Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Foto: EDU GARCIA/R7

Alckmin acelera sua ida para o PSD

Por Redação

04 de julho de 2021 : 18h15

Além de Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o PSD poderá ter nos seus quadros o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que hoje está no PSDB. As conversas com o presidente Nacional do partido, Gilberto Kassab, estão em ritmo acelerado e a filiação poderá acontecer já nos próximos dias.

O tucano já declarou publicamente a sua intenção de disputar novamente o Governo de São Paulo. Alckmin liderou o estado por três mandatos, 2001 a 2006 e de 2011 a 2018.

Porém, Alckmin encontrou resistência dentro do próprio núcleo do PSDB paulista que atualmente é controlado pelo grupo de João Doria e devido a isso, o ex-governador se encontra isolado no próprio partido que ajudou a criar e que é filiado desde 1988.

Com informações do O Globo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EdsonLuiz.

04 de julho de 2021 às 23h47

Este cara, o Geraldo Alckmin, é um nome honrado.

Por mais que eu tenha diferenças de visão com ele, sua integridade, educaçào e seu empenho em construir resultados para entrega ao povo de São Paulo me levam a ter por Alckmim uma simpatia especial.

Eu sou um eleitor muito chato, e se o conjunto Perfil ideológico do candidato + Partido político + Projeto de governo não me atender, voto em branco.

Não falto às urnas nem anulo o voto por não querer deslegitimar o processo democrático, que começa por garantir meios de comunicação livres e financeiramente viáveis, prossegue com o direito universal de voto e, daí, avança.

Eu acho que alguém como Alckmim qualifica o exercício da política. Quando ele esteve sob investigação, a partir de denúncia de testemunnha, aguardei o desfecho com apreensão. Posso ter simpatia por um ator político, mas se ele se envolve com falcatruas, a minha simpatia derrete completamente. Quando o processo contra Alckmin teve como desfecho a sua inocência, senti um grande alívio. Nem tudo neste nosso país é incompetência e corrupçào.

Mas nào votaria facilmente em Alckmin. Alckmin é muito conservador para eu me animar por um voto nele. Eu gostaria que ele, ao sair do PSDB, procurasse se filiar a um partido em que a definição ideológica fosse importante. Como Alckmim é um político conservador, seria mais coerente se ele se filiasse ao Partido Novo, o único partido conservador com ideologia bem definida e onde a definição ideológica de Direita importa.

Para um amadurecimento institucional saudável a definição ideológica é muito importante, mais importante do que partido político. Definição ideológica vem primeiro; partido político vem depois. O Brasil não valoriza a definição ideológica de atores políticos e de partidos, por consequência, vivemos esse quid pro quo interminável, e essa nossa eterna militância desqualificada, na média.

Somos um país de poucos princípios. Os princípios, os valores, aqui no Brasil não importam. Foi por esse caldo de cultura de descompromisso, um tanto por oportunismo, que resultou no racismo estrutural, no nosso machismo multiplicado, no nosso profundo individualismo, que não é um traço de cultura de esquerda nem de direita e profunda miséria moral que é o tamanho de nossa pobreza e de nossa desigualdade.

Enquanto não tivermos um quadro institucional partidário decente não resolveremos nossa miséria política, e quadros políticos decentes, que poderíamos ter, como Geraldo Alckmim, procurarão o caminho partidário que mais chance tem de lhe garantir mandato, como o fisiológico PSD de Gilberto Kassab

Responder

Deixe um comentário