Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Dino: falar de fraude em 2018 ameaça eleições futuras

Por Redação

10 de março de 2020 : 12h33

No A Tarde

Declaração de Bolsonaro sobre fraudes em 2018 ameaça eleições futuras, critica Flávio Dino

Ter , 10/03/2020 às 09:49 | Atualizado em: 10/03/2020 às 10:25

(A entrevista com Dino pode ser ouvida a partir do minuto 1:19:00. O player abaixo já está no ponto).

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), rechaçou, nesta terça-feira, 10, a declaração do presidente Jair Bolsonaro, que disse ter provas de que foi eleito em primeiro turno, mas fraudes levaram o pleito ao segundo. Em entrevista ao programa Isso é Bahia, na Rádio A TARDE FM, Dino afirmou que a fala de Bolsonaro é perigosa, não só por colocar em xeque a lisura do processo eleitoral em 2018, mas também porque questiona a segurança do sistema de voto brasileiro para pleitos futuros.

“É um gravíssimo ataque. Na medida em que o chefe de Estado, visitando outro país, dirige essa crítica ao processo eleitoral e à Justiça Eleitoral, isso pode atingir o passado e o futuro. Isso é algo nunca visto, é inusitado. Ameaça a imagem brasileira na seara internacional, além de ter essa repercussão dramática sobre a essência do regime democrático, que é a certeza de que os votos são conferidos e apurados com legitimidade”, criticou Dino.

A declaração do presidente foi dada na noite desta segunda, 9, durante evento nos Estados Unidos. O presidente não apresentou ou citou qualquer indicativo oficial para justificar sua fala. “Pelas provas que tenho em minhas mãos, que vou mostrar brevemente, eu tinha sido, eu fui eleito no primeiro turno, mas no meu entender teve fraude”, disse.

O governador do Maranhão ainda pediu que a acusação feita por Bolsonaro seja investigada pela Polícia Federal. “É uma grave acusação, que deve vir seguida de provas e deve ser apurado pela Polícia Federal porque de duas uma: ou estamos diante de um fato gravíssimo, uma fraude eleitoral abrangendo a eleição presidencial, ou estamos diante de um outro fato gravíssimo, que é o presidente da República fazendo uma acusação falsa, destituída de elementos de prova”.

Candidatura em 2022

Constantemente apontado como possível candidato à Presidência da República, Dino, uma dos principais novos nomes da esquerda brasileira, confirmou que deve concorrer a algum cargo eletivo nas eleições de 2022, mas não disse qual. No segundo mandato, o comunista afirmou aos apresentadores Jefferson Beltrão e Fernando Duarte que pretende se desincompatibilizar do cargo em abril daquele ano para disputar o pleito. Além da Presidência, o governador pode, no plano federal, tentar o Senado e a Câmara dos Deputados – ou também a vice em alguma chapa presidencial.

“Eu saí do cargo de juiz federal por decisão própria, para ingressar na política. Por coerência, claro que devo disputar as eleições de 2022, mas é uma decisão em 2022. O foco principal, hoje, é o governo do meu estado. É tempo de garantir a democracia, reduzir o desemprego. [Candidatura em 2022] Não é algo que preside minha vida. Cada dia com sua agonia”, argumentou.

Alianças fora da esquerda

Criticado pela aproximação com figuras de fora da esquerda, como o apresentador Luciano Huck, Dino defendeu que, em momento de situação política “grave” como a provocada pela forma de governar de Bolsonaro, é necessário ampliar as lideranças para fora de seu espectro político. Na avaliação dele, se atuar sozinha, a esquerda não será capaz de ajudar na superação de problemas enfrentados pelo país.

“É uma prova de humildade nossa entender que outras lideranças têm um papel muito grande em relação à manutenção das regras do jogo democrático. Isso não é aliança eleitoral, eu nunca defendi aliança com Luciano Huck, mas prefiro dialogar com essas personalidades do que vê-las eventualmente se alinhando a um projeto antipopular e antinacionalista. O importante hoje é garantir que cheguemos a 2022, que haja processo eleitoral”, afirmou. “Temos que fazer política mais ampla. Por isso considero que, diante da dimensão do gigantesco desafio que temos pela frente, temos que dialogar com partidos de várias frentes. Em um momento que exige muita coragem e humildade, você não se isola”, reforçou.

Ele defendeu também que o PCdoB mude o nome para retirar o C da sigla, que significa Comunista, por causa do estigma que a palavra adquiriu. Na sua opinião, a discussão sobre isso deve ser finalizada, no entanto, apenas em 2021.

Protestos de domingo

Dino classificou como “imenso erro” a convocação, feita por Bolsonaro, para protestos a favor dele no próximo domingo, 15. As manifestações têm como pauta ataques a instituições democráticas, como o Congresso Nacional e o Judiciário. Para críticos da atitude do presidente, há inspiração “golpista” neste método.

“Temos a crise do dólar. Tivemos o pibinho, de 1,1%, descontrole cambial ameaçando finanças públicas e a inflação. Neste momento, é preciso de serenidade, diálogo, e não convocar uma manifestação pública antidemocrática para pressionar Congresso e o Supremo. As manifestações do dia 15 são uma forma de afastar controles previstos pela Constituição para alimentar seus intuitos inclusivistas, personalistas, de beneficiar familiares”, disse o governador, para quem há setores próximos a Bolsonaro querendo “uma ruptura, rasgar a Constituição”.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

10 de março de 2020 às 19h23

Bolsonabo cometeu, em princípio, um crime, de calúnia, ao levantar suspeição sobre o TSE (não que não possa ter havido fraude, a qual, se se deram os fatos da forma que ele ventila, é uma possibilidade, realmente, mas incumbiria a ele comprovar). E macula qualquer resultado doravante auferido por essa via do voto eletrônico. Mas vão passar um pano pro Capetão, pois esse procurador-geral da República é tão ou mais omisso que o “engavetador-geral da República”. De fala em fala, de gesto em gesto, Bolsonabo vai esticando a corda…

Responder

Wellington

10 de março de 2020 às 14h12

Ameaçar o que Zé Ruela, se houve fraudes no passado e se comprovadas serveria para melhorar no futuro.

Responder

gandhi

10 de março de 2020 às 13h02

“Luto para que Lula e Huck chgeuem juntos ao segundo turno”…é normal esse sujeito ou tem algum problema mental ?

Responder

chichano goncalvez

10 de março de 2020 às 12h43

Ele Bolsomerda, é uma fraude da pior especie, só analfabeto politico para votar em chefe de quadrilha.Agora tem o mercenario Ronaldinho preso, é um digno representante deste desgoverno.

Responder

gasparzinho

10 de março de 2020 às 12h37

Ué, esquerdistas nao gostam mais de manifestaçoes populares…?

Responder

Deixe um comentário