Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Notas Internacionais (por Ana Prestes) – 16/09/2021

Por Ana Prestes

16 de setembro de 2021 : 12h03

– Ontem, 15 de setembro, completou um mês da tomada de Cabul, no Afeganistão, pelos talibãs e o anúncio da derrota americana após 20 anos de invasão e ocupação militar do país. No intervalo de um mês os olhos do mundo estavam voltados para o Aeroporto Internacional Hamid Karzai, em Cabul, de onde foram evacuados os norte-americanos remanescentes no país, além de cidadãos e militares de países aliados dos EUA na ocupação, como Alemanha, França e Reino Unido. Também afegãos, especialmente os que trabalharam diretamente com as forças de ocupação ou com o governo Ashraf Ghani, tentaram deixar o país. Alguns conseguiram outros não e esse ainda é um ponto de tensão com as forças ocidentais. Nesse período, o aeroporto também foi cenário de um ataque terrorista com homens-bomba promovido pelo grupo ISIS-K, um braço do ISIS na região e opositor dos talibãs, que deixou mais de 180 pessoas mortas e dezenas de feridos. Durante esse período, os talibãs também neutralizaram o último ponto de resistência ao seu domínio no país, localizado no vale do Panjshir, onde está baseada a Frente Nacional de Resistência (FNR) liderada por Ahmad Massoud, filho do comandante Ahmed Shah Massoud, assassinado pela Al-Qaeda no início dos anos 2000. Há um debate em curso sobre a participação ou não do governo do Paquistão nesta operação. Na disputa entre Índia e Paquistão, interessa ao governo indiano associar o governo paquistanês aos talibãs. No último dia 7, os talibãs anunciaram seu governo, que será liderado por Mohammad Hasan Akhund e terá como número dois Abdul Ghani Baradar, que foi o negociador com Trump em 2020 e assinou o acordo de Doha para retirada das tropas dos EUA do Afeganistão. Como ministro da Defesa estará o mulá Yaqub, filho do mulá Omar, o ministro do interior será Sirajuddin Haqqani, que possui divergências metodológicas com Baradar. Haqqani parece defender um governo mais linha dura e de ataque frontal ao ocidente, enquanto Baradar faz mais a linha de um governo negociador. Na ocasião, o líder máximo do grupo, Hibatullah Akhundzada, anunciou que o novo governo se esforçará em “fazer respeitar as normas islâmicas e a sharia no país”. Como serão as políticas do Talibã em relação às mulheres e aos direitos segue sendo um grande debate internacional. Na última segunda (13), a alta comissária de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, fez críticas nesse sentido ao novo governo afegão. Segundo Bachelet, “contradizendo as garantias de que o Talibã manteria os direitos das mulheres, nas últimas três semanas, ao invés disso, mulheres foram progressivamente excluídas da esfera pública”. Ela também se referiu ao não cumprimento da anistia prometida a ex-funcionários civis ou de forças de segurança ligados ao antigo governo e proibição a buscas em suas residências. Há denúncias de perseguições a ex-trabalhadores de empresas, órgãos da ONU e organizações não governamentais que operavam no país. Nas últimas horas o novo governo afegão anunciou ter retido cerca de 12,4 milhões de dólares em dinheiro e ouro de ex-altos funcionários do governo (Reuters e outras agências).

– As eleições na Alemanha estão cada vez mais próximas. Serão no próximo dia 26 de setembro. A aliança governista CDU/CSU, da chanceler Angela Merkel, os verdes e a social-democracia disputam a liderança nas últimas pesquisas. Embora, nos últimos dias, o candidato do Partido Social Democrata (SPD), Olaf Scholz, conte com a preferência de mais de quase um quarto dos e das eleitoras. A candidata do Partido Verde, Annalena Baerbock, que começou a corrida eleitoral muito bem posicionada nas pesquisas, deixou de ser a preferida do eleitorado por enquanto. Ela tem feito um discurso mais linha dura contra a Rússia, por exemplo. O candidato de Merkel, Armin Lschet, atual governante da Renânia do Norte-Vestfalia, apesar de ser herdeiro de uma chanceler popular mesmo após 16 anos de governo, não está em uma situação confortável na corrida em que representa a União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã (CSU). Ele possuía uns 24% e hoje caiu para 20%. Interessante lembrar que Scholz fez e ainda faz parte do governo Merkel como ministro das finanças e vice-chanceler. (Fonte: Flávio Aguiar – RFI)

– A relação entre EUA e China teve um novo capítulo nos últimos dias. Até agora, desde a posse de Biden em janeiro, os dois presidentes ainda não se encontraram pessoalmente. Há uma tentativa dos EUA em promover o encontro durante a cúpula do G20 no final de outubro em Roma. No último dia 9 os dois presidentes se falaram por telefone e o tema foi que “se evite um conflito”, de acordo com os anúncios da Casa Branca à imprensa. Foi a segunda chamada telefônica entre eles. Segundo fontes da imprensa chinesa, o presidente Xi teria dito: “se China e EUA se enfrentarem, ambos países e o mundo sofrerão”. No telefonema, o presidente Biden teria proposto um encontro presencial, mas Xi, que não deixa o solo chinês já há cerca de 600 dias, não deu nenhuma sinalização para o possível encontro. Inclusive não deverá estar em Nova Iorque na próxima semana para a Assembleia Geral da ONU.

– No último dia 5 de setembro houve um golpe militar na Guiné-Conacri. Um grupo de militares liderados pelo tenente-coronel Mamady Doumbouya deteve o presidente do país, Alpha Condé (90 anos), suspendeu a Constituição, dissolveu o governo e demais instituições e fechou fronteiras terrestres e aéreas. Tanto a Comunidade Econômica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) como a União Africana suspenderam o país das plataformas e tentaram intervir para a libertação do presidente Condé. Foi permitida a visita de uma comissão da CEDEAO que alegou ter encontrado o presidente em bom estado de saúde. Os presidentes do Congo e da Turquia ofereceram asilo para o presidente deposto. Hoje (16) ocorre uma cúpula da entidade sobre o golpe em Acra, Gana. Umaro Sissoco Embaló, presidente da Guiné-Bissau, tem sido um dos articuladores das iniciativas internacionais frente ao golpe. A Guiné-Conacri faz fronteira com a Guiné-Bissau e é um dos países mais pobres do mundo.

– No Haiti, houve novidades quanto às investigações sobre o magnicídio do presidente Jovenel Moise. O primeiro-ministro do país, Ariel Henry, demitiu o promotor Bel-Ford Claude horas depois que um representante do Ministério Público solicitou a um juíz que abrisse investigação contra o premiê como réu no caso do assassinato. A alegação é de que Henry teria falado poucas horas após o crime por duas vezes ao telefone com um dos suspeitos de ter ordenado o assassinato, o ex-oficial Joseph Felix Badio (fonte: El País). Até agora, 44 pessoas estão em prisão domiciliar preventiva, inclusive 18 colombianos, implicados no caso do assassinato de Moise, inclusive há policiais que faziam a segurança do presidente entre os presos. Outra novidade é que no último sábado as principais forças políticas do país concordaram em redigir uma nova Constituição e organizar eleições ao final de 2022 para a sucessão de Moise. No intervalo até as eleições e posse do novo governo, Henry conduzirá um governo de unidade “apartidário” com membros ainda a serem nomeados. Mas a revelação dos telefonemas às 4h e 4h20 da manhã entre Henry e o possível executor do crime na madrugada do magnicídio pode colocar tudo em suspenso.

– No Peru, a vice-presidente, Dina Boluarte, informou que estão sendo coletadas assinaturas para um referendo que permita a convocação de uma nova assembleia constituinte. A atual constituição peruana está vigente há 28 anos e não prevê a instauração de uma nova Assembleia Constituinte, portanto será necessário fazer uma reforma constitucional que pode ser proposta pelo presidente, o próprio Congresso ou 0,3% dos aptos a votar no país. Recentemente 10 parlamentares do partido Peru Livre apresentaram um projeto neste sentido.

– Na Argentina, após o mal resultado do governo no PASO, que são as primárias eleitorais obrigatórias que funcionam de antessala das eleições propriamente ditas, funcionários e ministros do governo Fernandez colocaram seus cargos à disposição. Na província de Buenos Aires, onde governa Alex Kicillof, membros do governo também colocaram seus cargos à disposição. A Frente de Todos teve resultados negativos em 17 unidades territoriais – províncias, incluindo a de Buenos Aires. 

Ana Prestes

Ana Prestes Socióloga, mestre e doutora em Ciência Política pela UFMG. Autora da tese “Três estrelas do Sul Global: O Fórum Social Mundial em Mumbai, Nairóbi e Belém” e do livro infanto-juvenil “Mirela e o Dia Internacional da Mulher”. É membro do conselho curador da Fundação Maurício Grabois, dirigente nacional do PCdoB e atua profissionalmente como assessora internacional e assessora técnica de comissões na Câmara dos Deputados em Brasília.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

16 de setembro de 2021 às 23h10

Como assim, os “hermanos” ministros colocaram seus cargos à disposição. A Argentina não é um Regime Presidencialista? Os cargos já não são de nomeação exclusiva do presidente da República? É um “gesto simbólico”? Para quê?

Responder

Valeriana

16 de setembro de 2021 às 12h32

Eu enviaria essa tal de Bachelet para trocar umas ideias civis e democraticas sobre os direitos humanos com os barbudos…kkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Bandoleiro

16 de setembro de 2021 às 12h17

Sorte da Argentina que “tem um Presidente” como diziam as esquerdetes….kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Deixe um comentário