Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Charge: Amarildo

É a política, estúpido!

Por Tadeu Porto

14 de agosto de 2020 : 16h39

Centrão, com diversas prefeituras espalhadas pelo país procurando se reeleger, alavanca popularidade de Bolsonaro.

Nas eleições de 2016 a esquerda quase não conseguiu emplacar prefeituras pelo país. Naquele momento, com todas as movimentações do Golpe, o Centrão se lambuzava recuperando os cargos que perdeu na briga entre Dilma e Cunha.

O resultado foi devastador para o dito campo progressista e, obviamente, ótimo para os partidos do toma lá da cá.

Segundo o observatório de informações municipais, Progressistas (antigo PP), Republicanos (antigo PR), PL, PSD, SD, PTB, DEM e MDB, somados, elegeram mais de 50% de prefeitos pelo país. Já o bloco de esquerda – PT, PDT, PSB, PSOL e PCdoB – pouco passou dos 20%.

Claro que muita gente mudou de partido, mas é factível considerar que as mudanças partidárias que ocorreram do ano do impeachment pra cá foram ainda melhores pra direita. Em 2016 o PSL não era quase nada, por exemplo.

E não tem segredo na política cotidiana: ano eleitoral, prefeitos e vereadores estão pensando em se eleger. Todo mundo guardou balha na agulha pra esse momento, afinal, esses partidos fazem o que querem sem ser questionados por isso.

Mesmo o desembarque de DEM e MDB do centrão mês passado não deve ter sido suficiente para barrar os acordos regionais locais já estabelecidos principalmente com as lideranças de bairro. Chega julho e geral tá em pré-campanha.

E tem mais: se considerarmos o resto dos prefeitos que não se enquadram no Centrão ou na Esquerda, temos partidos como o PSDB de Rogério Marinho e o PRB de Marcelo Crivella que representou aproximadamente 17% das prefeituras eleitas em 2016. Uma parcela considerável desses partidos certamente trabalham em prol do governo bolsonaro.

Ou seja, se despeja uma grana grande na mão dessa galera, seja por auxílio ou por cargos estratégicos, não tem muito mistério eles vão fazer o que sabem de melhor: arrumar voto a qualquer custo.

E se é o governo que tá bancando, parte do mérito vai pra ele, inevitavelmente.

E a tendência é crescer mais.

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Arthur

14 de agosto de 2020 às 20h02

O mais engraçado é q esses entitulados “progressistas” são dos mais ultrapassados e retrógrados que existem. Os países que deram certo foram justamente os que rejeitaram quase que totalmente essas idéias “progressistas”…

Responder

Laurindo

14 de agosto de 2020 às 19h58

Amém!
Se for pra dar mais um pisão na cabeça da esquerda, que assim seja.

Responder

Paulo

14 de agosto de 2020 às 18h05

Essa é a maior debacle moral do (des)Governo Bolsonaro…

Responder

Deixe uma resposta