Paris Café: O PT tem um projeto de governo? Qual é?

Rodrigo Perez: Sobre a agenda do voto impresso, endossada pelo PDT

Por Redação

28 de maio de 2021 : 18h45

Por Rodrigo Perez

1) Tecnicamente, a discussão não faz sentido, pois a segurança da urna eletrônica já está mais que comprovada. O sistema é perfeitamente auditável.

2) Mas nem tudo na vida se revolve com argumentos técnicos. Cada vez mais, argumentos técnicos perdem a capacidade de produzir convencimento, o que é típico de uma sociedade atravessada por uma crise caracterizada pela intensa polítização da realidade. Portanto, a discussão sobre voto impresso faz sentido sim. É o fato de ela existir politicamente que faz com que tenha sentido.

3) A desconfiança com a urna eletrônica é tão antiga quanto a própria eleição digital. Lembro que quando criança ouvia com frequencia os mais velhos falando que a urna eletrônica não era confiável. É claro que essa desconfiança se tornou mais intensa desde 2013, junto com o ceticismo geral com todas as instituições democráticas, absolutamente todas. Melhor que ninguém, Bolsonaro conseguiu se apropriar dessa desconfiança coletiva, e se tornou o principal crítico da democracia representativa. Esse é seu principal capital político.

4) Existe, então, um sentimento social de desconfiança com a votação eletrônica. Não sei bem o tamanho desse sentimento, pois desconheço pesquisas mais recentes sobre o tema. Tudo indica que uma parcela numericamente relevante da população não confia totalmente na urna eletrônica. As instituições da democracia precisam acolher essa desconfiança. É exatamente essa a proposta do PDT, que é muito diferente do plano golpista de Bolsonaro, que é abolir a votação eletrônica ou permitir que o eleitor saia com o recibo, o que na prática acaba com o voto secreto. Como eu disse antes, tecnicamente a discussão não faz sentido, mas se a confiança da população no processo eleitoral aumentaria com a impressão do voto, a democracia precisa responder à demanda.

5) O que Ciro e o PDT fizeram ao apoiar o voto impresso é parte da estratégia eleitoral do partido, que hoje têm o desafio mais inglório na cena eleitoral: ser terceira via em eleição protagonizada pelas duas maiores lideranças populares da história recente brasileira. Não à toa, até agora ninguém conseguiu se consolidar como terceiro nome. Percebendo que Lula é imbatível na parte progressista do eleitorado e que Bolsonaro está se enfraquecendo, Ciro decidiu disputar o eleitor que está ou esteve com Bolsonaro. Pra isso, cada vez mais vai precisar assumir a posição de crítico às instituições vigentes. Há um oceano separando a crítica feita por Ciro da crítica feita por Bolsonaro. Acho que do jeito que o jogo está dado, a estratégia da candidatura de Ciro deve ser essa mesma. Sou eleitor convicto de Lula e entendo perfeitamente o que Ciro e o PDT estão tentando fazer. E digo mais: torço pra funcionar. O melhor dos mundos seria a eleição disputada entre Lula, representando do sistema instituído pela constituição de 1988, e Ciro, fazendo papel de crítico a esse sistema. E Bolsonaro reduzido ao nicho do fascismo puro sangue.

A estratégia pedetista vai funcionar? Acho que não, mas tem que tentar. O jogo só acaba quando termina.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

carlos

29 de maio de 2021 às 07h37

A tecnologia a desserviço de seu próprio aperfeiçoamento, transgressão, nesse caso é pouco é como se estivéssemos voltando a idade da pedra lascada.

Responder

GUSTAVO FERREIRA

29 de maio de 2021 às 07h22

Quanta baboseira, o que impera é o sentimento de vira lata, se a urna tivesse sido inventada e reproduzida por americanos, alemães, o dito primeiro mundo, esta discussão é tipica dos negacionistas: tem que ter um culpado pra tudo, desde que sejam excluídos! Nossas urnas eletrônicas são perfeitas: não são ligadas em rede (risco zero de raker), ao finandar as eleições sai um relatório impresso para tre e presidentes de partidos e um arquivo físico para ser enviado ao forum regional, daí pra frente tudo fica digital, seja voto impresso ou urna eletrônica, tem que ser muito bom o sistema e é. Resumindo mais balela do Coronel do Ceará.

Responder

Belchior

29 de maio de 2021 às 02h52

A resposta é simples. O petista raiz é diversionista, pirotécnico e negacionista igual ao bolsonarista raiz.

Responder

O Demolidor

29 de maio de 2021 às 01h33

Parece que assumiram de vez o eleitorado da direita……melhor assim do que ficar enganando o povo como foi na ultima eleição…

Responder

Marco Vitis

28 de maio de 2021 às 23h34

O autor do artigo afirma exatamente o contrário da verdade histórica. Lula não queria assinar a Constituição de 88. Ciro, ao contrário, apoiou a efetivação da chamada “Constituição Cidadã”. Ciro critica o fato de que muitos artigos da Constituição não foram parcial ou totalmente implementados como estava previsto.
De modo análogo, Lula foi contra a implantação do Plano Real. É ou não é FATO de que o Plano Real acabou com a hiperinflação ?
Um pessoa de bom senso deve reconhecer que o PT fez muitas coisas boas para o Brasil. Porém, o PT é incapaz de reconhecer seus inúmeros ERROS. Inclusive a perniciosa idolatria a Lula.

Responder

Obelê

28 de maio de 2021 às 22h42

” que é muito diferente do plano golpista de Bolsonaro, que é abolir a votação eletrônica ou permitir que o eleitor saia com o recibo, o que na prática acaba com o voto secreto.”

Kkkkkkkkkkkkkkk
Mas que estupidez. Não é nada disso. Só mesmo sendo muito idiota pra concluir ou sugerir uma coisa dessas. Beira o mau-caratismo.

A impressão do voto e a possibilidade de cada um poder confirmar que o que foi impresso é o mesmo que ele digitou na urna resolveria o último ponto de questionamento relacionado ao sistema de votação brasileiro. Afinal não há como ter certeza que a máquina grava o voto em sua memória interna de acordo com o que foi digitado. Por mais que as máquinas sejam isoladas de qualquer comunicação externa, a maquina poderia deliberadamente gravar os votos dos votantes de forma diferente do que fora digitado. As verificações que acontecem antes do início da votação e ao término delas são suficientes e adequadas para uma série de verificações e cruzamentos, mas se a máquina grava na sua memória os votos de acordo com como eles de fato foram digitados, ainda paira a dúvida.

Responder

    O Demolidor

    30 de maio de 2021 às 23h32

    Gostaria de saber então o porque de usar os dois se a urna não é confiável….e como eram auditados os votos em papel antigamente? Recontando um por um? Era infalivel?

    Responder

      ODestruidor

      31 de maio de 2021 às 22h07

      Sortear-se-ia uma amostra das urnas para auditoria. Aí bastaria apenas comparar o que está na memoria e o que está depositado em papel na urna de lona. Não constatando nada de errado estaria tudo certo. Tão simples quanto isso. Conseguiu entender?? Precisa que desenhe??

      Responder

Rony Lopes

28 de maio de 2021 às 19h32

Somente explica uma coisa como Lula pode ser representante do sistema instituído em 1988 se ele votou contra a constituição?

E como Ciro pode ser contra se ele trabalhou a favor ?

Responder

    Jules

    29 de maio de 2021 às 00h04

    O cara se declarou “eleitor convicto do Lula”. O que esperava?

    Responder

Deixe uma resposta