Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Dez razões para não ter golpe

Por Miguel do Rosário

08 de agosto de 2015 : 18h15

Dez razões que sepultam o golpe

Por Gisele Cittadino e Rogerio Dultra dos Santos, no blog Democracia e Conjuntura.

A situação política no país assemelha-se a um intricado jogo, cujas peças movem-se em várias direções sem que tenhamos, a priori, a capacidade de bem calcular os efeitos de cada um desses movimentos. Entretanto, existem em alguns deles fortes sinais do início do fim do frenesi golpista.

Há, hoje, a possibilidade de que a ameaça de impeachment tenha sido antes uma estratégia para o enfraquecimento do governo do que uma intenção concreta de ruptura institucional. Noves fora as tresloucadas pretensões presidenciais de Aécio Neves e sua trupe senatorial.

Vejamos as jogadas lançadas no tabuleiro nos últimos dias.

Elas indicam no geral que a instabilidade econômica causada pelo golpismo encontrou resistências acentuadas.

São pelo menos 10 as razões pelas quais se pode antever que o país não tem mais o clima para o malfadado e radical impeachment de agosto:

1) O crime de Cunha.

Eduardo Cunha conseguiu aprovar açodadamente as contas dos governos de Itamar Franco, FHC e Lula no plenário da Câmara dos Deputados.

Aparentemente limpou a pauta para votar – e talvez rejeitar – as contas do primeiro mandato de Dilma Rousseff, não sem antes criar novas despesas públicas.

Romero Jucá informa que o Senado Federal não será pautado pelos “delírios” que chegam da Câmara.

A verdade por trás desta notícia é que Eduardo Cunha levou diretamente à Câmara contas que, segundo o art. 166, §1 da Constituição, deveriam passar pela Comissão Mista antes de seguir em frente. Ou seja: ele cometeu uma grave violação do ordenamento constitucional e pode ser diretamente responsabilizado por isto;

2) O inimigo de Cunha.

Na noite da quinta-feira, dia 06, Dilma decidiu reconduzir o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, para um novo mandato de dois anos. Janot é o personagem contra quem Cunha declarou guerra. Janot recebeu uma votação expressiva no Ministério Público Federal e terá condição de colocar freio na caça às bruxas dos procuradores mais afoitos.

Mais. Janot tem o poder de denunciar o Presidente da Câmara dos Deputados ao STF – inclusive pela quebra de procedimento na votação das contas públicas (vide razão (1)).

A recondução de Janot, em tempo recorde, indica uma composição política central na contenção do golpe.

Como Dilma precisa da aprovação política do Presidente do Senado para o novo mandato de Janot acontecer politicamente sem atritos, isto significa de fato que Renan o aprovou. Numa reunião com Dilma nesta semana, Renan afirmou ter intenção de não atrasar a sabatina no Senado;

3) O parceiro de Dilma.

Renan Calheiros participa de um jantar “secreto” na casa de Tasso Jereissati, cujo objetivo é o de discutir a possibilidade do impeachment de Dilma, mas registra no Senado o compromisso, permitindo que o jantar se tornasse conhecido por todos.

Ao vazar publicamente a reunião dos golpistas para a qual foi convidado, Renan acenou para o governo que não é golpista. Tese confirmada pela movimentação descrita na razão (2).

Renan irá lutar pela aprovação das contas de Dilma Rousseff. Um movimento nesta direção foi a Senadora Rose Freitas (PMDB-ES) solicitar ao STF a anulação do ato de Eduardo Cunha de colocar as contas dos Ex-Presidentes na Câmara.

Base de Renan no Senado, Rose argumenta que a competência para a avaliação contábil é do Congresso Nacional e suspende a discussão das contas de Dilma por tempo indeterminado. O golpe por aí também não prospera;

4) O tarefeiro de Dilma.

A fala do Temer, chamando a oposição para a conciliação, parece ter sido mesmo articulada com o planalto, vide a fala do Mercadante (esta irritou a militância pelo tom entreguista, mas foi fundamental para indicar a parceria com o Temer). Jaques Wagner também defendeu o Vice-Presidente.

Temer chamou o apoio da FIESP, que chamou a FIRJAN. Ambas representam os interesses da indústria no país.

Divulgam uma nota pública que é, ao mesmo tempo, um resposta positiva ao pedido de Temer e uma crítica à irresponsabilidade de Eduardo Cunha que, para livrar-se da prisão, trabalha no sentido de inviabilizar a economia do país;

5) O “Ex”-Golpismo da mídia.

A Globo entendeu o recado da Indústria brasileira e o recado do Renan e no editorial desta sexta 07 fritou Eduardo Cunha em definitivo.

Este, junto com Collor (que chamou Janot de FDP), deverá ser processado pela PGR em 3, 2, 1…

A degola de EC foi, portanto, sacramentada oficialmente e passada em cartório.

Eduardo Cunha – uma ponta solta golpista – deverá ser “fuzilado” pela PGR (Janot), a despeito dos seus encontros com Merval Pereira na sede do Jornal O Globo.

Isto não significa que a Globo está de bem com o PT ou que desistiu de derrubar a Dilma. Apena que foi freada por forças maiores. Pelo menos, no momento;

6) O malogro das panelas.

O “panelaço” foi um ridículo fiasco, com cara de iogurte estragado. Com o Alkmin fora do golpe, somente a banda podre do PSDB concorrerá ao dia 16 (leia-se Aécio, Aloysio Nunes e Serra – a segunda ponta solta do golpismo).

Esta parcela do PSDB desespera-se e assume uma postura histriônica, pedindo, também em nota pública, a convocação de novas eleições.

A Globo provavelmente fará uma cobertura mais discreta das eventuais manifestações (se fizer estardalhaço, o objetivo geral não será golpe, mas sangramento do governo);

7) O novo Ministério e a Oposição Judicial.

O novo ministério de Dilma terá, provavelmente, nomes de peso.

Um deles seria o Senador Roberto Requião (PMDB-PR), homem forte no Paraná da “Operação Lava-Jato”.

Outro ministro pode ser Ciro Gomes (PROS-CE), que recentemente se lançou candidato a presidente.

Talvez até o próprio Lula fosse ministeriável. Lula ganharia holofotes gratuitos, iniciaria sua campanha numa posição qualificada (especialmente na Defesa ou nas Relações Exteriores) e, com foro privilegiado, escaparia da sanha fascista da República do Paraná, ficando submetido exclusivamente ao STF.

A antecipação da campanha de 2018, entretanto, é um peso para se levar em consideração. Estar no governo Dilma, já combalido, pode prejudicar mais que ajudar o pré-candidato com maior envergadura.

De qualquer sorte, este movimento de grandes forças políticas em direção a ministérios estratégicos, como a Casa Civil, inclusive, pode colocar a “Operação Lava-Jato” em marcha lenta, já que seu teto terá sido José Dirceu. Mais uma vez;

8) O controle da malta.

O PMDB, com a provável dança de cadeiras nos ministérios, acalmará a sanha do baixo clero na Câmara.

As prebendas serão redistribuídas e os deputados órfãos de Eduardo Cunha voltarão a votar no cabresto, controlados em sua maioria pelos líderes governistas, como sempre fizeram;

9) A divulgação do recado.

A Rede Globo de televisão dá um destaque absolutamente inédito a Dilma Rousseff e de forma positiva, permitindo que um vídeo com a fala da Presidente seja transmitido por longos segundos no JN e no Jornal da Globo.

As organizações Globo indicam que entenderam o recado do mercado e retiram a agenda golpista da programação;

10) Ao fim e ao cabo, é a economia.

A economia dá sinais de recuperação. O natal de 2015 será gordo. E a Petrobrás passará de 1.000.000 de barris por dia apesar do mimimi da oposição.

A Dilma poderá até fritar, mas o golpe, por enquanto, não prospera.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

45 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Flavio

11 de agosto de 2015 às 12h20

Não entendi , 1.000.000 de barris? A Petrobras já não passou disso na décadas?

Abração!

Responder

Henrique R

10 de agosto de 2015 às 00h41

edu CUnha

Os políticos da câmara dos deputadinhos federais, comandada pelo edu CUnha, não garantem nenhum direito moral – só levam em conta o que lhes é conveniente.
O que está faltando não é política.
Faltam homens probos capazes de reconhecerem uma Lei da Constituição e/ou a voz da maioria do povo.

Que probidade possui um político como o edu CUnha!?

Responder

Fábio Brito

09 de agosto de 2015 às 20h21

É uma forma de olhar as coisas, certamente. Mas confesso que me pareceu muito superficial.

Tenho um outro olhar sobre a situação. Ao observar as últimas movimentações das peças no tabuleiro de xadrez, faço algumas considerações a respeito da atual política no Brasil. Leiam, comentem, e, se gostarem compartilhem o link, obrigado.

“Quando me desespero, e me angustio, eu me lembro que durante toda a história o caminho da verdade e do amor sempre ganharam. Tem existido tiranos e assassinos e por um tempo eles parecem invencíveis, mas no final, eles sempre caem – pense nisso, SEMPRE.”
?Mahatma Gandhi

https://rebeldesilente.wordpress.com/2015/08/09/o-futuro-incerto-do-brasil-entre-o-golpe-juridico-midiatico-parlamentar-esperado-e-a-guerra-civil-possivel/

Responder

Henrique R

09 de agosto de 2015 às 15h26

A malta

Não é preciso ser ou nunca ter sido petista, para ver como a direita fascista, é oportunista e manipula a moralidade alheia e, também, tripudia da inteligência dos eleitores.

Vejam São Paulo – mais de 20 anos com o PSDB.

Responder

Henrique R

09 de agosto de 2015 às 15h21

Quem acredita no “Ex”-golpismo da mídia!?

Na fundação do PSDB um dos itens defendidos foi as privatizações, acabando com o Estado forte, ou seja, o neoliberalismo. Na época muita gente achou que seria entreguismo. A previsão estava certa.
FHC entregou o país e obedeceu cegamente ao consenso de Washington.
O partido foge da discussão de suas privatizações.

A imprensa, em 1997, pouco falou – até ajudou – do GOLPE que era dado na Brasil.

Responder

Henrique R

09 de agosto de 2015 às 14h21

Um exemplo da economia do gov PSDB, que tanto os coxinhas gostam:

-São Paulo é o manicômio da tributação tucana. E a intelectualidade tucana continua a sucatear Sampa desde 1995.

Exemplo:
– o recorde planetário: mais de 20 anos de PSDB em SP e os estupendos 80 Km de metro – não há nada igual no planeta!

Responder

Henrique R

09 de agosto de 2015 às 12h38

Obedecendo ao FMI:
– o pior aumento da carga tributária foi de 1998 a 2002, por imposição do FMI, o que causou crescimento ‘pífio’, aumento do desemprego, aumento do ‘custo-Brasil’, redução da competitividade no comércio exterior, falta de atração de investimentos produtivos, redução salarial, segurança, justiça, educação e saúde.

Não houve panelaço, impitim,……….., a mídia se calou.

Responder

Everaldo Ferreira

09 de agosto de 2015 às 14h48

UMA RAZÃO PARA TER. PRENDER OS LADRÕES DO POVO….

Responder

surreal

09 de agosto de 2015 às 11h01

Os exploradores dos pobres e traidores do Brasil se acham maioria por estarem abraçados a mídia porca e a justiça injusta, o medo desses, da transformação do Brasil em país soberano, com menos desigualdades e cidadãos mais conscientes de seus direitos e deveres, os fazem tremerem, porque na verdade os brasileiros querem a justiça verdadeira e maiores oportunidades, o povo brasileiro considerado minoria por eles, na verdade é a grande maioria e a sua vontade é o verdadeiro devir. Chega de alienação.
A pátria dos traidores é o dinheiro sujo, não importa de onde vem, é dinheiro manchado com o sangue do povo brasileiro.
https://www.youtube.com/watch?v=1phd2VxUnW4
https://www.youtube.com/watch?v=L3VTSxWTvjI
https://www.youtube.com/watch?v=Bi15bR4GXo0

Responder

Henrique Pedro

09 de agosto de 2015 às 11h43

Cafezinho, vocês vão promover outra vaquinha para o Zé ou vão fazer ele usar os 39 milhões que ele “recebeu” ao mesmo tempo que fazia a vaquinha anterior ?

Responder

Vitor

09 de agosto de 2015 às 07h59

Gostei do texto!! Eu nunca achei q ia ter golpe, na verdade…
Agora achar q o natal de 2015 vai ser gordo eh de um otimismo infundado…

Responder

Eliseu Bottin

09 de agosto de 2015 às 02h08

PRISÃO PARA O LULADRÃO !!!
FORA DILMANTA , TERRORISTA !!!INTERVENCAO MILITAR CONSTITUCIONAL JÁ PARA FAZER UMA ” LIMPEZA ” EM TODOS OS PARTIDOS POLÍTICOS !!!!

Responder

    Simone Dos Santos

    09 de agosto de 2015 às 03h22

    Vai buscar o seu cérebro que fugiu de vergonha de você

    Responder

    Daniel Lopes

    09 de agosto de 2015 às 14h09

    Recuso-me a acreditar que alguém em sã consciência escreva asneiras nesse nível!

    Responder

    Eliseu Bottin

    09 de agosto de 2015 às 16h03

    VÃO FAZER ” VAQUINHA PARA SOLTAR O ” ZÉ LADRÃO ” DA PRISÃO ; ENQUANTO ISSO ELE TEM 20 MILHÕES EM CONTA NO EXTERIOR ; A COITADO !!!!!!

    Responder

    Ana Coelho

    09 de agosto de 2015 às 22h38

    Meu caro vá procurar seus amigos não pensantes . Coxinhas

    Responder

Jorge Carvalho

09 de agosto de 2015 às 01h30

A análise tem certa logicidade, mas, como em política 2+2, não são 4, prefiro dá uma de São Tomé: só acredito vendo! Quem garante se tudo isso não é uma jogada da Globo para evitar que o Requião, o Ciro e o Lula sejam convidados para o novo ministério da Dilma? Para manter a Dilma com a guarda baixa, João Roberto Marinho ludibria senadores do PT… http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/dilma-deve-ser-sucedida-por-quem-ganhar-em-2018-disse-joao-roberto-marinho-a-senadores-do-pt/

Responder

Gilberto Puig Maldonado

09 de agosto de 2015 às 01h30

Excelente análise. Completa e objetiva.

Responder

Tiago Santos

09 de agosto de 2015 às 00h55

Sabe por que não terá golpe? Para além da falta de sustentação jurídica, na pior das hipóteses de uma tentativa paraguaia (meramente midiática), os trabalhadores, operários, movimentos sociais, intelectuais, sindicatos… não deixarão. Ninguém quer voltar aos tempos escusos e segregadores de governos passados, sedentos pelo retorno.

Responder

Pedro Dalapicula

09 de agosto de 2015 às 00h48

Nos temos uma oposição tão burra, que só tem uma chance de vencer a eleição e destruindo tudo de bom que Lula e Dilma fez, e muita burrice do Aecio e seu povo burro

Responder

Monica Figueiredo

09 de agosto de 2015 às 00h23

Os militares não querem.Não se preocupem.

Responder

Maria Regina Novaes

09 de agosto de 2015 às 00h07

Onze…votei na Dilma!

Responder

Monopólio da Informação - combata isto.

08 de agosto de 2015 às 23h50

Se a crise política provocada pela “oposição” não consegue levar a uma ação decisiva, mas apenas segue agravando ainda mais a economia e este cenário já consumiu praticamente todo o ano de 2015, as grandes empresas podem estar agora se perguntando o quanto interessa a elas que este ambiente de destruição da macroeconomia siga pelo mesmo rumo por vários anos. https://www.facebook.com/monopolio.informacao/photos/a.220940641432782.1073741828.220775284782651/372552296271615/?type=1&theater

Responder

Laura

08 de agosto de 2015 às 20h24

Tomara!

Responder

Marcelo Indelli

08 de agosto de 2015 às 22h42

Estamos ganhando! #ForaGolpistas!

Responder

Vassili Grossman

08 de agosto de 2015 às 22h40

SEIS TESES SOBRE POR QUE CONSIDERO IMPROVÁVEL QUE O MANDATO DE DILMA SEJA INTERROMPIDO

(só para os fortes)

Há tanta gente falando ao mesmo tempo que Dilma Rousseff está quase caindo, por impeachment ou renúncia, e dessa vez com tanta angústia e verdade, que comecei a desconfiar de que sou o último tolo da tribo, vez que tudo isso me parece muito pouco provável. Depois que o PT apresentou um programa para dar recibo de que a queda da presidente está na pauta (ao menos na pauta dos “malvados”), a desconfiança de que estou me tornando o último dos céticos cresceu consideravelmente. O programa de ontem fez ainda mais: deu um nome ao mal-estar generalizado na política nacional desses dias, “crise política”, de modo que se o monstro agora tem nome, tem também direito a cidadania. Existe.

Depois, veio um dia de consumo de posts e links de redes sociais, e até de mensagens de respeitáveis colegas, expressando temor, uns, desejo, outros, de que o mandato de Dilma termine.

Bem, meus amigos, é importante deixar claro que os dois argumentos sobre a iminente queda de Dilma Rousseff, antes que previsões políticas consistentes, são instrumentos a ser usados no jogo político. Os argumentos (1) “a renúncia da presidente é o único meio para que o país supere a crise política” e (2) “por menos que isso, Collor sofreu impeachment” estão no mercado de ideias e de sensações públicas como recurso para produzir, reforçar e aguçar o sentimento de que o governo do PT está esgotado, perdeu a condição moral para a sua continuidade, de que o país precisa que a presidente se retire. É claro quem ganha e quem perde quando estes argumentos prosperam, não? Se isso preocupa a todos e concentra um montante tão significativo de atenção pública, então o recurso foi usado com eficiência. Talvez você não saiba, mas se você se preocupa com isso, então o argumento lhe tem justamente onde ele desejou. Você, então, passa a decifrar, em toda parte, indícios de que isso é a mais pura verdade – da sonora de Temer à frase enigmática da Folha de S. Paulo, tudo demonstra que Dilma, como muitos antes dela, poderá não sobreviver ao temível mês de agosto.

Diante disso, compartilho aqui alguns elementos que me fazem, teimosamente, apostar contra a corrente.

1) A analogia com a situação de Collor não se sustenta, por várias razões políticas. Quando a Câmara decidiu aceitar a abertura do processo de impeachment contra ele, em 1992, Collor já era um cachorro morto, defendido apenas, e às cotoveladas, pelo seu pelotão de choque (Claudio Humberto e Renan Calheiros), desprezado por tudo e por todos. Dilma tem um partido com uma bancada consistente, nas duas Casas, que certamente não vai entregar sua cabeça, numa bandeja, nas mãos de Cunha, Aécio e Caiado. Collor era um sem partido. Já o PT, além de ser um partido orgânico, e não uma legenda montada para disputar eleições, não sobrevive se Dilma cair, não pode entregar a cabeça para salvar o corpo. Para o partido, sacrificar Dilma seria imolar-se no altar dos seus inimigos. Não faz sentido.

2) Já está mais que provado que a “base de Cunha” é maior, mais esperta e mais eficaz do que a base do governo, embora Eduardo Cunha se tenha feito deputado pela vontade de apenas 233 mil brasileiros, contra os 54,5 milhões de votos de Dilma Rousseff. Mas já é claro também que a agenda de Cunha tem apenas uma “pars destruens”, um projeto de ataque. Cunha e os cunhistas não distinguem Estado e governo, não lhes incomoda ferir gravemente o Estado desde que o governo também sangre. Quem diz isso não sou eu, é The Economist. Literalmente, acho que é claro para todo mundo que Cunha está atirando nos joelhos do país, na esperança de ver o governo cair. Ora, por esta razão a elite brasileira não pode ser cunhista: Cunha é péssimo para os negócios, Cunha desrespeita e viola instituições, Cunha é bruto. O cunhismo não é uma alternativa que se possa abraçar. Nem menciono Aécio pois, ao contrário do que ele parece acreditar, não há hipótese de que ele seja beneficiário de uma eventual interrupção do mandato de Dilma. A não ser que Temer fosse um parvo e Cunha, um cordeirinho.

3) O mandato de Dilma Rousseff (não ela, o mandato) será defendido energicamente até pelos que não são petistas ou não simpatizam com a atual administração. O fato de os antipetistas estarem gritando mais alto, não quer dizer que os que estão em silêncio gostem deles ou os apoiem em todas suas aspirações. A hipótese do impeachment só poderá ser apresentada, sem provocar convulsão social, se houver provas claras, irrefutáveis, de crime cometido pela mandatária. Claro, Dilma poderia renunciar, mas para ela cometer suicídio político (além de sacrificar o seu próprio partido) seria preciso haver uma unanimidade política, intelectual, moral e de opinião pública a respeito da sua incapacidade de governar que está muito longe de ser obtido. Mais importante que os petistas para defender o mandato de Dilma, neste momento, são os “constitucionalistas”, os que defenderão até o fim as instituições da democracia liberal.

4) Não havendo um consistente consenso social (repito: político, intelectual, moral) sobre o fato de que Dilma Rousseff deve ir embora, retirá-la do poder, mesmo que fosse por um impeachment paraguaio (inteiramente político), seria provocar um inevitável estado de convulsão social. Petistas e constitucionalistas estariam unidos, num grande front moral, para defender a sacralidade do mandato popular, o estado democrático de direito tão arduamente conquistado, as instituições da democracia liberal. Os antipetistas aprenderam no ano passado a ocupar ruas, o sindicalismo, o petismo e os movimentos sociais têm anos de experiência. Estamos prontos para um estado de “guerra civil” no país? Quem é tão estúpido ao ponto de não querer evitar isso? Além disso, o Brasil é um país muito bem vertebrado institucionalmente e não um molusco político qualquer que pode ser movido para cá ou para lá por líderes carismáticos e suas multidões de seguidores. A desinstitucionalização do Estado, para satisfazer apetites e insatisfações políticas, mereceria o repúdio até dos mais conservadores membros do establishment estatal.

5) Mesmo que os antipetistas ocupem as ruas, e que, digamos, alcancem uma escala demográfica como a de 2013, isso não lhes dá o direito de governar. Ao que eu saiba, ainda não trocamos a democracia por uma plethocracia (governo de multidões)? Aliás, historicamente a democracia ateniense foi inventada para que as multidões parassem de derrubar e empossar déspotas e tiranos. Sei que esse argumento magoa muito os populistas de esquerda (e, a partir de agora, os populistas de direita), mas a democracia não é um sistema em que a vontade a ser considerada é a expressa no berro e no muque. Isso é adolescência, democracia é outra coisa.

6) Faltam apenas três anos para a próxima eleição. Só um milagre eleitoral para evitar que outra força política tome, legitimamente, a Presidência da República das mãos do PT. Por que, em sã consciência, alguém que pode ganhar e levar fácil uma eleição em três anos, iria se arriscar agora a criar tanto transtorno às instituições políticas do país só para impedir que uma presidente termine o seu mandato? Quem quer chegar à campanha eleitoral de 2018 como regicida (kingslayer?), golpista, tiranete? E, mais ainda, que quem quer viver o resto da sua existência política sentindo na nuca o bafo dos inimigos sorrateiramente derrotados, perenemente à espreita de uma oportunidade de retribuição do mal?

Responder

Monopólio da Informação - combata isto.

08 de agosto de 2015 às 22h30

UMA LEITURA QUE NÃO PODE SER DESCONSIDERADA!

“O momento atual, com as ameaças de impeachment, os jornais derramando litros de tinta de denúncias e, nas redes sociais, terabytes de ódio patrocinado, as bombas, as intimidações, a massa cheirosa nas ruas e nas varandas gourmet indignadas e as consequentes crises política e econômica, é necessário para criar o clima de exaustão que tornará palatável a solução final – ‘Lula na cadeia’, sem provocar uma convulsão social. Nesse sentido, Eduardo Cunha acaba de receber mais tempo de Janot para manter o Congresso em ‘excitação patriótica’. E o recado: não vá além de suas tamancas.

Enfim, dores do parto do Brasil Grande. Sergio Moro, o juiz das mãos limpas, o parteiro da nação. Lula na cadeia, o fórceps preventivo e necessário.

Impeachment de Dilma?

‘Smoke gets in our eyes’.

O golpe é prender Lula.”

http://www.jornalggn.com.br/blog/sergio-saraiva/a-prisao-de-lula-e-a-solucao-para-o-brasil-por-sergio-saraiva#.VcUJRYpWOAU.facebook

Responder

    Lucia Rossini

    08 de agosto de 2015 às 23h24

    Vocês já estão enchendo o saco…já deu…bora trabalhar !!!

    Responder

André Carone

08 de agosto de 2015 às 21h42

Rapaz, você já enterrou e ressuscitou o golpe umas vinte vezes nas últimas semanas. E o mais doido é que tem um monte de gente te copiando!

Responder

    Raquel De Almeida Prado

    08 de agosto de 2015 às 22h39

    Mas dessa vez acho que acertou.

    Responder

    André Carone

    08 de agosto de 2015 às 22h44

    Acertou sim.

    Responder

    Lucia Rossini

    08 de agosto de 2015 às 23h22

    claro…Fiesp mostrou a cara, estava com o rabo entre as pernas …

    Responder

    Lucia Rossini

    08 de agosto de 2015 às 23h22

    claro…Fiesp mostrou a cara, estava com o rabo entre as pernas …

    Responder

    Lucia Rossini

    08 de agosto de 2015 às 23h33

    essa galera destrambelhada, com toda essa irresponsabilidade, trabalhando para inviabilizar a economia do país….camisa de força nessa galera sem-vergonha !!!

    Responder

    Lucia Rossini

    08 de agosto de 2015 às 23h33

    essa galera destrambelhada, com toda essa irresponsabilidade, trabalhando para inviabilizar a economia do país….camisa de força nessa galera sem-vergonha !!!

    Responder

    Mário Teixeira

    08 de agosto de 2015 às 23h38

    kkkkk

    Responder

    Mário Teixeira

    08 de agosto de 2015 às 23h38

    kkkkk

    Responder

Washington

08 de agosto de 2015 às 18h37

Jovens de Esquerda
6 h ·

Comentário sensato sobre JN

Não há motivos para comemorar a postura da Globo nem o aparente recuo do Temer.

O que os motiva em primeiro lugar é: eles não podem fazer um golpe que pareça um golpe.

Em segundo lugar: o Cunha é um problema para os golpistas, não uma solução, por isso se puderem vão remover o cidadão.

Em terceiro lugar: na hora do abate, o bom matador busca acalmar a vítima.

Assim, sem ilusões: a operação degola continua.

O que pode virar o jogo é nossa mobilização + mudança de linha do governo.

Responder

walter pastori

08 de agosto de 2015 às 18h36

O RECADO FOI DIRETO DAS INDUSTRIA PRA MIDIA NAO VAMOS ANUNCIA NA SUA TV NOS INTERVALOS DOS PROGRAMAS ONDE ANUNCIAMOS NOSSOS PRODUTOS NA VOLTA APARECE MERVAL MIRIAM SADEMBERG CRISTINA LOPRETE WILHIAN ESBRAVEJANDO ALGUNS CHEGAM ATE BABAR PRO CONSUMIDOR NAO COMPRAR POIS O PAIS TA UMA MERDA

Responder

Messias Franca de Macedo

08 de agosto de 2015 às 18h28

MAIS TRÊS RAZÕES PARA NÃO TER GOLPE

RAZÃO 11

MINISTÉRIO ANTIGOLPE TERIA LULA, CIRO E REQUIÃO

Especulação que circula no meio político da Capital Federal é que a presidente Dilma Rousseff estaria preparando uma reforma com a escalação de generais de altíssima patente para uma espécie de ministério contra o golpe; o ex-presidente Lula ocuparia a Chancelaria do país; também teriam sido consultados para integrar a nova equipe o senador Roberto Requião (PMDB-PR) e o ex-ministro Ciro Gomes (PROS-CE); reforma deverá ocorrer na semana que vem, na véspera do protesto do dia 16 chamado pela oposição e setores antipetistas, informa o Blog do Esmael

8 DE AGOSTO DE 2015 ÀS 13:48

(…)

FONTE: http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/192138/Minist%C3%A9rio-antigolpe-teria-Lula-Ciro-e-Requi%C3%A3o.htm

RAZÃO 12

“Os golpistas, além de golpistas, são [golpistas] frouxos”, segundo o impávido e competente Ciro Gomes

RAZÃO 13 (13!)

A presidente Dilma Rousseff é uma mulher capaz, absolutamente honesta e radicalmente intrépida, ‘Coração Valente’, A Magnífica!

E tenho dito!

Messias Franca de Macedo
Feira de Santana, Bahia
Brasil – em homenagem à presidente Dilma Vana Rousseff, ao [eterno] presidente Lula e ao sapiente, leal, generoso, intimorato e honesto povo trabalhador brasileiro.

Responder

Fábio Brito

08 de agosto de 2015 às 18h21

Vocês conhecem os DUBLÊS DE MARIONETE??? Sabem quem são?? Deem uma lida no meu post, comentem, e se gostarem, compartilhem. Obrigado.

https://rebeldesilente.wordpress.com/2015/08/08/a-real-sabedoria-dos-dubles-de-marionete-ou-o-porque-o-mundo-e-tao-injusto/

A REAL SABEDORIA DOS DUBLÊS DE MARIONETE!!!
A imprensa é tão poderosa no seu papel de construção de imagem, que pode fazer um criminoso parecer que ele é a vítima e fazer a vítima parecer que ela é a criminosa. Esta é a imprensa, uma imprensa irresponsável. Se você não for cuidadoso, os jornais farão você odia as pessoas oprimidas e amar as pessoas que oprimem. Malcolm X.

Responder

Deixe um comentário