Live do Cafezinho (18h): o que acontecerá à Lava Jato?

Monitor do PIB sinaliza que o PIB cresceu 1,2% no ano de 2019

Por Redação

18 de fevereiro de 2020 : 18h06

Os números do Monitor do PIB do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) põem em relevo a imensa mediocridade do desempenho econômico do país nos últimos anos, incluindo  2019. A produtividade está caindo, a indústria está se desmilinguindo, a economia como um todo vem se reprimarizando bem no meio de uma grande revolução tecnológica em curso no mundo.

Confiram o gráfico abaixo. A indústria caiu desde 2014, e desde então jamais se recuperou.

Tanto a indústria como o setor de serviços registraram fortes perdas de produtividade nos últimos anos.

Mesmo com as exportações de petróleo batendo recordes históricos, o desempenho geral das exportações brasileiras vem se deteriorando.

No Ibre

O Monitor do PIB-FGV sinaliza que o PIB cresceu 1,2% no ano de 2019. Os destaques positivos pela ótica da demanda foram a formação bruta de capital fixo e o consumo das famílias, que cresceram 2,7% e 1,8%, respectivamente. Pela ótica da produção, os três grandes setores de atividade (agropecuária, indústria e serviços) cresceram, embora alguns de seus componentes como as atividades extrativa, transformação e administração pública tenham apresentado retração no ano (-1,3%, -0,1% e -0,1% respectivamente).

“O resultado positivo da economia em dezembro, no quarto trimestre e no ano de 2019, foi influenciado pelo consumo das famílias. Destaca-se que tal desempenho está sendo impulsionado, principalmente pelo aumento do consumo de serviços. Com relação ao investimento, a despeito do resultado positivo do ano, o resultado do quarto trimestre, em comparação ao terceiro mostra retração deste componente. Este resultado é explicado, principalmente, pela retração de máquinas e equipamentos. Tais desempenhos continuam sinalizando que a recuperação da economia está mais ancorada na expansão do consumo do que dos investimentos, o que certamente lança uma dúvida para a continuidade do crescimento deste ano.” afirma Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV.

Neste número, o Monitor do PIB-FGV, além dos resultados usuais, divulga informações de valores anuais a preços correntes e a preços de 2019. Uma análise mais detalhada sobre esses valores, como o PIB per capita e a produtividade dos 12 setores de atividade, encontra-se a partir da página 5 deste relatório. Estas informações encontram-se disponíveis no arquivo Excel anual do Monitor do PIB-FGV. Além dessas informações recorrentes nos relatórios anuais do Monitor do PIB-FGV, a partir desta divulgação também é publicado o hiato do produto do total da economia, a partir da página 8. Essa estimativa será divulgada nos relatórios que encerram os trimestres clássicos do ano, pelo Núcleo de Contas Nacionais da FGV. Serão publicadas as estimativas do hiato do produto trimestral pelo método da função de produção e das médias de diversas métricas estatísticas para o total da economia. A partir da página 9, há um breve esclarecimento metodológico sobre esta estimativa.

ANÁLISE TRIMESTRAL E MENSAL

Na análise trimestral, o PIB apresentou, na série com ajuste sazonal, crescimento de 0,7% no quarto trimestre, em comparação ao terceiro trimestre, mostrando aceleração da atividade econômica no final do ano. Em relação ao quarto trimestre de 2018, o crescimento apresentado foi de 1,9%.

Na análise mensal, o PIB apresentou estagnação em dezembro, na comparação com novembro. A estagnação também foi verificada no setor de serviços enquanto a agropecuária apresentou forte recuo (-2,3%) e a indústria teve fraco crescimento de 0,3%. Na comparação interanual o resultado do PIB foi positivo em 2,3%, com crescimento de todas as doze atividades.

ANÁLISE DESAGREGADA DOS COMPONENTES DA DEMANDA

A análise desagregada dos componentes da demanda é usualmente realizada na série trimestral interanual por apresentar menor volatilidade do que as taxas mensais e aquelas ajustadas sazonalmente permitindo melhor compreensão da trajetória de seus componentes. Nesta edição do Monitor do PIB-FGV essas análises são realizadas na série acumulada em 12 meses, tendo em vista a divulgação do ano.

Consumo das famílias

Desde a recessão de 2014-2016, o consumo apresentou forte retração com o pior resultado registrado na taxa acumulada em 12 meses até julho de 2016 (-5,0%) com queda de todos os tipos de consumo. O consumo retornou ao terreno positivo na taxa acumulada em 12 meses até setembro de 2017 (0,4%), chegou ao ápice desta em abril de 2018, com taxa acumulada em 12 meses de 3,3%; e, desde então, tem crescido a uma taxa aproximada de 2,0%, fechando o ano de 2019 com crescimento de 1,8%. Desde o início de 2019 o consumo de serviços tem sido o principal componente para o crescimento do consumo das famílias, tendo contribuído com 61% do crescimento total deste componente no ano. Os serviços de aluguel, alojamento e alimentação e serviços gerais prestados as famílias foram os que mais contribuíram para o crescimento do consumo de serviços.

Formação bruta de capital fixo

A recuperação da FBCF, após a recessão de 2014-2016, começou com o crescimento do componente de máquinas e equipamentos que cresce desde o acumulado em doze meses até setembro de 2017. Apenas a partir do acumulado em 12 meses até maio de 2019 que o componente da construção, que tem maior peso nos investimentos, voltou a ter resultados positivos. No entanto, a FBCF cresceu apenas 2,7% em 2019, após ter crescimento de 3,9% em 2018. Apesar dos componentes de construção e de outros terem aumentado a contribuição na FBCF em 1,3p.p. e 0,6p.p. de 2018 para 2019, não foi suficiente para compensar a diminuição da contribuição de máquinas e equipamentos que, apesar de ainda ser positiva, é 3,1p.p. menor do que era em 2018.

Exportação

A exportação retraiu 2,2% em 2019 com retração em quase todos os seus componentes. Apenas a exportação de produtos da extrativa mineral (1,6%), de consumo semiduráveis (2,4%) e de bens intermediários (2,1%) cresceram no ano. Os maiores recuos foram registrados na exportação de bens de capital (-21,0%) e de bens de consumo duráveis (-18,6%). O recuo das exportações para a Argentina, devido a recessão no país vizinho é uma das principais justificativas para a retração deste componente.

Importação

A importação apresentou crescimento de 1,4% em 2019. Apesar de positivo, este resultado é devido, quase que exclusivamente, ao crescimento da importação de bens intermediários. Além deste, apenas a importação de produtos agropecuários cresceu 5,6% no ano, porém, como não tem grande representatividade na pauta de importações brasileiras, pouco contribuiu para o crescimento da importação.

MONITOR DO PIB-FGV EM VALORES

Em termos monetários, estima-se que o PIB de 2019, em valores correntes, alcançou a cifra de aproximadamente 7 trilhões, 217 bilhões e 995 milhões de Reais.

Apesar de crescer pelo terceiro ano consecutivo, os resultados ainda não foram suficientemente expressivos para retornarem ao patamar dos anos anteriores a recessão econômica de 2014-2016. A preços constantes de 2019, o PIB de 2019, embora seja maior que os de 2015 a 2018, ainda é inferior aos de 2013 e 2014. A valores de 2019, o PIB per capita equivale a R$ 34.347, valor este inferior aos dos anos de 2010 a 2015.

A produtividade da economia foi de R$ 69.348 Mil Reais em 2019. Apesar de ter aumentado com relação ao início da série histórica, este resultado ainda não superou o pico da série, em 2013, período pré-recessão de 2014-2016. Além disso, a produtividade em 2019 é também menor que as registradas entre os anos de 2011 a 2015. A evolução da produtividade da atividade de transformação que foi a atividade que apresentou a maior retração de produtividade na série histórica iniciada em 2001.

Nota-se que apenas a agropecuária apresentou ganho de produtividade nos dois períodos analisados. Em contrapartida, destaca-se que a produtividade da indústria foi a única que retraiu nos dois períodos, reflexo das quedas de produtividade das atividades de transformação e da construção, que também retraíram nos dois períodos analisados. Nos serviços, a perda de produtividade que ocorre na análise do período de 2013 a 2019 mostra-se generalizada dentro dos setores com apenas a atividade de serviços de informação tendo apresentado ganho de produtividade no período.

A Formação Bruta de Capital Fixo (investimento), apesar de ter apresentado, em 2019, valor maior que os de 2016 a 2018, ainda é inferior aos resultados de 2008 e dos anos de 2010 a 2015. O consumo das famílias já mostra uma retomada mais robusta sendo o resultado de 2019 apenas inferior ao do ano de 2014.

A taxa de investimento da economia foi de 15,3% em 2019. Considerando a série histórica iniciada em 2001, apenas 2003 (15,1%), 2017 (14,7%) e 2018 (15,1%) apresentaram taxas de investimento menores do que a atual.

Em resumo, os resultados acima apresentados mostram que, a despeito da recuperação da economia o ritmo é ainda muito lento, não tendo conseguido superar, após 22 trimestres de iniciada a recessão, o nível do 2º trimestre de 2014.

A recuperação da atividade econômica após a recessão que se iniciou em 2014 e terminou em 2016, ainda não foi capaz de superar o nível de atividade anterior a recessão. Após 22 trimestres a partir do seu início a economia brasileira ainda se encontra abaixo do nível de atividade econômica que detinha anteriormente. De acordo com estes dados, a indústria e a FBCF são os componentes do PIB que ainda estão mais distantes dos valores que apresentavam no 2º trimestre de 2014.

     

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Goebbels

19 de fevereiro de 2020 às 13h50

A indústria será totalmente aniquilada até o final do que chamam de mandato, na verdade ficaremos por muito mais tempo.

Responder

    Abdel Romenia

    19 de fevereiro de 2020 às 20h07

    Se fodam.

    Responder

Gilmar Tranquilão

18 de fevereiro de 2020 às 20h58

Tamo sendo governado pela Dilma ainda???? kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Wellington

18 de fevereiro de 2020 às 19h39

A agropecuaria é uma excelencia mundial que enche de tapas nas orelhas a industria brasileira.
No campo nào hà muitas asneiras sindicais, nào hà muita interferencia politica e a unica ideologia é o trabalho.

O emprendendor brasileiro, (ao contrario do agropecuarista) preferiu viajar para Orlando ou comprar a Hilux em vez de apostar na propria empresa, investir em tecnologia, se atualizar, etc…

Paciencia.

Responder

Deixe uma resposta