Hangout com Miguel do Rosário: Bolsonaro nos EUA

Divulgação

O pedido da PGR contra o Fundo privado da Lava Jato

Por Redação

13 de março de 2019 : 11h47

Segundo algumas notas publicadas na imprensa hoje, o pedido da PGR é “duríssimo” e pode ser usado para punir procuradores da Lava Jato mesmo ele tendo já recuado da disposição de criar o tal Fundo privado controlado por eles mesmos. Alguns partidos, como PT e PDT, já entraram com ações no STF contra a iniciativa.

***

No Conjur

ROTA DE COLISÃO
PGR pede ao STF que anule acordo da “lava jato” para fundo bilionário da Petrobras

12 de março de 2019, 20h53
Por Fernanda Valente

No mesmo dia em que foi suspensa a criação pelo Ministério Público Federal de um fundo para gerir R$ 2,5 bilhões formado com dinheiro da Petrobras, a Procuradoria-Geral da República pediu que o Supremo Tribunal Federal declare a nulidade da medida.

Na ação de descumprimento de preceitos fundamentais, ajuizada nesta terça-feira (12/3), a procuradora Raquel Dodge argumenta que a iniciativa do MPF “está em rota de colisão com preceitos estruturantes do Ministério Público e da própria separação das funções do estado”.

O dinheiro tem origem em um acordo entre Petrobras e autoridades dos EUA, que em nenhum momento cita o MPF. Embora veja nesse acordo “clara boa-fé”, a PGR diz que “ofende gravemente a configuração constitucional do Ministério Público Federal”. O pedido será relatado pelo ministro Alexandre de Moraes.

Dodge aponta que a decisão que homologou o acordo tem vício de inconstitucionalidade, porque a forma como foi homologado, constituído e executado viola a Constituição Federal “por descumprir preceitos fundamentais do ordenamento jurídico”, como “a separação dos poderes e das funções do Estado, a constitucionalidade, a legalidade, a independência e a impessoalidade, que devem pautar as ações dos membros do Ministério Público”.

Além disso, para a PGR, ao assumir a responsabilidade em gerir e aplicar os valores, os procuradores da “lava jato” “desviaram-se de suas funções constitucionais (…) em situação absolutamente incompatível com as regras constitucionais e estruturantes da atuação do Ministério Público, violando a separação das funções de Estado e da independência funcional dos membros do parquet”.

Em nota divulgada mais cedo, os procuradores disseram que o “debate social existente sobre o destino dos recursos” os fez repensar e suspender a criação do fundo, dizendo que consultarão a Controladoria-Geral da União e o Tribunal de Contas da União.

Clique aqui para ler o pedido.
ADPF 568

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

13 de março de 2019 às 19h14

Esses Procuradores do Paraná deram um tiro no pé. E fizeram isso “de uma forma burra”, como diria o esquerda-caviar Caetano Veloso, açulando as teorias conspiratórias dos lulistas e quejandos, sobre um protagonismo político e até projeto de poder da tal “República de Curitiba”…

Responder

Bozo & Andrade Artigos para Festas Infantis

13 de março de 2019 às 14h11

Desse modo, como sr. Dallagnol poderá se transformar em importante CEO?
Justamente por isso é que os ancapados, após realizarem maravilhosos cursos em Instituto Miserê e quejandos, denunciam incorrigível mania da burocracia estatal em impedir florescimento do empreendedorismo no país.

Responder

Deixe uma resposta