CPI da Fake News, com Joice Hasselmann

Os perigos da delação premiada

Por Miguel do Rosário

02 de dezembro de 2014 : 13h47

enzo-tortora-03-1


 

No dia 11 de novembro último, escrevi um post que terminava prometendo uma continuação, na qual relataria o caso Enzo Tortora, o maior escândalo judicial das últimas décadas na Itália, quiçá da Europa. Só que a blogagem política no Brasil é uma montanha russa. Todo dia um susto, uma nova tentativa de golpe, um escândalo, uma manipulação torpe, e como eu sou apenas um, nem sempre consigo tempo, tampouco serenidade, para escrever o que eu quero. A gente fica à mercê das tempestades.

O caso Enzo Tortora foi mencionado por Henrique Pizzolato, numa entrevista para a imprensa italiana que o Estadão surrupiou e publicou como se fosse dada ao jornal brasileiro, mas mutilando a parte em que o petista compara o seu calvário ao de Tortora.

“Sou um novo Tortora”, disse Pizzolato, e a frase foi para a manchete de dois jornais italianos.

Quem foi Enzo Tortora? Por que Pizzolato o citou? Por que os jornais italianos deram manchete justamente a essa frase? Por que os jornais brasileiros cortaram a menção na entrevista que publicaram aqui?

Eu vou resumir a história de Tortora, que na verdade é bem simples.

Trata-se de um escandaloso episódio de erro judicial, envolvendo delação premiada. Um inocente foi preso, e só foi inocentado oito anos depois, após sua vida e de sua família serem destruídas na mídia.

A comoção na Itália, e a vergonha na opinião pública, foram tão grandes, quando se deu conta do erro, que foi realizado um plebiscito para aprovar uma lei, impondo duras penalidades a juízes e promotores que cometessem arbítrios contra cidadãos italianos, como cercear o direito à defesa ou agir deliberadamente, sem a devida imparcialidade, para culpabilizar o réu.

A lei ganhou o plebiscito com mais de 80% de aprovação. Quando foi sancionada, porém, em 1987, recebeu cortes que a descaracterizaram, mas uma nova lei, agora aceitando integralmente os termos constantes no plebiscito, foi aprovada no início deste ano de 2014.

A história de Tortora oferece um alerta fundamental para os riscos da instituição da delação premiada, sobretudo em países onde a comoção pública parece se converter em linchamento, pressionando promotores e juízes a condenarem mesmo sem provas.

Aconteceu o seguinte.

Às quatro e quinze da manhã, do dia 17 de junho de 1983, o famoso apresentador de TV, Enzo Tortora, acordou ao som de fortes batidas em sua porta, no hotel em que vivia em Roma.

Eram “carabineri”, a polícia italiana, que vinham lhe prender.

Tortora havia sido acusado de envolvimento com a Nova Camorra, uma das máfias mais poderosas do crime organizado italiano.

Em maio de 1982, o parlamento italiano havia aprovado a chamada “legge sui pentiti”, a lei dos arrependidos, que previa redução da pena a quem se dispunha a colaborar com o Estado na luta contra o terrorismo e a criminalidade organizada.

Então, um presidiário ligado à máfia acusa Enzo Tortora de fazer parte do grupo, operando no tráfico de cocaína.

Tortora apresentava um programa do tipo bem comercial, em que os telespectadores enviavam produtos excêntricos, para que fossem leiloados ao vivo.

Um presidiário, ligado a Camorra, enviou um jogo de bordados que ele mesmo tinha feito, para o programa. Passado vários meses, o presidiário começou a escrever cartas perguntando o que tinha sido feito de seus bordados. A produção do programa pediu que o depósito fosse vistoriado, mas eles não foram encontrados.

Tortora, então, escreve uma carta ao camorrista, relatando o extravio do material e propondo uma indenização pecuniária.

O camorrista irá, em seguida, usar esta carta para incriminar Tortora, dizendo que ela vinha escrita em linguagem cifrada, e que o bordado significava drogas, e que a oferta de dinheiro relacionava-se à quantia a ser paga.

Quando Tortora se defende perante o juiz e imprensa, que acompanha o caso em tom sensacionalista, jurando que não conhecia o delator, o presidiário mostra a carta, como prova que eles mantinham contato.

Uma sequência de fatos se desencadeia em desfavor de Enzo Tortora.

Outros mafiosos, que ouviram a história na TV e a leram nos jornais, resolvem também delatar Enzo Tortora.

No apartamento de um dos delatores, a polícia encontra uma agenda onde se lia o nome “Tortora”, ao lado de um número telefônico (em seguida, seria comprovado que o nome certo era Tortona, não Tortora, e que o número de telefone não era do apresentador).

Os jornais caem em cima de Tortora, sem piedade. Longos editoriais, artigos, crônicas, charges, são publicadas contra o pobre apresentador, que esbravejava inutilmente sua inocência. Raríssimos intelectuais saíram em sua defesa. Certamente, os que entendiam ética também como respeito absoluto as direitos individuais, onde se inclui o direito à dignidade, contra o Estado, a mídia e as massas.

Sua única defesa, perante tantos delatores lhe acusando, era que todos eram bandidos, e sua palavra não merecia fé.

Aí aparece um pintor, sem ligação com a máfia, afirmando que tinha visto Enzo Tortora vendendo cocaína num banheiro de uma festa VIP.

O tal pintor vai a todos os programas de TV possíveis.

A casa caiu para Enzo Tortora.

Ele não tinha mais como se defender.

Juízes e procuradores também usaram o caso para se promoverem.

Enzo Tortora, já visto por uma parcela da opinião pública como uma vítima de um judiciário negligente, mas ainda não absolvido pela Justiça, foi eleito deputado do parlamento europeu por um partido da nova esquerda italiana, o Partido Radical.

Mesmo eleito deputado, Tortora perdeu os últimos recursos a que tinha direito, e foi condenado a tantos anos de reclusão, logo convertida para prisão domiciliar. Ele renuncia ao parlamento europeu para cumprir a pena.

Anos depois, as acusações começam a ruir.

Era tudo mentira. O pintor queria aparecer. Descobriu-se que ele já tinha sido condenado, em outras ocasiões, por fazer acusações falsas.

Os mafiosos queriam apenas se beneficiar da delação premiada, e escolheram Enzo Tortora como um alvo perfeito. Era um cara importante o suficiente para fazer bonito junto à promotoria. E era inocente, ou seja, eles não denunciavam nenhum perigoso figurão da máfia, que naturalmente não ficaria satisfeito em ser delatado.

Ao cabo, um novo julgamento é realizado, e Tortora é totalmente absolvido.

No documentário, é comovente a cena do advogado de Tortora chorando copiosamente com o fim de um pesadelo de oito anos.

A delação premiada é o pesadelo dos advogados, que vê seu cliente ser acusado sem que seja apresentada nenhuma prova.

No Brasil, a instituição da delação premiada, que pode ser importante em alguns casos, está se tornando uma verdadeira panaceia, e a comunidade jurídica e política devem se insurgir contra a tentativa de torná-la em instrumento do arbítrio, sobretudo se manipulada inescrupulosamente pela mídia.

Vou contar-lhes um outro caso, atual, que demonstra os perigos da delação premiada. Acaba de acontecer com o diretor regional dos Correios, do Rio de Janeiro, Omar de Assis Moreira.

Através de conhecidos em comum, ele me procurou, e conversamos por algumas horas. Parece-me mais uma história de arbítrio e erro judicial, possivelmente com o dedinho de algum procurador metido a justiceiro.

Em abril de 2013, Omar exonerou o gerente de saúde dos Correios. Ele ainda não sabia das irregularidades que seriam encontradas na área. Foi por outra razão: o gerente deixou de atender um funcionário que se encontrava num hospital público de uma cidade do interior do estado. Um caso de negligência explícita, com requintes de desumanidade.

O novo gerente de Saúde, então, começou a achar coisas estranhas nos contratos com os planos de saúde e hospitais conveniados e procurou Omar.

Omar pediu que fosse feito um relatório. Feito o relatório, criou uma comissão interna para avaliar a procedência das informações contidas no documento. Sim, havia irregularidades.

O diretor então cria imediatamente uma sindicância interna e aciona a Polícia Federal.

Tem início o processo oficial de investigação do que, mais tarde, se revelaria um esquema de fraude nos pagamentos aos planos de saúde dos funcionários dos Correios.

Aí entra um outro personagem na história: um dos assessores de Omar. Ao ser empossado diretor regional dos Correios, Omar tinha o direito de chamar mais ou menos meia dúzia de assessores. Um deles é o personagem da nossa história.

Em outubro de 2013, o assessor de Omar é flagrado numa fraude grotesca. Ele havia simulado o internamento de sua mulher num hospital de Laranjeiras, zona sul do Rio. Na mesma data da internação, entre julho e agosto de 2013, a mulher e ele apareciam numa festinha de amigos, com fotos no Facebook.

Os boatos começam a circular nos corredores, até porque o clima andava tenso, com a existência de uma sindicância interna para apurar justamente fraudes na gestão dos planos de saúde dos carteiros, e chegam aos ouvidos de Omar.

A Polícia Federal então investiga o caso e descobre rapido e facilmente que o assessor, de fato, havia fraudado a internação da esposa, provavelmente em conluio com gente do hospital.

Omar o exonera imediatamente, assim que ele é indiciado pela PF.

As investigações correm e, em março deste ano de 2014, mais dois funcionários são pegos pela PF protagonizando a mesma fraude cometida pelo assessor de Omar, na mesma época e no mesmo hospital.

A PF ou a promotoria voltam a apertar o assessor. Pedem que ele denuncie gente graúda que fazia parte do esquema.

Daí o assessor inicia um processo de delação premiada, e quem ele acusa?

Omar, o diretor regional dos Correios.

Segundo o assessor, Omar receberia R$ 6 mil por mês para acobertar o esquema. Não apresentou provas, apenas a sua palavra, além de duas testemunhas, um sobrinho, que ele havia empregado nos Correios, e um amigo. As duas testemunhas apenas dizem que, em certa ocasião, estando na companhia do assessor, viram-no ir até um outro carro, num posto de gasolina, e entregar um envelope a ele.

Pelo que Omar me contou, é um caso bastante fraco de delação premiada. Mas já rendeu matéria na Veja e no RJ TV, onde apenas a palavra do delator foi ouvida. A Veja foi, como sempre, a mais pobre: não deu o nome do delator, disse apenas que era fonte anônima.

O caso me parece mais um episódio a comprovar o cuidado que devemos ter com a instituição da delação premiada.

Não há como deixar de pensar na Operação Lava Jato, onde também há uma grande volúpia, por parte do judiciário e do Ministério Público, e usar a delação premiada. Neste caso, parece que temos elementos mais consistentes, que não apenas a delação. Mesmo assim, ou antes justamente por isso, é preciso ter cuidado. A existência de provas pode dar substância à uma denúncia sincera de um criminoso, mas também pode ajudar a validar uma série de mentiras. Por exemplo, descobre-se que fulano, já preso preventivamente, tem determinada conta na Suíça, proveniente de propina. Isso é prova que ele é corrupto, ou lavador de dinheiro, mas não pode servir para validar uma acusação falsa contra uma outra pessoa, sem que seja mostrada uma prova concreta que envolva esta pessoa.

Enfim, a juízes, promotores e delegados cumpre investigarem, acusarem e julgarem com honestidade, sem entrar no jogo sujo da política e da mídia, e sem se arvorarem em justiceiros.

A única coisa que interessa à nossa democracia e ao nosso povo, e apesar dos preconceitos do próprio povo, é que a justiça seja conduzida com sábia moderação e estrito compromisso com os ditames da Constituição e do bom senso.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo Silva

03 de dezembro de 2014 às 21h40

Reparações tardias a Enzo:
Para homenageá-lo, uma biblioteca em Roma, uma praça em San Benedetto del Tronto, um largo em Milão, uma galeria em Gênova, uma rua em Nápoles e outra em Mondovi e o foyer de um teatro na Itália são designados pelo nome Enzo Tortora.
A história desta vítima da malagiustizia foi transformada em filmes para o cinema e a televisão.

Responder

Messias Franca de Macedo

02 de dezembro de 2014 às 23h06

A história do doleiro que a mídia não contou

27 de outubro de 2014 | 15:07 Autor: Miguel do Rosário

[As raízes do doleiro Yousseff no escândalo do Banestado dos corruptos DEMoTucanos!]

A mídia escondeu a verdeira história do doleiro.
Alberto Youssef foi condenado em 2004, pelo mesmo juiz Sergio Moro, do Paraná, por corrupção.
Segundo a Ação Penal movida contra Youssef, ele obteve um empréstimo de US$ 1,5 milhão, em 1998, numa agência do Banestado, banco público do Paraná, nas Ilhas Cayman.
(…)
Alberto Youssef é um produto 100% tucano.

FONTE: http://tijolaco.com.br/blog/?p

Responder

Messias Franca de Macedo

02 de dezembro de 2014 às 22h41

Carreira “política” de Costa na Petrobrás começou na era tucana

7 de setembro de 2014 | 09:31

Autor: jornalista Miguel do Rosário

O Tijolaço teve acesso a um documento que traz informações que a mídia tem sonegado à população brasileira.
(…)
Em 1995, sob a gestão de FHC, é indicado como Gerente Geral do poderoso departamento de Exploração & Produção do Sul, responsável pelas Bacias de Santos e Pelotas.
Nos anos seguintes, sempre sob gestão tucana, Costa foi beneficiado por várias indicações políticas internas da Petrobrás. Foi diretor, por exemplo, da GasPetro de 1997 a 2000.
(…)

[EM TEMPO]

Sob a gestão Dilma, Paulo Roberto Costa foi exonerado, primeiro, e depois preso pela Polícia Federal.

FONTE LÍMPIDA!:

http://tijolaco.com.br/blog/?p=20920

Responder

Messias Franca de Macedo

02 de dezembro de 2014 às 22h29

… “O enojado” CORRUPTO é da cota do senador Francisco Dornelles (PP/RJ), primo do candidato derrotado DEMoTucano Aécio ‘Never’, o mesmo perdulário e nepotista do ‘AeroPÓrto da Fazenda do Titio’, irmão da Andrea, ‘A voluntária Irmã Dulce das Alterosas’!…

Lá isso é oPÓsição, sô?!

Responder

Messias Franca de Macedo

02 de dezembro de 2014 às 22h22

“Quem tem com o que me pagar, nada me deve!”

E/ou

“Aqui se faz aqui se paga!”

##################

[BOMBA! EXTRA!…]

PETROBRAS ESTUDA BLOQUEAR ESPÓLIO DE SÉRGIO GUERRA

Falecido presidente do PSDB teria recebido US$ 10 milhões para inviabilizar CPI da Petrobras, em 2009; denúncia é do doleiro delator Alberto Yousseff, segundo fontes próximas ao comando da Operação Lava Jato; dinheiro teria sido drenado para o Haras Pedra Verde, em Limoeiro (PE), considerado um dos mais ricos do país, com 200 cavalos Manga Larga; obras de arte e vida de luxo cercavam o antigo chefe tucano; Petrobras, na condição de vítima, estuda pedido de bloqueio dos bens sobre o espólio repassado à família

2 DE DEZEMBRO DE 2014 ÀS 20:15

(…)

Responder

Marcilio Leite

02 de dezembro de 2014 às 20h45

O infantiloide do André Souza precisa saber quem nomeou o Paulo Roberto Costa alguém muito próximo ao ídolo dele…..

Apenas para esclarecer as palavras do Paulinho seu novo ídolo este apelido não passa de folclore (ele mesmo falou há pouco na CPI). Aliás quem é o Senador? que você provavelmente votou, é de Londrina e ganhou um trocado junto com Sérgio Guerra para abafar a CPI da Petrobras?

Será que ele usa Botox e tira fotos com cachorrinho?

Se manca rapaz pelo menos uma vez na vida pensa…também com esta foto de “Mauricinho” só podia ser eleitor do “Senador Carioca que nas horas vagas governa Minas Gerais”,

É cada uma que temos que ler….

Responder

Robson Lopes

02 de dezembro de 2014 às 20h38

Relação premiada, né!?

Responder

Paulo Henrique Tavares

02 de dezembro de 2014 às 20h21

Sabemos onde a direita quer chegar: criminalizar o pt, os movimentos sociais e a democracia.
Cabe aos movimentos sociais se prepararem para o pior (ou melhor). digo mais, devemos enfrentar isso sozinho, pois não temos no que nos segurar. O aparato estatal, a mídia, os bancos, a “justiça”, os “intelectuais”, etc, estão e sempre estarão com os mais fortes.
Estamos num momento histórico, as condições estão já definidas, é continuar indo para frente ou recuar 100 anos. Isto é que está, de fato, em jogo.
Logo, cabe ao governo criar uma equipe séria e comprometida. Se a direita insistir no golpe, que coloque o país na guerra civil, ao custo que for necessário, inclusive para as elites.
Se vocês olharem o Brasil de hoje é o caso da Ucrânia. Só que eles não contaram com a astúcia dos heróis de Donbass

Responder

washington Araújo

02 de dezembro de 2014 às 17h51

Muito do que vemos e ouvimos hoje na chamada velha mídia cheira a inquisição. O cheiro de reputações queimadas é enorme. Parabéns, Miguel Do Rosario, pela sua sensisbilidade e coragem em apontar as injustiças das quais muitos são vítimas. Belo texto o seu. Que pessoas como o Omar sejam redimidas neste triste momento em que vivemos.

Responder

Heloisa

02 de dezembro de 2014 às 15h52

Vamos falar de algo mais importante. A DILMA está a transformar o Palácio do Planalto num MERCADO PERSA. Na sexta-feira, o governo editou um decreto ampliando em R$ 10,032 bilhões os gastos de toda a máquina pública. Nesse total, estão R$ 444,7 milhões para emendas individuais dos parlamentares — R$ 748 mil para cada um dos 513 deputados e 81 senadores. Com esse aporte novo, cada um deles fechará o ano com R$ 11,6 milhões para emendas individuais. Hoje, o governo tentará votar mais uma vez o projeto de lei que altera a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) e que, na prática, elimina qualquer meta fiscal do governo. Eis aí um governo que reivindica a autoridade moral para conduzir uma reforma política !

Responder

    Mauricio Gomes

    02 de dezembro de 2014 às 20h10

    Seguindo seu “raciocínio”, então podemos dizer que o FHC transformou o Palácio do Planalto na antiga e folclórica Feira de Acari, onde o crime e contrabando davam o tom das “negociações”. Afinal, ele estuprou a constituição e depois COMPROU os votos dos deputados para aprovar sua famigerada reeleição ao arrepio da lei. E não foram “emendas”, foi suborno mesmo. E não esqueça que uma das primeiras iniciativas de FHC foi baixar o decreto 1376/95, que extinguiu uma comissão especial, criada por Itamar Franco, para investigar as denúncias de corrupção no governo. Quer mesmo falar em “autoridade moral”?

    Responder

marco

02 de dezembro de 2014 às 14h45

Não por perfeccionismo,mas coloque-se um Z na palavra institucionalizada?

Responder

marco

02 de dezembro de 2014 às 14h43

Sr.Miguel.Ja´escrevi aqui e noutros blogs.A DELAÇÃO PREMIADA,NÃO PASSA DO ” INSTITUTO DO DEDURISMO “.Ou seja,endeduração alcaguetágem institucionalisada.Não passa disso.O herói ncional desse instituto,chamava-se JOAQUIM SILVÉRIO DOS REIS,que é o seu PATRONO.

Responder

Deixe uma resposta