Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Sindicatos acreditam que nova CPMF será custeada pelos trabalhadores

Por Redação

05 de agosto de 2020 : 08h35

A proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, de reduzir a contribuição patronal para o Fundo de Garantia de Tempo e Serviço (FGTS) de 8% para 6% tem o objetivo de fazer com que o trabalhador pague pelos custos da criação da nova CPMF, acreditam os três líderes das principais frentes sindicais do Brasil.

Ao Estadão, o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, afirmou que na prática, o governo quer tirar 24% anual do saldo da poupança do trabalhador. “É uma reforma feita com o dinheiro do trabalhador. Guedes que vá taxar grandes fortunas ou taxar lucros e dividendos de empresários. O FGTS é sempre o alvo.”

Para Ricardo Pattah, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), disse que o governo busca fontes para financiar a nova CPMF e viu isso nas costas dos trabalhadores. “Ele nunca pensa em criar alternativas modernas para desonerar a folha. O foco é flexibilizar direitos dos trabalhadores. Guedes demonstra incapacidade e competência para o cargo.”

Já para o presidente da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), Adilson Araújo, se a redução do FGTS virar realidade, nada mais será do que a agenda imposta para a população nos últimos quatro anos. “A desoneração da folha pleiteada pelo patronato fragiliza ainda mais o sistema público de aposentadorias e subtrai recursos do fundo, que foi concebido como compensação pelo fim da estabilidade no emprego.” 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe uma resposta