Live do Cafezinho (18 h): Pós-verdade na política brasileira (uma conversa com Fabio Palacio)

Foto: Divulgação/STF.

Gilmar Mendes mantém críticas contra militares na Saúde

Por Redação

15 de julho de 2020 : 14h27

Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), manteve as críticas ao envolvimento das Forças Armadas na gestão da saúde pública no país.

Na semana passada, Mendes havia afirmado que a postura atual do Governo diante da pandemia é “péssima para as Forças Armadas”, fazendo questão de frisar “de maneira muito clara: o Exército está se associando a esse genocídio”.

No vídeo, em torno de 1h33min de transmissão, Mendes faz as críticas.

A reação do Governo foi enviar à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma notícia de fato contra Gilmar Mendes através do Ministério da Defesa nesta terça-feira.

A Defesa cita como argumentos para representar contra o ministro artigos da Lei de Segurança Nacional e do Código Penal Militar.

O vice-presidente Hamilton Mourão, na terça-feira (14), também cobrou de Mendes “retratações” pelas declarações.

Contudo, Gilmar Mendes reagiu afirmando que a declaração de sábado ocorria em um “contexto puramente acadêmico”, mas manteve a posição.

“O ministro Mandetta inclusive usou uma expressão dizendo que o general que lá está [Eduardo Pazuello], que é especializado em logística, talvez fosse mais especializado em balística, tendo em vistas o número de mortes que ele conseguiu. Portanto, foi nessa conversa que se desenvolveu”, explicou, em videoconferência transmitida ao vivo.

Em nota, Mendes defende: “em um contexto como esse, a substituição de técnicos por militares nos postos-chave do Ministério da Saúde deixa de ser um apelo à excepcionalidade e extrapola a missão institucional das Forças Armadas. Reforço, mais uma vez, que não atingi a honra do Exército, da Marinha ou da Aeronáutica”.

E manteve as críticas: “Apenas refutei e novamente refuto a decisão de se recrutarem militares para a formulação e execução de uma política de saúde que não tem se mostrado eficaz para evitar a morte de milhares de brasileiros”.

Veja a nota de Gilmar Mendes na íntegra:

Ao tempo em que reafirmo o respeito às Forças Armadas brasileiras, conclamo que se faça uma interpretação cautelosa do momento atual. Vivemos um ponto de inflexão na nossa história  republicana em que, além do espírito de solidariedade, devemos nos cercar de um juízo crítico sobre o papel atribuído às instituições de Estado no enfrentamento da maior crise sanitária e social do nosso tempo.

Em manifestação recente, destaquei que as Forças Armadas estão, ainda que involuntariamente, sendo chamadas a cumprir missão avessa ao seu importante papel enquanto instituição permanente de Estado.

Nenhum analista atento da situação atual do Brasil teria como deixar de se preocupar com o rumo das nossas políticas públicas de saúde. Estamos vivendo uma crise aguda no número de mortes pela COVID-19, que já somam mais de 72 mil. Em um contexto como esse, a substituição de técnicos por militares nos postos-chave do Ministério da Saúde deixa de ser um apelo à excepcionalidade e extrapola a missão institucional das  Forças Armadas.

Reforço, mais uma vez, que não atingi a honra do Exército, da Marinha ou da Aeronáutica. Aliás, as duas últimas nem sequer foram por mim mencionadas. Apenas refutei e novamente refuto a decisão de se recrutarem militares para a formulação e execução de uma política de saúde que não tem se mostrado  eficaz para evitar a morte de milhares de  brasileiro

Nota de Gilmar Mendes.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Jerson7

15 de julho de 2020 às 19h46

O supremo brasileiro è de um nivèl ridiculo de baixo.

E’ preciso mudar as nomeaçoes politicas dos ministros do Supremo para que bestas caprinas como esse Gilmar Mendez nao cheguem là nunca mais.

O Supremo precisa se autoregulamentar urgentemente…parar de expor e protagonizar polemicas idiotas, procurar cameras e microfones para fazer comentarios politicos, fazer leis conforme conveniencia, de viver no twitter e possivelmente parar de censurar, investigar e prender aleatoriamente…etc.

A gente nao deveria nem saber quem sao os ministros do Supremo.

Responder

Paulo

15 de julho de 2020 às 18h16

Pô, primeira bola dentro do Beiçola e o mundo desaba sobre ele?

Responder

Vicente

15 de julho de 2020 às 15h18

Como um sujeito ignorante e de nível tão baixo consegue chegar a um Supremo Tribunal Federal…?

Responder

    Batista

    15 de julho de 2020 às 23h48

    Essa é ‘fácil, extremamente fácil…”

    É que quando conseguiu chegar ao STF, a mediocridade ainda não estava na moda e no poder, no Brasil, onde então medíocres, graças ao filtro da modéstia, ainda naturalmente utilizado, enxergavam-se em ‘nível tão baixo’ que evitavam se exporem, ‘ignorantes’, como hoje, talquei?

    Responder

Deixe uma resposta