CPI da Fake News, com Joice Hasselmann

Duas táticas da oposição: Frente Ampla ou Frente de Esquerda?

Por Theo Rodrigues

04 de fevereiro de 2019 : 11h22

Por Theófilo Rodrigues

A eleição para a presidência da Câmara dos Deputados ocorrida na última sexta-feira escancarou as divergências táticas dos partidos de oposição ao governo Bolsonaro. De um lado PT, PSOL e Rede decidiram lançar um candidato do grupo à presidência da Câmara, o deputado Marcelo Freixo; de outro, PDT e PCdoB optaram por não ter um candidato próprio de seu campo político e alargar a aliança para outros setores como o centro do espectro político. Na experiência histórica e na teoria política essas duas táticas ficaram conhecidas respectivamente como “Frente de Esquerda” e “Frente Ampla”.

A Frente de Esquerda de PT, PSOL e REDE conquistou para seu candidato 50 votos dentre os 513 possíveis, algo em torno de 9% da Câmara dos Deputados. O argumento presente ali é o de que ao filtrar quem pode participar dessa chapa, a Frente de Esquerda conseguiria demarcar com mais clareza na opinião pública qual o seu programa e seu conjunto de ideias para o país. O objetivo, portanto, não seria a conquista da presidência da Câmara no curto prazo, mas sim o acúmulo de forças junto ao eleitorado com vistas ao médio prazo. O pressuposto dialético é o de que o poder simbólico acumulado no presente transforma-se qualitativamente em poder material no futuro. Diga-se de passagem, essa foi a tática adotada pelo PT nas décadas de 80 e 90.

A Frente Ampla de PDT e PCdoB possui uma interpretação distinta da conjuntura. Para esses partidos, num contexto de grave fragilidade da esquerda (impeachment em 2016, prisão de Lula, derrota nas urnas em 2018 etc) a aposta em uma Frente de Esquerda significaria o isolamento político. Os 50 votos obtidos por Freixo seriam a representação máxima desse isolamento. Inspirados pela teoria política do marxista búlgaro Georg Dimitrov, os comunistas e os trabalhistas entendem que, num momento em que forças políticas autoritárias chegaram ao governo do país, a oposição a esse governo não pode ser feita apenas pela esquerda, mas também por setores liberais. Na prática, PDT e PCdoB entendem que é preciso alargar a oposição e incluir nela todos os partidos políticos que estejam dispostos a participar de um programa mínimo de críticas ao governo Bolsonaro, entre eles o PPS, o PV, o Podemos, o PROS e o Solidariedade, por exemplo.

Um defensor da Frente de Esquerda poderia dizer que a tática de acúmulo prolongado de forças já deu certo no passado com o PT que, após marcar posição nas décadas de 80 e 90, conseguiu musculatura no eleitorado para finalmente eleger um presidente em 2002. Um defensor da Frente Ampla poderia usar o mesmo exemplo para lembrar que o PT só elegeu Lula em 2002 quando alargou sua aliança e trouxe o empresário José Alencar, do Partido Liberal, para ser o seu vice-presidente.

Diferente do que pensa a apaixonada militância dos dois campos, as duas táticas não precisam ser necessariamente excludentes. Ao contrário, podem ser complementares. O PT e o PSOL podem apostar no capital simbólico e acumular forças jogando para a opinião pública, enquanto PDT e PCdoB, partidos mais coesos, cumprem o papel mais difícil de dialogar com as demais forças políticas, pois são mais consistentes ideologicamente e aguentam a pressão. Como dois rios, as duas frentes podem se encontrar no médio prazo, trazendo ganhos distintos e construindo uma unidade mais forte para as eleições de 2020 e 2022.

Vantagens e desvantagens das duas táticas existem. Não é um erro debater de forma transparente e pública essas vantagens e desvantagens, pelo contrário, essa é uma qualidade das forças políticas de esquerda. O equívoco maior seria transformar essas diferenças táticas e de avaliação de conjuntura em motivos para ataques mútuos e desrespeitosos dentro da própria oposição. Esse, aliás, deve ser o grande sonho dos partidos que compõem o governo e que se regozijam a cada briga pública da esquerda.

Theófilo Rodrigues é cientista político.

Theo Rodrigues

Theo Rodrigues é sociólogo e cientista político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sandro

06 de fevereiro de 2019 às 18h23

Eu já votei no PT várias vezes de 1989 a 2104.
Mas fez tanta merda, tanta merda (!!!), que hoje o partido não tem mais meu voto nem para vereador ! Nem se o candidato for parente ou amigo !
Nunca mais PT, nunca mais !!!

Responder

    Sandro

    06 de fevereiro de 2019 às 18h25

    Corrigindo: de 1989 à 2014.

    Responder

Alan Cepile

04 de fevereiro de 2019 às 21h39

Manu, enfim vc aprendeu que não se confia nessa gente.

Responder

Professor

04 de fevereiro de 2019 às 15h10

Ou a esquerda manda o PT às favas ou quem irá às favas será a esquerda. O PT vem fazendo o jogo da direita desde sua criação por Golbery do Couto e Silva.

Responder

Ramon

04 de fevereiro de 2019 às 13h39

1) O PT é cabo eleitoral do bolsonaro; 2) O PT/PSOL são traíras e tentaram jogar o PCdoB na ilegalidade; 3) Nem o pseudo bloco de esquerda do PT votou no pseudo candidato deles, o Freixo.

Responder

Eu

04 de fevereiro de 2019 às 13h36

1) O PT é cabo eleitoral do bolsonaro;
2) O PT/PSOL são traíras e tentaram jogar o PCdoB na ilegalidade;
3) Nem o pseudo bloco de esquerda do PT votou no pseudo candidato deles, o Freixo.

Responder

Roque

04 de fevereiro de 2019 às 12h13

O nobre “cientista político” kkkkkkk, só esqueceu de dizer que 10 deputados do Putê votaram no Rodrigo Maia. Grande Frente Ampla de Esquerda… Só rindo destes babacas…

Responder

Justiceiro

04 de fevereiro de 2019 às 12h06

Ver petista choramingado em plena segunda-feira, é uma imensa alegria.

É Zé, vá comprar sua maconha a alimentar o tráfico, que tanto mata no Brasil.

Responder

    cabra retado

    04 de fevereiro de 2019 às 12h51

    Ma daki a poco vaum até fala q os nazismo foi di iskerda, podi esperar kkk

    Responder

    Zé Maconha

    04 de fevereiro de 2019 às 13h14

    Quem alimenta o tráfico são vocês proibicionistas.
    Eu quero acabar com o negócio deles , você quer mante-lo , se a maconha fosse legalizada meu dinheiro iria para saúde e educação mas vocês querem que continue indo para bandidos.
    A culpa é toda sua.
    E nunca fui petista.
    E sabe o que me diverte?
    Fumar maconha numa segunda a tarde enquanto pobres de direita , como você , trabalham.

    Responder

Zé Maconha

04 de fevereiro de 2019 às 11h37

Até Lenin se uniu ao governo burguês liberal para derrotar a insurreição de militares de extrema-direita na Rússia.
O problema é que o PDT não está nem um pouco preocupado em fazer oposição.
Quer isolar o PT , só isso.
E no Brasil os “liberais” abraçaram o fascismo miliciano assassino há muito tempo.

Responder

    Zeca Pé de Mesa

    04 de fevereiro de 2019 às 12h17

    Lindo demais ver os petistas votando no Rodrigo Maia, kkkkkkkk. Grande frente de esquerda, kkkkkkkkkkkkkm.

    Responder

    Gustavo

    04 de fevereiro de 2019 às 12h56

    Parece que você já se esqueceu quem isolou quem nas eleições de 2018.

    Ao meu ver, PDT e PCdoB estão apenas saindo de baixo da saia do PT e tomando seus próprios rumos. Direito deles.

    Responder

Deixe uma resposta