Junior

11 de outubro de 2018 às 23h32

Na verdade a neutralidade do NOVO é “pra inglês ver” já que na nota se diz Anti PT. Então liberam os filiados para apoiarem o voto nulo ou no Bozo. Só não declaram apoio ao Bozo por que há uma ala libertária no partido que realmente detesta o coiso.

Responder

Lucas

11 de outubro de 2018 às 15h16

O partido NOVO, enquanto instituição, declarou-se apenas contrário ao PT, o que faz sentido e é positivo. Quem quiser apoiar Bolsonaro fica a vontade. Foi o que o Zema fez.

Responder

Renato

11 de outubro de 2018 às 14h48

O que seria um “Novo” novo? Apoiar um poste que nem votos próprios tem ? Apoiar aquele cujos parceiros , em treze anos de poder , sempre estiveram roubando e ao lado de corruptos ? Seria esse um “Novo” novo ?

Responder

Hudson

11 de outubro de 2018 às 14h37

NOVO (neo) é abreviação de neoliberalismo.

Responder

    O Pai

    11 de outubro de 2018 às 15h14

    E isso é bom. Por isso votei neles!

    Responder

Alan Cepile

11 de outubro de 2018 às 13h59

Nenhum político que está no 2º turno é maluco suficiente pra declarar apoio ao Lula, quem fez isso se deu muito mal, ao passo que quem não fez se deu muito bem. Zema quer vender a eleição, custe o que custar, e ele sabe que o bozo vai ser eleito e irá precisar do governo federal, simples assim, vamos parar de invenção de esquerda sonhadora pq esse papinho já deu, nós somos o novo PSDB, estamos colecionando derrotas pelos nossos próprios erros.

Responder

    Francisco

    11 de outubro de 2018 às 17h52

    Fiz mais ou menos essa leitura. Zema se interpôs à polarização PSDB x PT em Minas. Já alijou um dos pólos no primeiro turno, agora que patrolar o outro no segundo. Simples assim. O resto é chororô.

    Responder

Deixe uma resposta