Entrevista de Lula ao UOL

Produção industrial no Brasil tem pior novembro em 4 anos com perdas generalizadas

Por Redação

09 de janeiro de 2020 : 13h36

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) – A indústria do Brasil vacilou em novembro e voltou a cair depois de três meses de alta, registrando o resultado mais fraco para o período em quatro anos, com perdas nas quatro grandes categorias econômicas.

Em novembro, a produção industrial brasileira recuou 1,2% em relação a outubro, informou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

[Ler aqui a matéria completa do IBGE.]

Esse resultado anula parte da expansão acumulada de 2,2% entre agosto e outubro e é a leitura mais fraca desde a queda de 1,4% vista em março. Para meses de novembro, a queda foi a mais forte desde 2015, quando a indústria encolheu 1,9%.

“A queda verificada em novembro eliminou uma parte importante do crescimento atingido nos meses anteriores”, disse o gerente da pesquisa, André Macedo, em nota.

Na comparação com novembro de 2018, houve queda de 1,7%, interrompendo dois meses de resultados positivos consecutivos. No acumulado do ano, o setor apresenta perda de 1,1%

Ambos os resultados foram piores que as expectativas em pesquisa da Reuters com economistas, de quedas de 0,6% na variação mensal e de 0,8% na base anual, segundo a mediana das projeções.

Entre as categorias econômicas, a maior queda foi registrada por bens de consumo duráveis, de 2,4%, influenciada principalmente pela menor produção de automóveis.

“Mas é comum que a produção de automóveis seja elevada nos meses de setembro e outubro e reduza no final do ano, por conta das férias coletivas”, explicou Macedo.

A produção de bens intermediários caiu 1,5%, a de bens de capital teve queda de 1,3% e a de bens de consumo semi e não-duráveis recuou 0,5%.

Entre as atividades pesquisadas, 16 das 26 apresentaram queda, sendo as principais influências negativas produtos alimentícios (-3,3%), veículos automotores, reboques e carrocerias (-4,4%) e indústrias extrativas (-1,7%).

“O crescimento (em alimentos) vinha sendo alavancado pelo aumento nas exportações de carne e da produção de açúcar. A carne continua em expansão, mas o açúcar tem uma volatilidade maior, tanto por conta de condições climáticas quanto em função da demanda por etanol”, completou Macedo.

A mais recente pesquisa Focus realizada pelo Banco Central mostra que o mercado vê recuo de 0,73% na produção industrial em 2019, com o Produto Interno Bruto avançando 1,17%. Em 2020 a expectativa é de recuperação do setor industrial para uma alta de 2,19%.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

marcos conceição

09 de janeiro de 2020 às 20h52

ERA SO TIRAR A DILMA QUE O PAÍS IRIA ESTOURAR EM EMPREGO O INVESTIMENTO VERIA E ETC.. AGORA FAZ ARMINHA CLASSE MEDIA PENSAVA QUE ERA RICA

Responder

    Carlos Marighella

    10 de janeiro de 2020 às 10h28

    O dólar iria despencar, a taxa de desemprego iria cair, os empresários passariam a investir no dia seguinte, o capital estrangeiro chegaria bem rápido, os salários iriam subir, a confiança interna e externa iria se fortalecer, nada disso aconteceu, e já estamos no segundo governo de direita.

    Responder

Alan C

09 de janeiro de 2020 às 18h14

Não foi golpe, tá tudo certo, fora Dilma!

Responder

Evandro Garcia

09 de janeiro de 2020 às 17h10

Com os impostos absurdos e idiotas que teria de pagar quem é o imbecil que inventa de produzir com 14% de juros no Tesouro Direto sem arriscar nada…?

Responder

Paulo

09 de janeiro de 2020 às 16h31

A indústria brasileira parece em estado terminal. Grave. Cadê o Porco Guedes e seu liberalismo?

Responder

    Andressa

    09 de janeiro de 2020 às 17h13

    Cadê os que criaram analfabetos e zero tecnologia nos últimos 30 anos….?

    Cadê o dinheiro para investir nisso…?

    Cadê os brasileiros que dormiram até hoje e de repente acordaram….?

    Sua aposentadoria fofa foi junto com eles.

    Responder

      Paulo

      09 de janeiro de 2020 às 19h24

      Por onde andam? Uns presos, outros aguardando prisão, outros gozando de várias aposentadorias e outros bichos (Dilma, Temerário, FHC, Sarnento, etc). Um ano não seria suficiente para o Porco mostrar serviço (para fazer atrocidades e cometer injustiças foi mais do que suficiente)? Quanto tempo você acredita que seja necessário?

      Responder

        Andressa

        09 de janeiro de 2020 às 20h11

        Precisamente nao sei mas é o mesmo tempo que necessita para resuscitar um cadaver…sugiro esperar sentado.

        Quem è esse Paulo Guedes…um outro Magico Cirolipa…?

        A economia brasileira è de pequena e media empresa, industrais mesmos nao tem e nunca teve, è mais uma palhaçada para tentar fazer oposiçào de quem dormiu e viveu olhando a foto de Che Guevara atè hoje…nao ter costume com a democracia da isso.

        Responder

          Gilmar Tranquilão

          10 de janeiro de 2020 às 10h56

          paulo guedes é o posto ipiranga que vc defendia até ontem kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Paulo Cesar Cabelo

09 de janeiro de 2020 às 14h50

A expectativa hahaha
Como diria Thanos , a realidade tende a ser decepcionante.
Ainda mais para aqueles que acreditam na mídia brasileira.
Desde 2017 vem com essa história.
No mundo real a direita tem um PIB negativo pra mostrar desde o golpe de 2016.
E vimos no Chile que mesmo algum crescimento baixo não serve pra nada se a maioria da poulação empobrece.

Responder

Deixe uma resposta