Live do Cafezinho (18h): a juventude na política na era Bolsonaro

Datafolha mostra que eleitor ainda é o mesmo de 2018

Por Redação

09 de dezembro de 2019 : 16h41

A pesquisa Datafolha, cuja íntegra foi divulgada hoje, trazendo a quarta avaliação do governo Bolsonaro, nos permite fazer uma retrospectiva deste ano.

A conclusão principal é que o estado de espírito do eleitor, em sua maioria, continua muito parecido com aquele com o qual ele foi às urnas em outubro de 2018.

Quem votou em Bolsonaro continua apoiando o governo; quem votou em Haddad continua achando o governo ruim ou péssimo.

Entre eleitores de Bolsonaro, a aprovação do governo é de 58%; houve queda forte em relação a setembro, mas os números são estáveis em relação às pesquisas de abril e julho. A avaliação negativa do governo, ainda considerando apenas eleitores de Bolsonaro, subiu para 10%, maior do que a registrada em setembro, mas não muito diferente dos 9% de abril e julho.

O dado mais auspicioso para a oposição é que, entre os eleitores que votaram em branco ou nulo,  53% acham o governo ruim ou péssimo; em abril deste ano, eram apenas 39%.

Nas eleições de 2018, tivemos cerca de 11 milhões de votos brancos ou nulos, mais 31 milhões de abstenções. Estes 42 milhões de eleitores “nem-nem” (nem Bolsonaro nem Haddad) podem fazer diferença nos próximos certames eleitorais, tanto nas municipais de 2020 quanto na presidencial de 2022.

***

Separei abaixo algumas tabelas e gráficos do relatório completo do Datafolha, divulgado hoje, cuja comparação deve ser feita com a pesquisa de setembro.

Faço alguns comentários logo após as tabelas. Para ampliar as imagens, clique nelas.

***

O fato de que a aprovação de Bolsonaro é menor do que a de outros presidentes em primeiro mandato não me parece relevante. Cada momento político tem sua conjuntura própria, não importa se é primeiro ou segundo mandato.

Os dados divulgados hoje, comparando a aprovação dos governos após o primeiro ano de mandato, mostram que Bolsonaro tem aprovação bem superior a de vários presidentes anteriores. E se incluirmos aprovações tanto de 1º como de 2º mandatos, o ranking de Bolsonaro até que é bom. Bolsonaro tem hoje 30% de aprovação, percentual maior do que várias outras administrações, no mesmo período: Collor, Itamar, FHC (2º mandato), Dilma (2º mandato), Temer, todos esses tinham, no mesmo período de mandato, aprovação bem inferior a de Bolsonaro hoje.

Entretanto, a comparação mais importante, a meu ver, deve ser com a de Dilma no segundo mandato; essa é a comparação que explica tanto a vitória de Bolsonaro como a resiliência de sua aprovação, em especial entre seus próprios eleitores.

***

Quando a aprovação de Bolsonaro é examinada de perto, por segmento social, voltamos a encontrar a mesma dinâmica que o levou à vitória.

Entre homens, sua aprovação é 9 pontos superior àquela registrada entre mulheres. Como homens ainda tem, infelizmente, em função do machismo latente da sociedade brasileira, uma participação política mais ativa (nossa câmara de deputados tem apenas 10% de mulheres, por exemplo), essa pontuação maior entre homens tem um significado importante na correlação de forças. Entre homens, Bolsonaro tem 35% de ótimo/bom, 33% de regular e 32% de ruim/péssimo.

Na segmentação por renda, o presidente Bolsonaro tem desempenho ruim entre eleitores com renda familiar até 2 salários (aprovação de 22%), mas sua situação melhora bastante no segmento imediatamente acima, entre eleitores com renda entre 2 e 5 salários, onde sua aprovação positiva sobe para 35%.

Entre aqueles com renda familiar acima de 5 salários, o desempenho de Bolsonaro registrou relevante avanço em relação à última pesquisa.  No Datafolha de setembro, Bolsonaro tinha 39% de ótimo/bom entre eleitores com renda familiar entre 5 e 10 salários; hoje tem 44%.

Houve avanço similar junto aos eleitores da categoria acima, com renda familiar superior a 10 salários, com um detalhe: em setembro, o Datafolha havia detectado o início de um processo acelerado de rejeição ao governo neste segmento mais rico; na pesquisa divulgada hoje, porém, este movimento arrefeceu e Bolsonaro tem hoje a menor rejeição do ano.

Esse eleitorado de “classe média”, por razões óbvias, tem presença muito mais forte nas redes sociais do que aquele pertencente a categorias de renda inferior.

Na tabela das profissões, chama atenção a consolidação de Bolsonaro junto ao eleitores que se autocaracterizam como “empresários”: em setembro, 48% desses empresários lhe davam nota “ótimo/bom”, hoje são 58%.

Abaixo, o informe publicado no site do Datafolha:

No Datafolha

Bolsonaro é aprovado por 30% após um ano de governo

Opinião Pública – 09/12/2019 10h10

Baixa a pesquisa completa

DE SÃO PAULO

A aprovação ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) oscilou de 29% no final de agosto para 30% na primeira semana de dezembro, mês em que completa um ano de governo. Nesse período, seu índice de reprovação passou de 38% para 36%, e a taxa dos que o avaliam como regular passou de 30% para 32%. Há ainda 1% que preferiu não opinar sobre o tema, em patamar estável.

Em abril, na primeira avaliação do Datafolha sobre o governo Bolsonaro, 32% aprovavam sua gestão. Em julho, após seis meses no cargo, a taxa dos que o avaliavam como ótimo ou bom oscilou para 33%, e recuou quatro pontos no levantamento de agosto, para 29%. A reprovação ao presidente nesse período, porém, cresceu: no início de abril, 30% avaliavam sua gestão como ruim ou péssima, índice que avançou para 33% no início de junho e atingiu 38% no final de agosto, antes de oscilar dois pontos para baixo no levantamento atual.

Entre os eleitores de Bolsonaro no 2º turno da eleição presidencial, 58% consideram seu governo ótimo ou bom até aqui, enquanto 31% o classificam como regular. Nesse grupo, há ainda 10% que avaliam a gestão do presidente como ruim ou péssima. Entre quem votou em Fernando Haddad (PT), 6% aprovam o governo de Bolsonaro, e os demais o consideram regular (28%) ou o reprovam (65%).

A aprovação a Bolsonaro é mais alta entre homens (35%) do que mulheres (26%). Entre os mais jovens, apenas 21% aprovam o presidente, metade de seu índice de reprovação (41%). Entre quem estudou até o ensino fundamental, a avaliação negativa do governo (39%) supera a positiva (29%). Na parcela que estudou até o ensino médio, a mais representativa da população, essa diferença cai para 6 pontos (35% de ruim ou péssimo, 29% de ótimo ou bom), e entre quem tem curso superior há um empate (35% de ótimo ou bom, 36% de ruim ou péssimo).

A diferença de avaliação do presidente entre setores extremos da sociedade fica mais evidente na análise por renda mensal familiar: entre quem tem renda familiar de até 2 salários, 43% avaliam seu governo de forma negativa, o dobro da avaliação positiva (22%). Nas faixas de renda mais altas, ocorre o oposto: entre os mais ricos, com renda superior a 10 salários, 44% consideram a gestão Bolsonaro ótima ou boa, e 28%, ruim ou péssima; entre quem tem renda de 5 a 10 salários, também é de 44% o índice de aprovação ao presidente, e 31% o reprovam. Na faixa de 2 a 5 salários, a diferença é menor: 35% classificam o atual presidente ótimo ou bom, e 31%, ruim ou péssimo.

Entre os empresários, 58% consideram o governo Bolsonaro ótimo ou bom, e 20%, ruim ou péssimo. Na fatia dos trabalham como free-lance ou fazem bicos, 29% aprovam o governo, e 41% reprovam. Entre desempregados que estão em busca de vagas, 48% reprovam, e 21% aprovam. Na fatia de assalariados registrados há 31% que consideram o governo ótimo ou bom, e para 34% é ruim ou péssimo. Entre assalariados sem registro, esses índices ficam em 25% e 35%, respectivamente. Na parcela de funcionários públicos, 42% avaliam a gestão Bolsonaro negativamente, e para 26% ela é positiva.

Na fatia evangélica da população, 36% consideram o governo Bolsonaro ótimo ou bom, e 27%, ruim ou péssimo. Entre católicos, ocorre o inverso: 38% classificam a gestão do atual presidente como ruim ou péssima, e 29%, como ótima ou boa. No terceiro grupo mais representativo, daqueles que se declaram sem religião ou não tem religião definida, 52% reprovam o atual governo, e 20% aprovam.

Na região Nordeste, 50% veem a gestão Bolsonaro como ruim ou péssima, e para 20% ela é ótima ou boa. No Sul, a avaliação positiva do governo supera a negativa (40% a 28%), e no Sudeste os índices são similares (32% aprovam, 33% reprovam). Na região Centro-Oeste, 31% avaliam o governo positivamente, ante 38% de avaliação negativa. No Norte, a taxa de ótimo ou bom fica em 35%, e a de ruim ou péssimo, em 28%.

Considerando a autoclassificação política dentro do espectro esquerda e direita, Bolsonaro tem 51% de aprovação na direita (contra 22% de reprovação), 42% na centro-direita (contra 22% de reprovação), 22% no centro (contra 35% de reprovação), 16% na centro-esquerda (contra 51% de reprovação) e 11% na esquerda (contra 65% de reprovação).

De 0 a 10, a nota média atribuída ao desempenho de Bolsonaro à frente da Presidência até o momento é 5,1, com 19% atribuindo nota 0, e 9%, nota 10. Em agosto, o desempenho do presidente também merecia nota 5,1 da população.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

putin

10 de dezembro de 2019 às 06h18

perfil medio do bolsoasno: fazendeiro do sul tira onda de riquinho que comprou a formatura numa faculdade particular. se acha uma raça superior mas nem imagina que um noruegues o considera um inseto.
já conheci gente deste perfil que nao sabia o resultado da multiplicaçao 6×8 e que falava que o haiti fica na oceania, kkkkkkkkkkkk

Responder

Paulo

09 de dezembro de 2019 às 20h21

Quem perde com essa polarização é o Brasil. Se pelo menos a esquerda abandonasse a pauta cultural, identitária, abortista e anticlerical, talvez pudesse fazer a diferença, pra 2022. Mas eles gostam de dividir o povo brasileiro em guetos, a pretexto de superá-los…

Responder

Marcos Videira

09 de dezembro de 2019 às 18h17

O resultado do Datafolha enfatiza a pertinência das seguintes perguntas:
A polarização Lula-Bolsonaro é uma alternativa real para recuperação do Estado Democrático ?
A polarização Lula-Bolsonaro traz benefícios políticos a quem ?

Responder

Paulo Cesar Cabelo

09 de dezembro de 2019 às 18h10

Discordo da avaliação.
Bolsonaro teve 46% dos votos válidos e hoje tem 30% de ótimo e bom.
Lula com 50% de ótimo e bom teve 48% dos votos em 2006 , Dilma com 40% de ótimo e bom teve 44% em 2014.
Em resumo , Bolsonaro não teria nem 40% dos votos válidos hoje , teria algo em torno de 35%.
As primeiras pesquisas datafolha davam pouco mais de 20% de ruim/péssimo , menor que o eleitorado de Haddad.
Hoje é 36% , esses 36% são o tamanho da esquerda hoje e dariam em votos válidos algo em torno de 40% ,mais ou menos o votos de Haddad ,Ciro e Boulos juntos.
A esquerda está do mesmo tamanho e Bolsonaro encolheu bastante.
Vocês ignoram o fato de que , na verdade , Bolsonaro nunca ganharia de Lula , Lula estava perto de uma vitória no primeiro turno , muitos eleiores de Lula votaram nulo ou até em Bolsonaro , por isso em tão pouco tempo Bolsonaro tem um ruim/péssimo maior do que o ótimo/bom , são eleitores que nunca foram dele.

Responder

Carlos Marighella

09 de dezembro de 2019 às 17h39

Esses números só mostram como o eleitor está perdido e não sabe fazer uma avaliação coerente, e os políticos adoram isso.

Por exemplo, 30% dos entrevistados acham o governo bom/ótimo, mas esses mesmos entrevistados confiam só 19% nas declarações do presidente, como pode??

Responder

    Andressa

    09 de dezembro de 2019 às 20h07

    Quem tá perdido são você e a esquerda podre. O Governo não é a fala do Presidente me parece bastante óbvio.
    O Brasileiro tem algum fetiche para o presidente da república da vez como se tudo se resumisse a ele, nunca vi cabeças limitadas de terceiro mundo como a do brazuca.

    Responder

Deixe uma resposta